Quinta, 22 de dezembro de 2016, 00h00

É só o amor


Segundo Chris Schaefer, um dos maiores profissionais de gestão escolar do mundo, devemos esperar do ser humano, no futuro próximo, algumas características importantes.
A primeira que ele trouxe, e que agrega e participa de todos as outras, é sermos pessoas capazes de fazer julgamentos justos, sinceros. Embora isso pareça subjetivo demais, no fundo, não o é. Todo o julgamento que fazemos tem que estar ligado ao amor (com o sentido do ágape).
Na verdade, podemos agradar alguém sendo politicamente correto, portanto, em certo desacordo com o que pensamos (então, sem sinceridade com o outro e consigo mesmo). Podemos punir alguém por ódio, por vingança. Do mesmo modo, podemos dizer o que pensamos, sem sermos mal-educados, grosseiros, mesmo em desacordo com o pensamento do outro (mas com sinceridade e educação) e punirmos pelo senso de justiça aos corretos e, também, para a sua aprendizagem e sensibilização (o amor acima de tudo). A primeira ideia, por trazer falsidade em ambos os casos, é excludente. A segunda, mesmo com as punições, por suas características, tem como foco a inclusão. O amor inclui; o ódio exclui!
Assim, como base de tudo isso, quando tivermos em uma situação de julgamento, o ponto principal a ser levado em consideração é o amor. O que deve acontecer para que aquela pessoa se torne melhor em sua essência?
E, por falar em amor, nessa época de Natal, sempre aflora o nosso julgamento em relação a Deus. Existe, ou não existe? Quem foi, o que fez, Jesus Cristo? A eterna exclusão entre ciência e religião.
Pois bem, se a ciência não prova a sua existência, ela também não prova a sua não existência. Portanto, por não conseguir provar nenhuma das duas hipóteses, precisa abraçar as duas formas de pensamento. A ciência precisa ser inclusiva.
Por outro lado, Deus não depende da fé de ninguém. Se ele existe, existe, independentemente de você acreditar ou não. Assim, a religião não precisa interferir na fé de não ter fé daqueles que não acreditam. Os diferentes posicionamentos sociais, políticos ou mesmo religiosos, também, não fazem ninguém melhor do que ninguém. A religião também precisa assumir o papel da inclusão.
O fato é que Jesus Cristo, homem ou Deus, tanto faz, passou 33 anos entre nós trazendo uma só mensagem: é preciso amar! Amor é inclusão. Passados mais de 2000 anos, ainda é tão difícil da gente entender.

Claudinet Coltri Junior é palestrante, consultor organizacional e educacional, professor e diretor da Nova Hévila Treinamentos. Website: www.coltri.com.br - E-mail: coltri@coltri.com.br - facebook.com/coltrijunior.



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 09 de fevereiro de 2017

00:00 - Educação, Truco e Dourada

Quinta, 02 de fevereiro de 2017

00:00 - O erro da enganação como marketing

Quinta, 15 de dezembro de 2016

00:00 - Para que serve a Lei de Responsabilidade Fiscal?

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - República Federativa da Lamia

Quinta, 01 de dezembro de 2016

00:00 - Enquanto isso, nas salas de justiça

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - O nosso Vale dos Leprosos

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Lumiar

Quinta, 10 de novembro de 2016

00:00 - O conhecimento faliu

Quinta, 27 de outubro de 2016

00:00 - Triste eleição

Quinta, 20 de outubro de 2016

00:00 - Xeque mate? - II


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 30/03/2017
 

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Quinta, 30/03/2017
786b7f9586e487eac9ac13cf5ddc66db anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,1483 +1,08%
Ouro - BM&F (à vista) 125,10 0,80%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 126,00
Soja - saca 60 kg 52,91
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

O STF julgará em breve uma ação que pede a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gravidez. Qual é a sua opinião sobre o tema?



Logo_classifacil