Picciani é acusado pelo MPF de receber quase R$ 50 milhões em propinas | Gazeta Digital

Quinta, 07 de dezembro de 2017, 18h50

Picciani é acusado pelo MPF de receber quase R$ 50 milhões em propinas


Estadao

O deputado estadual Jorge Picciani (PMDB-RJ), ex-presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), é acusado de receber R$ 49,96 milhões em propinas de empresários de ônibus entre julho de 2010 a julho de 2015, em 34 ocasiões distintas, segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2). Picciani foi denunciado por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Os procuradores também acusam o deputado peemedebista Paulo Melo de ter recebido R$ 54,3 milhões em propina do esquema criminoso entre agosto de 2010 e fevereiro de 2015, em 25 ocasiões distintas.

‘O denunciado Jorge Sayed Picciani solicitou e recebeu dos empresários ligados à Fetranspor, ao longo de décadas, indevida vantagem econômica como contrapartida aos atos funcionais praticados com desvio de finalidade ou com a omissão do dever funcional decorrente do cargo de deputado estadual‘, diz a denúncia.

O MPF ofereceu ontem (6) à noite a denúncia contra os deputados Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB, e mais 16 pessoas por corrupção e outros crimes. Picciani, Melo e Albertassi estão presos na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte da cidade.

Cadeia Velha

Os denunciados são investigados pela Operação Cadeia Velha, que apurou o pagamento de propina por parte de empresários ligados à Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), entidade que reúne as empresas de ônibus do estado do Rio de Janeiro.

Segundo a denúncia, Picciani recebeu os valores por ordem do empresário do ramo de ônibus José Carlos Lavouras, que agia em nome dos demais denunciados ligados à Fetranspor: Jacob Barata Filho, Lélis Teixeira e Marcelo Traça.

‘O poder político desses deputados era sua moeda de troca para atender interesses comerciais específicos de determinadas empresas. O que a organização criminosa fez foi, na verdade, uma captura de soberania popular. Transformou a soberania popular em moeda de troca de corrupção‘, disse a procuradora regional da República, Silvana Batini.

Outro lado

Sobre as citações a José Carlos Lavouras, a defesa do empresário informou que ‘as delações visam a dar prêmios a criminosos confessos, que ficam impunes. Por isso, delatores reiteradamente faltam com a verdade e induzem autoridades em erro. Por este motivo, tantas delações estão se revelando inconsistentes‘.

A defesa de Jacob Barata Filho informa que ‘não há qualquer evidência de distribuição ou recebimento de dinheiro ilícito em prol de qualquer agente público por parte do empresário‘.
 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sexta, 20 de julho de 2018

19:04 - DEM da Bahia pede ajuda a Alckmin para resolver impasse com PSDB

18:37 - Lula pede tempo para Sepúlveda decidir sobre saída da defesa

15:32 - Programa do PT propõe implantação de renda básica e reforma do Judiciário

14:33 - PDT lança candidatura de Ciro Gomes a presidente

13:43 - Josué Gomes diz que candidatura deve ser programática

13:15 - Paulo Rabello de Castro oficializa candidatura à Presidência pelo PSC

12:47 - Kassab diz que Josué Alencar é um 'excelente nome' para ser vice de Alckmin

11:51 - PDT deve oferecer ao PSB vaga de vice de Ciro Gomes

11:17 - PF prende ex-governador de Mato Grosso do Sul André Puccinelli

Quinta, 19 de julho de 2018

14:50 - Favreto, Gebran e Moro são intimados pelo CNJ após decisões sobre soltura de Lula


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 21/07/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 21/07/2018
8fe238dc3a8b0020105115f07e41b41d anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Países onde mais mulheres estão no governo têm menos corrupção, diz estudo




Logo_classifacil









Loja Virtual