Cuiabá, Segunda-feira 22/10/2018

Artigos - A | + A

29.11.2017 | 00h00

Foro privilegiado

Facebook Print google plus

"O foro privilegiado, ou foro por prerrogativa de função é, como o próprio nome diz, um privilégio concedido a autoridades políticas de ser julgado por um tribunal diferente ao de primeira instância, em que é julgado a maioria dos brasileiros que cometem crimes". (Web Internet). Este foro especial se restringe a processos penais. Segundo a imprensa, 54 mil pessoas usufrui deste direito, no Brasil. Entre eles, estão: prefeitos, deputados, secretários de Estado, chefes dos executivos, ministros de Estado juízes e desembargadores, e promotores e procuradores de justiça.

Hoje existe consenso a respeito da extinção ou da modificação do foro especial, pois ele virou sinônimo de impunidade, em face da morosidade no trâmite dos processos a ele submetidos. É preciso, entretanto, ir com calma e se responda, por que ele foi criado?

"O Foro Privilegiado foi criado com a função de proteger determinados cargos da litigância de má-fé e de interesses arbitrários de juízes e pessoas influentes nos juízos de primeira instância". (Romulo Marini do Valle Internet)

Ele foi criado, portanto, para que as autoridades não fossem processadas e julgadas por juízes que no município dependem em quase tudo do prefeito e pelos tribunais de justiça que sofrem toda sorte de influências de deputados, governadores e autoridades regionais.

E aqui um registro. É uma bênção a existência de 3ª Instância (STJ e STF), onde, apesar das dificuldade de chegar lá, se foge das injunções e influências locais, e regionais. E em boa parte das vezes, podemos restabelecer a justiça, a equidade e de dar Cesar o que é Cesar. Para exemplificar, eu tinha uma ação contra as tortas aplicações do ICMS sobre energia elétrica e procurei um desembargador para expor a situação e ele me respondeu: você acha que eu vou votar contra o Governador?

A extinção do foro especial seria voltar ao passado e ao paraíso para os malfeitores da coisa pública que iriam se utilizar de prestígio e de suas influências regionais para continuar flanando na mesma impunidade que levou a sua criação. A exceção fica por conta da Primeira Instância da Justiça Federal que punido como rigor os crimes contra o patrimônio da União. No Brasil, com as raras exceções, quem tem dinheiro ou poder deles se utilizam para levar vantagens.

O argumento de que o foro privilegiado seja restringido para crimes comuns, conforme pretende a Câmara e o STF, tem pouca serventia, pois tudo que foi apurado nas diversas operações policiais por este Brasil afora, não tem a ver com crimes comuns, pois tratam-se de delitos do "colarinho branco".

Meus queridos leitores existem muito mais mistérios entre o céu a terra do que a nossa vã filosofia. Não embarquem em qualquer discurso, pois se corre o risco de fazer o que o diabo quer.

O foro privilegiado precisa ser encarado de outra forma, pois ele existe em todo o mundo. Não se pode simplesmente extingui-lo, ou se enveredar por atalhos, pois estes quando não agravam, não levam a lugar nenhum.

Renato Gomes Nery é advogado em Cuiabá. E-mail rgnery@terra.com.br

Voltar Imprimir

Comentários

GD

GD

Enquete

Qual sua opinião sobre a influência das redes sociais e WhatsApp nessas eleições?

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 22/10/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22,05 0,92%

Algodão R$ 95,42 0,14%

Boi a Vista R$ 130,67 0,26%

Soja Disponível R$ 70,00 -0,71%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.