Quinta, 23 de junho de 2016, 00h00

O erro de trabalhar mais


Muitas vezes, quando as pessoas atingem ótimos resultados, ao falar sobre o feito, caem no clichê do: ‘foi fruto de muito trabalho!’. Quando ouço isso, onde não há competição direta, dói menos ao ouvido, mas, quando vem dos profissionais do esporte, aí é de matar. Será que quem perdeu foi porque não trabalhou o tanto necessário?
Na verdade, há pessoas que trabalham muito, mas nunca conseguem os resultados que desejam pelo simples fato de se preocuparem com a quantidade de tempo em que dedicam ao labor, mas não com a qualidade dele em si. Tenho um amigo que fez um trabalho que demorou menos tempo do que o cliente achava que iria demorar. O cliente, embora satisfeito com o trabalho, achou caro em função do tempo gasto. Meu amigo, então, disse: ‘se preferir, eu dou uma enrolada aqui para gastarmos mais tempo...’
Para um melhor resultado, é preciso que todas as ações sejam executadas com direção ao foco em questão. A lógica é ter um objetivo definido e, a partir daí, estruturar os esforços na direção do que se pretende. E isso não tem a ver com o olhar sobre a quantidade de trabalho. Não vale o mais, vale fazer o que é preciso (tanto no sentido do necessário, quanto do exato). E aí entra a ciência do planejamento.
Fizemos vários testes e estudos, já, para comprovar o óbvio e o descrito na literatura. Quando planejamos um trabalho e executamos, via de regra, gastamos bem menos tempo do que quando só executamos sem pensar sobre ele. Por quê? Pelo simples fato de que, quando planejamos, na hora da execução, direcionamos os nossos esforços em prol dos resultados esperados, dos objetivos definidos. Caso contrário, acabamos por trabalhar na lógica da tentativa e erro. Vamos fazendo e, de repente, percebemos que não era aquele caminho. Perdemos tempo, energia e, consequentemente, aumentamos o custo da operação.
A qualidade pretendida do produto ou do serviço (objetivo definido) é que mostra o que tem que ser feito (esforço estruturado), determinando, assim, o tempo certo e o custo justo para sua elaboração. Quando trabalhamos muito e os resultados não estão aparecendo, antes de culpar a Deus, devemos direcionar o olhar para dentro de nós. Será que estamos trabalhando certo? Estamos preocupados com o que, ou o com o quanto estamos fazendo? Pense nisso, se quiser, é claro!


Claudinet Coltri Junior é palestrante, consultor organizacional e educacional, professor e diretor da Nova Hévila Treinamentos. Website: www.coltri.com.br - E-mail: coltri@coltri.com.br - facebook.com/coltrijunior.



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 22 de dezembro de 2016

00:00 - É só o amor

Quinta, 15 de dezembro de 2016

00:00 - Para que serve a Lei de Responsabilidade Fiscal?

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - República Federativa da Lamia

Quinta, 01 de dezembro de 2016

00:00 - Enquanto isso, nas salas de justiça

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - O nosso Vale dos Leprosos

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Lumiar

Quinta, 10 de novembro de 2016

00:00 - O conhecimento faliu

Quinta, 27 de outubro de 2016

00:00 - Triste eleição

Quinta, 20 de outubro de 2016

00:00 - Xeque mate? - II

Quinta, 06 de outubro de 2016

00:00 - Xeque-mate?


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 20/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 20/01/2017
4fa6f0aa8dc554a3a883d344d91b9b74 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,2193 +0,25%
Ouro - BM&F (à vista) 125,00 +0,81%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Uma lei municipal de 2016 determina que todos os assentos do transporte coletivo de Cuiabá são preferenciais para idosos, gestantes e deficientes. Você concorda com isso?



Logo_classifacil