Coisas do Trump | Gazeta Digital

Quinta, 28 de julho de 2016, 00h00

Alfredo da Mota Menezes

Coisas do Trump


 Na campanha eleitoral nos EUA, Donald Trump disse que vai rever acordos comerciais com a China. Argui que aquele país não obedece leis de proteção ambiental e do trabalhador, por isso vende mais barato e inunda o mercado norte americano. Já pensou uma guerra comercial entre os dois gigantes?
A China tem 1.3 trilhões de dólares em letras do tesouro norte-americano. Apronta um rolo financeiro sobre os EUA se quiser. Os mais escolarizados nos EUA sabem que Trump sabe disso. É só gogó para ganhar votos, lá como cá, mente-se.
Trump alega também que não está satisfeito com o acordo comercial em andamento entre EUA e a União Europeia. Se houver, seria o maior acordo de integração do mundo. Fala ainda em construir um muro entre os EUA e o México e que os mexicanos é que pagariam. O mais interessante é que o México é membro do Nafta, um acordo de integração econômica com o próprio EUA.
Trump diz que vai levar de volta as fábricas norte-americanas que foram para outros países, gerar empregos ali e não em outros lugares. Essas fábricas saíram dos EUA para produzirem a custos menores. Se os custos continuam alto nos EUA, como voltar? Custos cairiam se a produção de gás e petróleo de xisto tivessem ido em frente. O custo do petróleo e gás no mundo caiu e é caro extrair o de xisto nos EUA, como fazer os custos baixarem para levar as fábricas de volta?
Mas o discurso agrada os ouvidos do americano médio, conservador e com pouca escolaridade. Ficou para trás num mundo em evolução tecnológica. Também seu salário não evoluiu e ele pensa que um milionário pode saber o caminho das pedras para fazer com que eles voltem ao sonho americano.
Outro tema que o americano médio gosta de ouvir é o de impedir a entrada de imigrantes. Deixariam de tomar emprego desse americano não escolarizado e supostamente diminuiria a violência nos EUA. Trump fala em diminuir a violência no país. Como se ele é contra a proibição de se comprar arma? Mas, sem dúvidas, cada vez que há ato de violência no exterior ou nos EUA, Trump ganha mais votos do americano menos escolarizados, conservador, branco e morando em cidades do interior.
Quer mais tema estranho levantado por Trump? Ele disse que os EUA não reagiriam se houvesse um ataque a membro da Otan. Tem uma regra entre os países da Otan, EUA no meio, de que um ataque a um é um ataque a todos. Que, continua a catilinária, vai fazer os EUA voltarem ser protagonista no mundo. Vai voltar a invadir países, como fizeram os Bush no Iraque, Afeganistão e Panamá?
Assim mesmo o cara tem chances de ganhar. Além de saber contar bem as mentiras, ele se apresenta como diferente dos outros de Washington. E lá como cá o eleitorado anda bravo com os trejeitos e mentiras da classe política.



Alfredo da Mota Menezes e-mail: pox@terra.com.br site: www.alfredomenezes.com
 



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 09 de fevereiro de 2017

00:00 - Assuntos polêmicos

Quinta, 02 de fevereiro de 2017

00:00 - Os culpados

Quinta, 26 de janeiro de 2017

18:10 - Que livro

Quinta, 19 de janeiro de 2017

00:00 - Crise e mortes anunciadas

Quinta, 12 de janeiro de 2017

00:00 - A Odebrecht e a esquerda regional

Quinta, 15 de dezembro de 2016

00:00 - Repense o assunto, senador

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - Ferrovia pela Bolívia?

Quinta, 01 de dezembro de 2016

00:00 - A Cuba de Fidel

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - História

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Assuntos da visita do Serra


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 26/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 26/06/2017
D771e0e6794ed6a17fab0eebeab86994 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Tramita no Senado projeto de lei que concede prioridade para pessoas acima de 80 anos em relação aos demais idosos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual