Quinta, 07 de julho de 2016, 00h00

Claudinet Coltri Junior

É hora de desistir?

Claudinet Coltri Junior


Um dos grandes problemas que vivemos com os nossos projetos é quando os resultados não aparecem e nos dá vontade de desistir. Precisamos entender que o resultado nem sempre vem no nosso tempo, mas no de maturação e desenvolvimento do trabalho. Por isso, é muito importante planejarmos as nossas ações.
Quando temos um plano de ação bem estruturado, precisamos mergulhar sobre os fatores determinantes de sucesso e de concretização de cada fase do trabalho. Assim, ao menos, teremos ideia do desenvolvimento de cada fase.
Um dos grandes erros que cometemos é o desconhecimento de como o resultado se desenvolve. Assim, não conseguimos perceber as pequenas evoluções no processo porque ainda não geram o impacto que queremos.
Para entender melhor, imagine uma lagoa com uma vitória-régia. Dentro desse exercício, imagine, também, que a quantidade da planta se duplique a cada dia. Assim, em 30 dias, a superfície da lagoa estaria toda tomada por elas. A pergunta é: com quantos dias teremos metade da lagoa tomada pelas vitórias-régias?
De cara, muitos já pensam em 15 dias, mas é muito óbvio. Outros, de cara, já sabem que 15 não é, mas qual seria o resultado? Vinte e nove, pois, com a metade da lagoa tomada, basta um dia para a duplicação para que a outra metade seja tomada e cubra toda sua superfície!
O fato é que quando temos como objetivo a superfície da lagoa coberta e não conhecemos o processo, suas regras e requisitos, tendemos a desistir porque, nem sempre, a metade do resultado aparece na metade do tempo. Nesse caso, na metade do tempo, ele aparece, percentualmente, muito longe do resultado final, do 100%.
Assim, para que consigamos atingir o que queremos, é preciso esperar pelo desenvolvimento natural das coisas. Para sabermos quando (e quanto) devemos esperar, é preciso que conheçamos a ciência daquilo em que estamos atuando. Caso contrário, podemos apostar demais no que não há mais para onde ir ou, também, desistir antes da hora por não termos consciência de aquele resultado, embora inferior ao que achávamos que deveria ser, estaria dentro do seu próprio tempo. É mais ou menos o que disse o poeta Rumi: ‘atenta para as sutilezas que não se dão em palavras; compreenda o que não se deixa capturar pelo entendimento’. Pense nisso, se quiser, é claro!




Claudinet Coltri Junior é palestrante, consultor organizacional e educacional, professor e diretor da Nova Hévila Treinamentos. Website: www.coltri.com.br - E-mail: coltri@coltri.com.br - facebook.com/coltrijunior.
 



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 22 de dezembro de 2016

00:00 - É só o amor

Quinta, 15 de dezembro de 2016

00:00 - Para que serve a Lei de Responsabilidade Fiscal?

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - República Federativa da Lamia

Quinta, 01 de dezembro de 2016

00:00 - Enquanto isso, nas salas de justiça

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - O nosso Vale dos Leprosos

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Lumiar

Quinta, 10 de novembro de 2016

00:00 - O conhecimento faliu

Quinta, 27 de outubro de 2016

00:00 - Triste eleição

Quinta, 20 de outubro de 2016

00:00 - Xeque mate? - II

Quinta, 06 de outubro de 2016

00:00 - Xeque-mate?


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 20/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 20/01/2017
4fa6f0aa8dc554a3a883d344d91b9b74 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,2193 +0,25%
Ouro - BM&F (à vista) 125,00 +0,81%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Uma lei municipal de 2016 determina que todos os assentos do transporte coletivo de Cuiabá são preferenciais para idosos, gestantes e deficientes. Você concorda com isso?



Logo_classifacil