Sepúlveda Pertence já foi advogado de Lula no Superior Tribunal Militar | Gazeta Digital

Quinta, 08 de fevereiro de 2018, 08h29

'Zé Paulo'

Sepúlveda Pertence já foi advogado de Lula no Superior Tribunal Militar


Estadao

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chama o advogado José Paulo Sepúlveda Pertence de ‘Zé Paulo‘. A intimidade nasceu em 1982, quando Pertence atuou, a convite do advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, no processo em que o então líder sindical - preso em abril de 1980, durante 31 dias - fora autuado na Lei de Segurança Nacional.

Pertence foi um dos advogados que fizeram a sustentação oral em defesa de Lula e de outros dez sindicalistas no Superior Tribunal Militar (STM), em 16 de abril de 1982. Por 9 a 3, o STM anulou todo o processo que os condenara nas instâncias inferiores - e mandou o caso de volta para a Justiça Federal, onde acabaria prescrito.

Atuaram na defesa, além de Luiz Eduardo Greenhalgh e Sepúlveda Pertence, os advogados Idibal Pivetta, Iberê Bandeira de Mello e Heleno Fragoso.  época, para registrar a coincidência, Lula era pré-candidato ao governo de São Paulo - como de fato foi (quarto lugar, com 1,4 milhão de votos).

Uma semana depois da decisão do Superior Tribunal Militar, Lula convidou Pertence para a comemoração que os metalúrgicos fariam em um restaurante de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Presenteou-o, então, com uma foto da ocupação militar do sindicato durante a greve. Até hoje Pertence a guarda entre suas preferidas. Depois do jantar comemorativo, Lula levou Pertence para sua casa.

Jogaram conversa fora madrugada adentro - animada por uma cachacinha com cambuci, selando uma amizade que dura até hoje. Ajudou a consolidá-la o advogado Sigmaringa Seixas, também amigo de ambos.

’Impedimento’

Pertence, tal como o ex-presidente Lula, gosta de destilados, especialmente de uísque. Já foi contado que durante uma sessão plenária do Supremo Tribunal Federal (STF), quando ministro da Corte (por 18 anos), Pertence ouviu o relator de um caso citar o sobrenome Walker. Aparteou jocosamente o colega: ‘Ministro, seria o Johnnie Walker? Porque, se for, eu e o ministro Ilmar Galvão vamos ter que nos declarar impedidos‘.

Questionado certa vez a respeito da boutade, Pertence, mineiro de Sabará, não foi, digamos, conclusivo. O causo já foi contado, em público, em fevereiro de 2007, até pelo hoje ministro do Supremo Luís Roberto Barroso, para pais de formandos no curso de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Nessa versão, a resposta de Pertence foi outra: ‘Porque se fosse Johnnie, Johnnie Walker, teria que me dar por impedido por amizade íntima‘. Barroso registrou que ‘o ministro (Pertence) nega o episódio, embora sem veemência. Mas, se não aconteceu, poderia ter acontecido!‘. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sábado, 24 de fevereiro de 2018

15:30 - Para aumentar bancada, PR insiste em ter Tiririca

14:00 - Lava Jato já bloqueou US$ 44 milhões no exterior em 2018

13:30 - Arthur Virgílio foi extremamente injusto com o partido e comigo, diz Alckmin

13:00 - Candidatura de Temer é direito dele, afirma Alckmin

11:30 - Moro ordena nova perícia em sistemas da Odebrecht, na ação do sítio de Atibaia

08:44 - Sistema de propina pagou terreno do Instituto Lula, diz perícia

08:35 - Virgílio desiste e Alckmin deve ser o candidato do PSDB à Presidência

Sexta, 23 de fevereiro de 2018

21:30 - Resultados da Lava Jato garantem bloqueio de US$ 44 milhões no exterior

19:30 - Recurso de Lula será julgado, diz presidente do TRF-4

14:03 - Toffoli diz que vai liberar processo sobre foro privilegiado até final de março


 veja mais
Cuiabá, Domingo, 25/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Domingo, 25/02/2018
39b9c063e83a7a7ffb2f5dc9ad998ca8 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Lei municipal permite que ruas sem saída em Cuiabá sejam fechadas por moradores




Logo_classifacil









Loja Virtual