Cuiabá, Domingo 21/10/2018

Artigos - A | + A

05.12.2017 | 00h00

Politicamente correto, sim!

Facebook Print google plus

Em tempos onde as ideias e os conceitos se tornam virais de forma instantânea, cresce a responsabilidade do cidadão - quer ele queira, quer não - com tudo o que escreve e fala publicamente. Já não cabe mais admitir que pessoas cruéis, preconceituosas e intolerantes saiam por aí, atacando, perseguindo e incitando a violência contra raça, gênero, credo, condição física de todos os matizes, entre outros. Por isso, volta à tona a necessária discussão sobre o que é politicamente correto numa sociedade que se diz democrática, laica e tolerante.

Não são poucos os avessos a essa expressão, chamando-a pejorativamente de "a praga do politicamente correto", como se o ato de pensar e refletir antes de falar e agir, fosse um cerceamento à liberdade de expressão. Alegam esses, que a padronização da linguagem de algumas expressões que definem opções e segmentos é o se pode chamar de "cala boca" para quem se considera extremamente franco. E mais, chegam a defender que o politicamente correto corrói as relações sociais. Como assim?

Há poucas semanas uma menina africana, adotada por um casal de artistas foi gratuita e violentamente atacada numa rede social por uma brasileira que mora nos Estados Unidos. A brutalidade das expressões usadas pela tal "socialite" - vale ressaltar que é crime -, ganhou a mídia nacional e internacional gerando tristeza, revolta, indignação e, claro, providências jurídicas por parte dos pais.

Ignoram esses cidadãos que a cultura do respeito às minorias e aos excluídos, passa também pela linguagem. Diz o dito popular que "costume de casa vai à praça". Se em casa é assim que os pais se expressam, de forma cruel, mesquinha, intolerante, preconceituosa e violenta diante de seus filhos, a respeito de uma determinada situação, é assim que ela será reproduzida por eles, na escola, nos centros de convivência, nas ruas, na internet; enfim. Afinal, estão avalizados por aqueles que têm o dever moral de educá-los e de mostrar-lhes o caminho do bem, da ética, da retidão e do amor.

E se não cuidarmos, as expressões politicamente incorretas continuarão insistindo em ganhar corpo e forma na sociedade, erguendo muros cada vez mais altos ao invés de pontes cada vez mais extensas entre as pessoas. "É preciso estar atento e forte", compôs Caetano. A linguagem rotula, o rótulo estigmatiza e o estigma gera sofrimento e dor.

A discriminação não é uma brincadeira, muito menos de mau gosto, sem maldade. Porque brincadeira envolve a participação e o comum acordo entre todos os envolvidos, e o achacamento moral não acontece assim. É vil, cruel, desatinado e não tem limites se assim continuarmos permitindo.

Se o que sai da boca do homem é o que flui do seu coração, já passou da hora de cuidarmos do que estamos semeando em nós. O mundo cristão celebra o advento e se prepara para a chegada do Natal. Nesse clima de renascimento, que bom seria se a mentalidade tacanha do homem velho, desse lugar ao frescor amoroso e cheio de esperança do homem novo, em cada um de nós.

Voltar Imprimir

Comentários

GD

GD

Enquete

Qual sua avaliação do governo Temer nesse final de mandato?

Parcial

Edição digital

Domingo, 21/10/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,15 -1,95%

Algodão R$ 96,29 -0,97%

Boi a Vista R$ 130,00 -0,50%

Soja Disponível R$ 67,60 -0,15%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.