Cuiabá, Sexta-feira 16/11/2018

Colunas e artigos - A | + A

05.11.2018 | 18h25

Pacificar o Brasil é prioridade

Facebook Print google plus

João Guilherme Ometto

Divulgação

Divulgação

A primeira missão do presidente da República eleito, assim como dos novos governadores e legislaturas federal e estaduais, é pacificar o Brasil, depois de uma campanha eleitoral permeada por ânimos inflamados, discussões ríspidas e divergências exaltadas entre amigos e familiares. O grau de agressividade, muito perceptível nas redes sociais, foi ainda mais grave do que no pleito de 2014. É prioritário, portanto, que o governo seja de conciliação nacional.

 

A legitimidade do voto, princípio basilar da democracia, faz do eleito o presidente de todos os brasileiros, independentemente de questões ideológicas. Com certeza, muitos dos que não votaram nele passarão a respeitá-lo, se realizar uma administração ética, empreendedora e na qual se efetivem as reformas estruturais esperadas há 30 anos, desde a promulgação da Constituição de 1988, em 5 de outubro daquele ano.

 

Nesse contexto, é essencial que, logo no início do mandato, quando o apoio de milhões de votos e a ausência do desgaste natural do exercício do poder estiverem lhe conferindo maior força política, o novo presidente já adote medidas transformadoras de impacto, encaminhando junto com o Congresso as reformas política, tributária e previdenciária, implementando ações voltadas ao equilíbrio fiscal, ao compliance, à retomada do crescimento econômico e de combate à criminalidade. São essas as principais demandas da sociedade, evidenciadas, aliás, nos debates e em toda a comunicação das campanhas eleitorais.

 

Na legislatura federal, a renovação observada no Senado e na Câmara são fatores importantes. Esperemos, porém, que tais mudanças não se limitem à troca de partidos e pessoas, mas que atinjam, também, os hábitos e comportamento dos parlamentares.

 

Num cenário marcado pelas investigações, prisão, julgamento e aplicação de sentenças penais a políticos e empresários, sem precedentes em nossa história, não há mais espaços para fisiologismo e clientelismo nas relações entre Executivo e Legislativo. O Congresso não pode mais ser o balcão de negócios da governabilidade. Precisa assumir, de modo taxativo e irreversível, sua missão constitucional de representatividade do povo (Câmara dos Deputados) e dos Estados (Senado).

 

Tal missão pressupõe legislar com base nos interesses maiores da população, fiscalizar de modo imparcial o Executivo, fazer oposição responsável, apoiar o que for pertinente e rejeitar o inadequado. Esta mudança, uma total disruptura na cultura política de nossa República, atenderia a uma das mais enfáticas expectativas dos brasileiros quanto à classe política.

 

Obviamente, não é uma atitude de mão única. É uma postura que deve ser mantida pelos representantes dos dois poderes, incluindo a sua interação com o Judiciário e o Ministério Público.

 

Os desafios são muitos para o novo governo, pois o Brasil continua mergulhado em sua mais grave crise econômica desde 1929 e ainda se ressente da instabilidade causada pelos escândalos de corrupção, o impeachment presidencial e as denúncias que seguem sendo investigadas no âmbito da Operação Lava Jato. Em meio a tudo isso, o grande fator positivo foi a integridade de nossas instituições, que resistem firmes e inabaladas a fatores bastante contundentes.

 

As eleições revigoraram o cenário nacional e, mais uma vez, reciclaram a esperança dos brasileiros. Com certeza, pelos antecedentes, anseios da sociedade e premência para a solução dos complexos problemas do País, tratou-se de um dos mais importantes pleitos de toda a nossa história.

 

Que o voto legítimo seja honrado pelos novos governantes e parlamentares e que o Estado Democrático de Direito, que nos deu toda a liberdade política e prerrogativas da cidadania expressas na Constituição, nos contemple agora com desenvolvimento e mais justiça social!

João Guilherme Sabino Ometto é engenheiro e vice-presidente do Conselho de Administração da Usina São Martinho e membro da Academia Nacional de Agricultura (ANA).

Voltar Imprimir

Comentários

Chico Ferreira

Chico Ferreira

GD

GD

Enquete

Expor sua opinião após as eleições vale a pena?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 15/11/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,05 1,33%

Algodão R$ 90,40 -0,53%

Boi a Vista R$ 126,00 0,80%

Soja Disponível R$ 66,10 -0,15%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.