Somos tupiniquins | Gazeta Digital

Terça, 09 de agosto de 2016, 00h00

Somos tupiniquins


Se o homem é o lobo do homem, segundo Thomas Hobbes (Leviatã), o brasileiro é o lobo do brasileiro. Sim, acreditamos piamente em nossa análise, ainda que assombrosa.
Não é interessante? O analista se faz de objeto de investigação para entender a si próprio. Que maravilha... E não tem nada de contraditório nisso, mesmo porque não existe contradição de contradição, já que sujeito e objeto, aqui analisados, têm a mesma face, que coincidem na singular moeda.
Aos que discordam, observem melhor as entrevistas e palestras de notáveis brasileiros em eventos no exterior. Sempre se referem ao Brasil como uma espécie de paciente em estado terminal, ocupando algum leito do pior hospital e no mais nebuloso destino. Carregam nas palavras, fazem até biquinho a demonstrar sapiência no francês. No inglês, as gírias americanas os entusiasmam.
 Começam algo mais ou menos assim: O Brasil é lindo! País tropical, praias e clima maravilhosos. Povo bondoso e religioso. Mas vai muito mal, cada vez pior, é um desastre em desenvolvimento econômico e humano, na política é um Deus nos acuda. Nada funciona - hospitais, postos de saúde, serviço público, a polícia, tudo do mais atrasado que se possa imaginar-.
E continuam: As estrelas brilham apaixonadamente em seu céu, mas lá embaixo é uma catástrofe total. E vai mais biquinho, e mais ’je suis désolé’ para o delírio da plateia de ambiente austero, e com cheiro de Channel a dominar-lhe o olfato. Falam sempre na 3ª pessoa. Natural, os analistas da pátria precisam ser equidistantes.
Tido por reacionário, Nelson Rodrigues sintetizou - ‘O que atrapalha o brasileiro é o próprio brasileiro. Não sei se repararam. Cada um de nós é um Narciso às avessas e, repito, um Narciso que cospe na própria imagem. Aqui mesmo, nesta coluna, perguntei umas vinte vezes - será que nos faltam motivos pessoais e históricos para a autoestima?’.
O cuspir na própria imagem parece ser uma característica nossa. Temos um Machado de Assis, Fernando Sabino, Drummond e gostamos de afirmar entrosamento com Shakespeare, Proust, Dostoiévski. Assim caminhamos, de mãos dadas com a roda viva, com os nossos inconfessáveis pecados.
Voltemos aos ‘patriotas’ no exterior. Lá inferiorizados, cá lhes enchemos a bola. Até autógrafos solicitamos. São recebidos em palácios e sempre requisitados. Cobaias que somos nas mãos da canalha. Tomam-nos como bode expiatório em seus estrelatos e, ainda assim, lhes honramos com caros tapetes.
Afinal, somos idiotas? A paciência está se esgotando. As ruas não nos assustam mais. Somente aos que ganham com a tolerância dos néscios é que ficam assombrados. E como ficam...
É por aí...

Gonçalo Antunes de Barros Neto escreve em A Gazeta (email: antunesdebarros@hotmail.com).



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Domingo, 05 de fevereiro de 2017

00:00 - Dos grilhões, somente as margens dos rios

Domingo, 29 de janeiro de 2017

00:00 - Castigo e ressentimento

Domingo, 15 de janeiro de 2017

00:00 - Nem tudo se compra

Domingo, 08 de janeiro de 2017

00:00 - Eu, tu, somos eles

Domingo, 25 de dezembro de 2016

00:00 - Amizade eterna

Domingo, 11 de dezembro de 2016

00:00 - Decisão judicial

Domingo, 04 de dezembro de 2016

00:00 - Sabido ou sábio?

Domingo, 27 de novembro de 2016

00:00 - Estado e Constituição

Domingo, 20 de novembro de 2016

00:00 - Partidos políticos

Domingo, 23 de outubro de 2016

00:00 - Liberdade sem dor? Onde?


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 26/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 26/06/2017
D771e0e6794ed6a17fab0eebeab86994 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Tramita no Senado projeto de lei que concede prioridade para pessoas acima de 80 anos em relação aos demais idosos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual