Cuiabá, Terça-feira 19/03/2019

Colunas e artigos - A | + A

05.05.2018 | 00h00

A caravana necessária

Facebook Print google plus

Domingo passado, 29/04/2018, o jornal O Globo estampou na primeira página a notícia de que no Rio de Janeiro a fila de espera para consultas oftalmológicas atingia 681 dias, ou quase dois anos, um aumento de 58% em relação a 2017. Após a consulta, há outra demorada fila para conseguir a realização de exames e mais outra ainda para realizar a cirurgia. O ciclo de espera do carioca pode ultrapassar vários anos, período em que pioram as condições de saúde.

Nessa mesma semana, tive a oportunidade de visitar a denominada Caravana da Transformação, instalada na Arena Pantanal. Tinha muita curiosidade de conhecer o programa, tão contraditórias e apaixonadas eram as opiniões que sobre ele lia ou ouvia, tanto pela imprensa como em conversas sociais.

Minha ida à Caravana foi discreta, solitária e quase anônima. Não fui acompanhado de autoridades, assessores, seguranças ou fotógrafos. Só não posso afirmar que foi a visita de um simples cidadão porque liguei na véspera solicitando que alguma pessoa da organização pudesse me guiar e esclarecer dúvidas. De fato, fui gentilmente recebido por uma das coordenadoras, que se esmerou em responder com competência a todos os questionamentos apresentados.

Na Arena Pantanal, pude conversar com médicos, enfermeiros, técnicos, pacientes, familiares e voluntários. Percorri todas as instalações: recepção, ambientes de espera, consultórios, almoxarifado e praça de alimentação. Com os devidos cuidados, fui admitido no centro cirúrgico onde presenciei duas cirurgias de catarata com equipamentos de alta precisão. Acompanhei exames pós-operatórios e a entrega gratuita de medicamentos e óculos de proteção. Tudo em um ambiente de muita calma e bem organizado, apesar da presença de mais de duas mil pessoas.

Em inúmeros pequenos detalhes, como na distribuição de água ou na disposição das cadeiras, constatei a preocupação com o conforto e a segurança do público, em sua imensa maioria pessoas idosas e de baixa renda. O índice de complicações pós-operatórias é mínimo, pois todos os protocolos médicos seguem os padrões fixados pelos órgãos reguladores. Em nenhum momento, observei atitudes, falas, materiais ou símbolos que pudessem significar ou induzir a promoção pessoal de alguma autoridade.

Fui apresentado a um conjunto de dados estatísticos e epidemiológicos acerca da incidência de doenças oftalmológicas em Mato Grosso e das limitações do atendimento disponibilizado pelos Programas de Saúde da Família e pelos planos de saúde privados, resultando em parcela significativa da população com necessidade de uma alternativa como a oferecida pela Caravana. Aliás, os números do Rio de Janeiro divulgados pelo O Globo confirmam essa carência.

No que tange aos custos, por cada procedimento, exame ou cirurgia, o governo estadual paga o valor da tabela SUS, muito inferior ao que o paciente pagaria num atendimento particular, se pudesse. Ademais, a existência da Caravana permitiu que Mato Grosso fosse finalmente autorizado a receber repasses do Ministério da Saúde para procedimentos oftalmológicos de média e alta complexidade, no montante de R$ 1.416.179,00. Antes do programa, tais recursos nunca chegaram.

Apenas no dia em que compareci à Caravana foram realizadas 675 cirurgias oftalmológicas diversas, na maioria de catarata. No total, dezenas de milhares de pessoas já foram beneficiadas nas diversas regiões, com mais saúde e qualidade de vida.

Não tenho qualquer intenção ou pretensão de convencer ninguém, mas modestamente sugiro, principalmente aos que detêm ou aspiram a funções na vida pública ou que são influenciadores da opinião pública que, antes de formularem o seu veredicto, procurem se informar e façam também uma visita a alguma das edições do programa. Quanto a mim, como cidadão, saí da Arena Pantanal convencido da importância e da qualidade dos serviços de saúde ali oferecidos e bem impressionado com a dedicação demonstrada por servidores e voluntários. A Caravana é necessária, é útil, é bem executada e deve continuar.

Luiz Henrique Lima é Conselheiro Substituto do TCE-MT.

Voltar Imprimir

Comentários

Chico Ferreira

Chico Ferreira

GD

GD

Enquete

As guerras ainda são necessárias, na sua opinião?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 19/03/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,20 -1,46%

Algodão R$ 115,18 1,08%

Boi a Vista R$ 135,67 0,25%

Soja Disponível R$ 64,95 -0,08%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.