Arrecadação extra em 2017 | Gazeta Digital

Quinta, 23 de junho de 2016, 00h00

Arrecadação extra em 2017


O governo do estado pode ter no ano que vem uma quantia extra de dinheiro para investir em estradas, educação,saúde e segurança. Recurso que não pagaria salários e nem iria para os poderes e correlatos.Talvez isso chegue a mais de um bilhão de reais novos.De onde viria esse dinheiro?
Fazendo contas grosseiras, 450 milhões de reais seriam do Fethab 2, aquele que cobrará dobrado sobre as commodities. É um recurso além do que se arrecada hoje com o Fethab 1.
No Fethab 1,da arrecadação sobre diesel, uma parte vai para o governo e outra para as prefeituras e poderes. A cobrança sobre commodities é toda do governo. Aqueles 450 milhões de reais seria um acréscimo ao que arrecada o Fethab 1, portanto.
Mais recursos viriam de onde? O MPE, TEC, TJ e AL não devem abrir mão de 15% dos duodécimos ou 405 milhões de reais, talvez de uns 300 milhões. E ainda tem aquela possibilidade de não receberem do excesso de arrecadação. Acrescentado aos 450 milhões, nessa conta grosseira aqui inventada, seriam uns 750 milhões de reais novos.
A carência no pagamento dos juros da dívida com a União para o ano que vem daria uns 100 milhões novos? O setor do comércio também fala em participar no Pacto por MT, quanto o governo teria daí? Quanto o governo economizaria no pente fino que faz nos incentivos fiscais destorcidos?E na nova reforma administrativa?
No final, poderia ser algo como um bilhão de reais novos. Recurso além do orçamento e do que arrecada o Fethab 1. Se confirmado,daria fôlego administrativo e politico ao governo.
A politica é cheia de curvas e curiosidades. Com o problema do RGA e a greve dos funcionários públicos, a vida política do governo já estava sendo questionada.Até antes desse imbróglio,era comum ouvir que o Taques poderia ser candidato a presidente em 2018.De uma hora para outra já estaria com dificuldade até para a reeleição.
Como a conversa política é volúvel, talvez o Taques, lá pelo meio do ano que vem, depois de investir parte daqueles recursos, volte a ter o nome ventilado para presidente outra vez.
Naquela mania do estado que vem desde Júlio Campos que seria o próximo presidente depois do Paulo Maluf. Dante e Blairo também tiveram os nomes citados. Agora o Blairo passou a ser visto outra vez como candidato a presidente ou a vice. Coisas da política em MT.
Mais um assunto do atual momento. Se a Assembleia Legislativa aprovar o parcelamento do RGA, colocaria os sindicatos em posição desconfortável. Seria o Legislativo, o Judiciário e o Executivo falando na mesma direção. E ainda o TCE que definiu que o governo não pode descumprir a meta da LRF.


Alfredo da Mota Menezes e-mail: pox@terra.com.br site: www.alfredomenezes.com

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 09 de fevereiro de 2017

00:00 - Assuntos polêmicos

Quinta, 02 de fevereiro de 2017

00:00 - Os culpados

Quinta, 26 de janeiro de 2017

18:10 - Que livro

Quinta, 19 de janeiro de 2017

00:00 - Crise e mortes anunciadas

Quinta, 12 de janeiro de 2017

00:00 - A Odebrecht e a esquerda regional

Quinta, 15 de dezembro de 2016

00:00 - Repense o assunto, senador

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - Ferrovia pela Bolívia?

Quinta, 01 de dezembro de 2016

00:00 - A Cuba de Fidel

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - História

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Assuntos da visita do Serra


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 23/08/2017
 

Sebrae

Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 23/08/2017
0446cf4ffe0e95d04466fff4f91e1038 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Semipresidencialismo e parlamentarismo têm sido o tema de conversas entre alguns políticos.




Logo_classifacil









Loja Virtual