Com denúncias, Temer orienta equipe a ir para o enfrentamento | Gazeta Digital

Sexta, 19 de maio de 2017, 10h00

Estratégia desesperada

Com denúncias, Temer orienta equipe a ir para o enfrentamento


Estadao

O presidente Michel Temer orientou a equipe a “partir para o enfrentamento”, na tentativa de mostrar que não está acuado com as delações feitas pela JBS nem com o inquérito autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para investigá-lo.

Nas conversas desta quinta-feira, 18, em seu gabinete, no Palácio do Planalto, ele pediu “resistência” aos partidos da base aliada, do PSDB ao PP, e cobrou apoio à agenda das reformas.

Temer chegou a ser aconselhado a renunciar por pelo menos dois assessores de sua extrema confiança e reagiu com nervosismo. “Não sou homem de cair de joelhos. Caio de pé”, afirmou.

“Michel, você está passando pelo que eu passei. A diferença é que eu era senador e podia responder e você é presidente e não pode falar tudo o que pensa”, disse-lhe mais tarde o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR). Presidente do PMDB, Jucá deixou o Ministério do Planejamento em maio do ano passado, após 12 dias no cargo, quando vieram à tona gravações em que ele dizia ser preciso impedir a “sangria” da Lava Jato.

A portas fechadas, Temer usou termos como “conspiração” e “ação orquestrada” para se referir ao vazamento das delações do empresário Joesley Batista e de ex-executivos da JBS. O governo responsabilizou a Procuradoria-Geral da República pela divulgação dos depoimentos. Irritado, Temer disse que toda vez que a economia dá sinais de recuperação, aparece delação.

Temer telefonou logo cedo para a presidente do STF, Cármen Lúcia, avisando-lhe de que pediria acesso aos áudios. A conversa entre os dois foi protocolar. Ao longo do dia, o presidente recebeu 14 dos 28 ministros e lamentou o destino do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). “Sem o PSDB, o governo acaba”, disse um ministro ao Estado.

Discurso

Foi a equipe de comunicação que estipulou 16 horas como horário-limite do pronunciamento, porque pipocavam notícias sobre uma possível renúncia e o mercado estava agitado. “Não poderíamos deixar essa onda crescer”, disse Jucá.

O discurso passou pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral, Moreira Franco, mas na última hora Temer fez retoques, reforçando o tom de indignação. Questionado se haveria clima para aprovar mudanças na Previdência e na lei trabalhista, Jucá disse que o governo votará as “reformas possíveis”. Apesar da tensão, um aliado não perdeu o bom humor e disse que era “mais fácil cair o Trump do que o Michel”.

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sábado, 21 de abril de 2018

14:30 - Prisão da Lava Jato espera por Zé Dirceu, dizem juristas

13:00 - Petistas cobram gastos de atos pró-Lula

08:40 - Ex-ministro diz ter sido pressionado por Aécio para nomear delegado da PF

Sexta, 20 de abril de 2018

18:00 - Lava Jato pede execução de confisco de apartamento de luxo de ex-diretor do DER

Quarta, 18 de abril de 2018

08:40 - Justiça analisa último recurso de Lula em segunda instância

Terça, 17 de abril de 2018

08:37 - Agências de publicidade fazem acordo de leniência com AGU

08:32 - Supremo decide hoje se aceita denúncia contra Aécio Neves

Segunda, 16 de abril de 2018

13:44 - STF decide se põe Aécio no banco dos réus por R$ 2 milhões de Joesley

Domingo, 15 de abril de 2018

18:30 - Há uma semana preso, Lula já sente isolamento político

Sexta, 13 de abril de 2018

16:12 - Defesa pede que Sérgio Cabral seja transferido de Bangu para Benfica


// leia também

Domingo, 22 de abril de 2018

08:45 - Medo de escândalos inibe doações de eleitores

08:38 - Sem consenso, Câmara discute reforma do Código de Processo Penal

Sábado, 21 de abril de 2018

17:00 - Senador não atendeu a interesses, afirma defesa

14:00 - Advogado pede à Justiça que barre quadro de R$ 85 mil de Serra no Bandeirantes

08:50 - Gilmar Mendes nega habeas corpus a ex-diretor da Dersa em São Paulo

Sexta, 20 de abril de 2018

19:00 - Governo vai editar decreto para regulamentar reforma trabalhista

16:14 - 'Essa denúncia é um absurdo', reage advogado preso na operação da JBS

16:00 - Aliados de Lula se revezam para manter 'vigília' em Curitiba

13:47 - Geraldo Alckmin é investigado pelo Ministério Público paulista

13:40 - Justiça Federal torna Cabral réu pela 23ª vez na Lava Jato


 veja mais
Cuiabá, Domingo, 22/04/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 21/04/2018
2c5b9f564ba4b43891053024cd08f036 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual o maior desafio para a participação de mais mulheres na política?




Logo_classifacil









Loja Virtual