O conhecimento faliu | Gazeta Digital

Quinta, 10 de novembro de 2016, 00h00

O conhecimento faliu


Tem horas que pergunto: ‘em que ano estamos, mesmo’? Passamos a década passada toda falando em mudanças, em avanços, em necessidade de adaptação ao novo, às novas tecnologias, às novas formas de convívio social, sobre a era do conhecimento (ou pós-industrial) dentre tantas outras coisas.
Belchior, ainda nos anos 70 nos falava que no presente, a mente, o corpo são diferentes e o passado é uma roupa que não nos serve mais. Junto a isso, relatou em um dos mais belos poemas que, também naquela época, a dor era perceber que haviam feito muitas coisas, mas que ainda eram os mesmos e viviam como seus pais. E hoje, na segunda metade do século XXI, estamos prestes a voltar muito, mas muito no tempo.
No Brasil, ganha-se cada vez mais adeptos à ideia do liberalismo. E muitos dentro de um senso comum, partindo de algumas premissas: economia sem interferência do estado, já que este é inchado, gasta muito e, para tal, tem que arrecadar muito. Atrapalha o lucro. Para piorar, o Estado é incompetente para fazer e recuperar estradas, ruas, para implantar e gerir redes de água e esgoto, para cuidar de parques, para prover a iluminação pública, para cuidar da saúde e da educação. Isso alarmado, gera uma força tremenda para tirar todo o poder que o Estado tem. Em contrassenso, cobra-se segurança, educação, transporte, saúde e tantas outras do pasmem Estado. Faz-se o que, então? Privatiza-se.
É fato que tudo que é voltado ao mercado, que gera concorrência, pode, sim, ser privatizado. Mas, no mínimo, educação, saúde e segurança pública são deveres do Estado. Quando se tira isso dele, é como se ele não tivesse mais importância nenhuma. Já vivemos uma época assim, que foi chamada de Feudalismo. Como a bancada ruralista é a grande vencedora da batalha política que estamos passando... bem-vindos ao mundo feudal.
E por que estamos recuando? Por que os Estados Unidos também estão. A vitória de Trump, ao menos por tudo o que ele prometeu e por onde ele venceu, tem como ideia colocar os estados-unidenses de volta à era industrial. Pois bem: o cenário mundial evoluía cada vez mais, e há mais de 20 anos, para esse modelo: era agrícola para os países pobres; os em desenvolvimento na era industrial e as potências mundiais na era do conhecimento (a pós-industrial) ‘alimentando’ os outros dois com tecnologia e tirando proveito da produção de ambos para fazer dinheiro.Se estamos retrocedendo, o recado é claro: o conhecimento faliu!

Claudinet Coltri Junior é palestrante, consultor organizacional e educacional, professor e diretor da Nova Hévila Treinamentos. Website: www.coltri.com.br - E-mail: coltri@coltri.com.br - facebook.com/coltrijunior.



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 09 de fevereiro de 2017

00:00 - Educação, Truco e Dourada

Quinta, 02 de fevereiro de 2017

00:00 - O erro da enganação como marketing

Quinta, 22 de dezembro de 2016

00:00 - É só o amor

Quinta, 15 de dezembro de 2016

00:00 - Para que serve a Lei de Responsabilidade Fiscal?

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - República Federativa da Lamia

Quinta, 01 de dezembro de 2016

00:00 - Enquanto isso, nas salas de justiça

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - O nosso Vale dos Leprosos

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Lumiar

Quinta, 27 de outubro de 2016

00:00 - Triste eleição

Quinta, 20 de outubro de 2016

00:00 - Xeque mate? - II


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 26/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 26/06/2017
D771e0e6794ed6a17fab0eebeab86994 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Tramita no Senado projeto de lei que concede prioridade para pessoas acima de 80 anos em relação aos demais idosos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual