10 países criam força-tarefa para investigar casos de corrupção da Odebrecht | Gazeta Digital

Sexta, 17 de fevereiro de 2017, 08h38

Se aliando com o Brasil

10 países criam força-tarefa para investigar casos de corrupção da Odebrecht


Estadao

BRASÍLIA - Em uma reunião conjunta de trabalho realizada em Brasília nesta quinta-feira, representantes do Ministério Público de dez países e do Brasil decidiram formar equipes conjuntas de investigação sobre os esquemas de corrupção que envolvem a Odebrecht. No encontro, no entanto, os países foram informados que o sigilo dos acordos de delação premiada dos executivos da empresa não permite o compartilhamento do material neste momento.

A Procuradoria-Geral da República explicou aos dez países presentes que há uma cláusula de confidencialidade no acordo celebrado com a Odebrecht. Por isso, ainda que parte da delação seja conhecida nas próximas semanas quando forem enviados inquéritos ao Supremo Tribunal Federal (STF), os fatos relacionados a atos de corrupção praticados pela empresa fora do País devem permanecer em sigilo até junho.

A informação sobre o sigilo consta no texto elaborado pelo grupo de procuradores na reunião de hoje, denominado “Declaração de Brasília sobre a cooperação jurídica internacional contra a corrupção”. “Considerando que os acordos de leniência e os acordos de colaboração premiada estão sujeitos a dever de confidencialidade, conforme a legislação brasileira e cláusulas contratuais ali incluídas”, diz o texto, que informa que o sigilo tem vigência por seis meses a contar de 1º de dezembro de 2016, quando os acordos foram assinados. Isso indica que o dever de manter o segredo de justiça esbarra em pedidos de cooperação já feitos pelos demais países ao Brasil.

Os países concordaram com um pedido feito pela empresa para “escutar posição” dos advogados da empreiteira sobre a “disposição de cooperar”. A Odebrecht negocia acordos de delação em outros países, como o Peru. Se os acordos forem confirmados, o sigilo imposto ao Brasil pode ser derrubado. Assim, Brasil e Peru podem ficar livres para compartilhar as informações.

A intenção do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é enviar ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedidos de abertura de inquérito, arquivamentos e cisão das investigações da Odebrecht até o início do mês de março. Isso abarca crimes cometidos dentro do Brasil. Com isso, a maior parte do conteúdo da delação deve se tornar pública, mas as revelações sobre atos cometidos fora do País devem se manter em segredo até 1º de junho – período durante o qual a empresa tenta negociar acordos internacionais.

Nesta quinta-feira, Janot, recebeu procuradores-gerais e fiscais da Argentina, Chile, Colômbia, Equador, México, Panamá, Peru, Portugal, República Dominicana e Venezuela em reunião que se estendeu por toda a tarde.

Após a celebração do acordo de delação premiada de executivos da Odebrecht e da divulgação, pelo departamento de Justiça dos Estados Unidos, de informação sobre pagamento de propina pela empreiteira em ao menos 12 países, o Brasil tem recebido diversos pedidos de cooperação jurídica. Por conta disso, os países foram convidados pelo Brasil para participar da reunião conjunta.

Na reunião de hoje, os procuradores dos 11 países concordaram em formar grupos de investigação bilaterais ou multilaterais para avançar nas apurações sobre o caso Odebrecht ou casos de corrupção cometidos por outras empresas no âmbito da Lava Jato. Neste momento, o Brasil pode compartilhar informações com os outros países que foram obtidas antes dos acordos de delação ou que não derivaram das confissões dos delatores – ou ainda passar informações sobre outras empresas investigadas na Lava Jato que ajudarão os demais países a desvendar esquemas de corrupção.

A Odebrecht tem encontrado problemas fora do Brasil desde que informações sobre corrupção fora do País foram divulgadas pelos Estados Unidos. A Venezuela, por exemplo, congelou bens e contas bancárias ligadas à empresa. No texto assinado nesta quinta-feira, os procuradores se comprometeram a “Assumir o compromisso de brindar-se com a mais ampla, célere e eficaz cooperação jurídica internacional no caso Odebrecht e no caso Lava Jato, em geral”.
 



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 19 de junho de 2017

11:42 - Delação da Odebrecht Ambiental aponta nomes do ABC

Quarta, 31 de maio de 2017

10:51 - Odebrecht e Cade negociam 12 acordos

Segunda, 22 de maio de 2017

10:48 - Argentina analisa acordo para que Odebrecht entregue dados à Justiça, diz Clarín

Quarta, 26 de abril de 2017

10:27 - Justiça do Rio nega pedido da Odebrecht contra retenção de R$ 200 milhões

Segunda, 24 de abril de 2017

09:47 - Servidor de propina da Odebrecht passou por Angola

Terça, 18 de abril de 2017

11:41 - Garotinho priorizava Odebrecht em obras e Campos, afirma delator

10:40 - Juiz dos EUA multa Odebrecht em US$ 2,6 bilhões

10:32 - Delator relata ação do grupo em Furnas

07:54 - Lista de Fachin - 80% dos deputados da lista são a favor de punir abuso

Segunda, 17 de abril de 2017

07:54 - Maioria dos inquéritos no Supremo Tribunal Federal vai apurar 'achaque'


// leia também

Quinta, 22 de junho de 2017

16:21 - Pezão diz a servidores do Rio que pode não terminar seu mandato

15:41 - Renan diz a Moro que conselheiro de Contas do Rio o apresentou a lobista

15:35 - Presidente da Alerj vê possibilidade de impeachment de Pezão

15:01 - Supremo reinicia julgamento sobre validade das delações da JBS - Siga

14:45 - Loures pegou carona com Kassab, em jatinho da FAB, para buscar R$ 500 mil da JBS

14:30 - Rodrigo Maia mantém presidente interino da Câmara sob tutela

14:21 - Barroso vota pela validade da delação da JBS e manutenção de Fachin na relatoria

13:42 - Primo de Aécio e assessor de Perrella deixam prisão em Belo Horizonte

11:36 - Após novo revés no Congresso, Temer diz que reformas são inadiáveis

11:01 - Fachin tira de Moro e envia para São Paulo inquérito contra Paulo Skaf


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 23/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sexta, 23/06/2017
0e26a7004db19d837857c0eed1551706 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Segundo a ONU a população mundial chegará a 8,6 bilhões até 2030, um aumento de 1 bilhão de pessoas em 13 anos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual