Domingo, 28 de agosto de 2016, 00h00

Gonçalo Antunes de Barros Neto

Ser criança

Gonçalo Antunes de Barros Neto


Não existe nada mais sublime e encantador que uma criança. Como anjos, estão no mundo a observar, aumentando, assim, a responsabilidade dos adultos. Os pequenininhos, de doçura no olhar, sem maldade, totalmente dependentes, à espera de formação e desenvolvimento no mundo. Não pediu, nasceu, e agora em silêncio ensurdecedor, de ousadia discreta, fala com os olhos a exigir explicação.
Qual o legado que a eles se destina? No dia a dia se depara com situações em que a mentira ou a má fé são utilizadas no intuito de se escapar de uma explicação ou esclarecimento que, aos olhos do adulto, não se deva dá-la a uma criança. E isso é terrível, notadamente pela análise da contradição em que se reveste. Explico.
Sartre define a consciência como ’um ser para o qual, em seu próprio ser, ergue-se a questão de seu ser enquanto este ser implica um outro ser que não si mesmo’ (O Ser e o Nada). Vale afirmar, a alteridade é importante na consciência, pois, implica um ser que não o ser de si mesmo. A consciência, assim, surge como um ’não’, um nada, que a outra realidade humana projeta como sua possibilidade.
Pensa, por exemplo, na obediência de uma criança a um chamado (moral) paterno. A consciência do infante opera de forma negativa, como um nada, um ’não’. A operação aqui é transcendente, mas captada de forma subjetiva até pelo temor reverencial.
Na mentira, o mentiroso está completamente a par da verdade que esconde. Ela se dirige a outrem, no caso à criança. A má fé do ascendente que a pratica está no fato que ele esconde a verdade de si mesmo, e ela não o absolverá das consequências da mentira praticada. Por isso a famosa pergunta: onde foi que eu errei?
Cada um tem sua história individual, carregando-a de uma complexidade implacável, e o ser em essência será suas tendências, seus complexos, seus instintos etc. A mente faz seu corpo padecer, ainda que se acredite, como para alguns filósofos, em especial os de formação teológica, que ela esteja na alma.
Os pais são donos de um segredo, o segredo do que é a criança. ’Sou possuído pelo outro; o olhar do outro modela meu corpo em sua nudez, causa seu nascer, o esculpe, o produz como é, o vê como jamais o verei’ (idem, Sartre).
A responsabilidade não pode ser imputada a terceiros; se ’é’ o que se apreendeu na estrada da vida, e essa fórmula têm como multiplicadores os conviventes mais próximos, além do próprio eu como sujeito cognoscente de um universo cognoscível, em parte, cheio de fantasia, amor, compreensão, mas também de realidade, crueldade e indiferença. Com Agostinho: ’Ai de mim, que nem ao menos sei o que ignoro!’(Confissões), ai de ti, que não sabe que sua moral transcende. É por aí...

Gonçalo Antunes de Barros Neto escreve aos domingos em A Gazeta (Email: antunesdebarros@hotmail.com).
 



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Domingo, 05 de fevereiro de 2017

00:00 - Dos grilhões, somente as margens dos rios

Domingo, 29 de janeiro de 2017

00:00 - Castigo e ressentimento

Domingo, 15 de janeiro de 2017

00:00 - Nem tudo se compra

Domingo, 08 de janeiro de 2017

00:00 - Eu, tu, somos eles

Domingo, 25 de dezembro de 2016

00:00 - Amizade eterna

Domingo, 11 de dezembro de 2016

00:00 - Decisão judicial

Domingo, 04 de dezembro de 2016

00:00 - Sabido ou sábio?

Domingo, 27 de novembro de 2016

00:00 - Estado e Constituição

Domingo, 20 de novembro de 2016

00:00 - Partidos políticos

Domingo, 23 de outubro de 2016

00:00 - Liberdade sem dor? Onde?


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 29/04/2017
 

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sábado, 29/04/2017
6637d166db2af4ee95c6d595829972c2 anteriores




Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O desemprego subiu no Brasil este ano e já atinge 14,2 milhões de pessoas. Na sua opinião, a crise vai demorar a passar?



Logo_classifacil









Loja Virtual