CNBB diz que não irá apoiar candidatos que 'promovam ainda mais a violência' | Gazeta Digital

Quarta, 14 de fevereiro de 2018, 13h49

ELEIÇÕES 2018

CNBB diz que não irá apoiar candidatos que 'promovam ainda mais a violência'


Estadao

No lançamento da Campanha da Fraternidade 2018, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o presidente da instituição, cardeal Sergio da Rocha, afirmou que a Igreja quer candidatos comprometidos com a justiça social e com a paz, e ‘não aqueles que promovam ainda mais a violência‘. A manifestação ocorreu após o cardeal ser questionado sobre como a Igreja irá se posicionar diante dos candidatos das eleições 2018 que defendem a liberação de porte de armas em alguns casos, por exemplo.

‘A Igreja está orientando os próprios eleitores, não substituindo suas consciências, mas ajudando a formá-las‘, disse o presidente da CNBB a jornalistas logo após a cerimônia de lançamento da campanha, que tem como tema ‘Fraternidade e a Superação da Violência‘.

Com a presença do secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, da presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, do secretário executivo da Comissão Brasileira de Justiça de Paz da CNBB, Carlos Moura, e do deputado federal Alessandro Molon (Rede-RJ), a solenidade foi marcada por discursos que acentuaram a necessidade de superação da violência e a urgência por atitudes mais efetivas do Poder Público para resolver esses problemas.

Anualmente lançada na Quarta-feira de Cinzas, a campanha foi endossada pelos presentes ao evento como essencial após fatos ocorridos durante o feriado de carnaval, marcado por muitos casos de violência, principalmente no Rio de Janeiro (RJ). A cidade registrou diversos saques, arrastões e roubos, que foram destacados nas falas das autoridades na manhã desta quarta-feira, 14.

Desarmamento

Os representantes da CNBB e o deputado Alessandro Molon, coordenador da Frente de Prevenção à Violência e Redução dos Homicídios na Câmara dos Deputados, destacaram em seus discursos que é inadmissível que o Poder Público tente resolver os problemas da violência com atitudes falsas e simplistas. A campanha da CNBB reforça a importância do Estatuto do Desarmamento, o qual congressistas tentam alterar. ‘É um grande equívoco achar que superamos a violência recorrendo a mais violência‘, afirmou o cardeal Sergio da Rocha.

Na apresentação do texto da campanha, o secretário executivo da Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP) da CNBB, Carlos Moura, destacou que uma alteração do Estatuto teria consequências ainda mais drásticas para a comunidade negra, vítima dos maiores índices de violência do Brasil.

Além de destacar essas questões, o deputado Alessandro Molon criticou o Legislativo, que, segundo ele, está mais preocupado em aumentar penas de crimes para proteger o patrimônio, e não de crimes que atentam contra a vida. Ele ainda afirmou que o carnaval deste ano foi ‘de violência e omissão‘.

Reformas

Aos jornalistas, o presidente da CNBB também comentou sobre as reformas assumidas pelo governo federal. A CNBB já se pronunciou sobre a reforma da Previdência, por exemplo, afirmando que a proposta ‘escolhe o caminho da exclusão social‘.

O cardeal Sergio da Rocha disse que a CNBB deve se manifestar em breve novamente sobre o tema, mas acrescentou que a Igreja tem alertado para o que ele chamou de ‘perda de direitos sociais‘. ‘Não podemos admitir que mais pobres, mais vulneráveis, possam arcar com sacrifícios maiores quando se trata de reformas e mudanças sociais‘, afirmou. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Terça, 14 de agosto de 2018

19:00 - Vamos isentar de IR quem ganha até cinco salários mínimos, diz Haddad

17:21 - Em programa de governo, Bolsonaro propõe ministério único na economia

15:56 - Amoêdo diz que vai bancar entre 15% e 20% de sua campanha presidencial

14:12 - Bolsonaro é o sétimo a registrar candidatura à Presidência

10:57 - Alckmin quer usar inserções na TV para atacar Bolsonaro

07:50 - Cidinho Santos será coordenador-geral da campanha de Mendes

Segunda, 13 de agosto de 2018

18:25 - Mendes registra candidatura e diz que não fez compromisso eterno com Taques

17:46 - TJ de SP rejeita ação de improbidade contra Haddad por 'pegadinha'

17:28 - Presidenciável do partido Novo, Amoêdo declara patrimônio de R$ 425 milhões

17:26 - Alckmin diz que, se eleito, manterá reajuste do salário mínimo acima da inflação


// leia também

Terça, 14 de agosto de 2018

16:30 - Presidente Michel Temer sanciona lei geral de proteção de dados

16:02 - 2ª Turma do STF retira de Moro trechos de delações da Odebrecht que citam Lula

15:58 - Bolsonaro diz que votará contra reajuste de salários dos ministros do STF

14:20 - Lava Jato exige fiança de R$ 1,5 mi de Vaccarezza em cinco dias

13:10 - Eleição não pode atrapalhar apuração do caso Marielle, diz Anistia Internacional

13:00 - 'Fiz uso de caixa 2, mas não agi como corrupto', diz Cabral à Justiça

12:40 - Manifestação do MST por 'Lula livre' causa longo engarrafamento em Brasília

09:16 - Rosa Weber toma posse na presidência do TSE

Segunda, 13 de agosto de 2018

17:27 - 'Não agi como corrupto', diz Sérgio Cabral em audiência

17:23 - Marina Silva diz que governo tem papel de abrir a 'caixa preta' da educação


 veja mais
GDEnem

Cuiabá, Quarta, 15/08/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 15/08/2018
Dcb362fa6df370b7d120182d5bfb19db anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual a sua postura nestes tempos de seca?




Logo_classifacil









Loja Virtual