Eu, tu, somos eles | Gazeta Digital

Domingo, 08 de janeiro de 2017, 00h00

Eu, tu, somos eles


A sensibilidade ‘a priori’ que se tem é o tempo e o espaço (Kant). E quem, afinal, os dividiu? Aquilo que se apresenta, (re)presenta fielmente na individualidade?
Acostumamos a olhar o fenômeno e não a profundidade do que se apresenta; somente a sua totalidade é produto da razão, no mais é imaginação e entendimento.
Da análise de um objeto não tão dinâmico no tempo e espaço, seria até simplório a sua reflexão existencial. Mas e a política (num sentido mais amplo que aquele simplesmente partidário e eleitoral)? Seus valores e fundamentos, ações e resultados na democracia?
Esses fenômenos todos que se reveste a política brasileira ultimamente têm causado um outro, a intolerância, como resultado de seu viés mais obscuro, jogando a todos na incredulidade.
A maioria que compõe o Supremo Tribunal Federal, ao aderir a um projeto de sobrevivência política do presidente do Congresso Nacional, com o beneplácito do palácio do planalto, deu a impressão que o fenômeno político extraído desse imbróglio jurídico fez coro ao famoso ’jeitinho’ brasileiro de se dar com a adversidade.     A não ser umas poucas vozes, calou-se a nação brasileira num universo acrítico de estupefata ironia. Nunca a ironia se fez longe de crítica e reflexão como agora, postergando seu fundamento lógico para um outro tempo e espaço. Calaram o povo, sobrou-se vergonha alheia. O mundo assistiu, e sorriu em galhofa.
Tomaram por testemunho as palavras de Shakespeare: ’mudam-se os tempos, mudam-se as vontades’.
Que fenômenos mais esquisitos estão a embalar a política nesta terra de Cabral! E ainda culpam os portugueses, fazendo-se de filhos ingratos ao buscar desforras em Holanda e Espanha. Seria tudo diferente?
Onde está a honra nisso tudo? Aquela mesma que nos faz parceiros da justiça e irmãos gêmeos do amor à pátria. Povo que tem cheiro e vontade próprios, que mesmo deitado em berço esplêndido se levanta em defesa de sua dignidade e identidade.
Não. A parceria se findou numa vulgar letargia própria dos indiferentes, sintetizando-nos num bando à espera de salvadores da pátria, como sempre (ou com o Getúlio, Juscelino, Jango, Sarney e Collor, não foi assim?).
Isso o Dr. Ulisses não previu, a Constituição feito troça. Ode à democracia que fazemos, como fenômeno de tempo e espaço, imaginação e entendimento, tudo sem razão.
É por aí...

Gonçalo Antunes de Barros Neto escreve aos domingos em A Gazeta. (email: antunesdebarros@hotmail.com).



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Domingo, 05 de fevereiro de 2017

00:00 - Dos grilhões, somente as margens dos rios

Domingo, 29 de janeiro de 2017

00:00 - Castigo e ressentimento

Domingo, 15 de janeiro de 2017

00:00 - Nem tudo se compra

Domingo, 25 de dezembro de 2016

00:00 - Amizade eterna

Domingo, 11 de dezembro de 2016

00:00 - Decisão judicial

Domingo, 04 de dezembro de 2016

00:00 - Sabido ou sábio?

Domingo, 27 de novembro de 2016

00:00 - Estado e Constituição

Domingo, 20 de novembro de 2016

00:00 - Partidos políticos

Domingo, 23 de outubro de 2016

00:00 - Liberdade sem dor? Onde?

Domingo, 16 de outubro de 2016

00:00 - Ego que transcende


 veja mais
Cuiabá, Terça, 23/05/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Terça, 23/05/2017
04e0eed0fc583ce3825ce86d400dbc2c anteriores




Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Na sua opinião, o Brasil é uma nação corrupta?



Logo_classifacil









Loja Virtual