Quinta, 02 de junho de 2016, 00h00

Desafios de hoje


Vivemos um tempo de imensos desafios. Em todas as áreas da vida humana. Na família, no trabalho, nas universidades e escolas, na política, na gestão pública, na gestão privada. Especialmente, o desafio da percepção dos cenários que atropelam tudo. Mas quero aqui deter-me em poucos aspectos. Um deles a revisão do modo de governar. Fazer política deixa de ser atividade corporativa de grupos e de partidos e passa a ser um forte elemento do interesse social. Se os órgãos públicos de fiscalização não derem pra trás, o Brasil vai mudar muito. No futuro próximo.
O sistema político brasileiro criou um modelo de gestão pública amordaçado numa droga chamada de ‘Pacto Federativo’. Ele regula a relação dos municípios, estados e União. Claro que a União ganha disparado e sufoca os outros dois. Na noite de terça-feira assisti à palestra do economista Carlos Velloso, feita no Dia da Indústria, em Cuiabá. Ele revelou que através do pacto, o governo federal ‘mata’ os governos estaduais e subordina todos os governadores a normas financeiras, fiscais e econômicas elaboradas no Ministério da Fazenda por ‘boys’ recém-saídos de universidade e despreparados pra o mínimo de compreensão de uma máquina política do tamanho de uma nação.
A ida dos governadores ao presidente da República no dia de ontem foi para pressionar uma renegociação mínima da dívida de todos com o Tesouro Nacional. Em algum momento ela foi calculada e bases cruéis de agiota. Mato Grosso foi em 1997. Outro pecado é a chamada vinculação das receitas. O executivo tem só alguns centavos pra investir em infraestrutura, etc. O resto do orçamento é fixo e vai para fundos, pra educação, pra saúde, pra pessoal e pra dívidas.
É um ponto de estrangulamento que se for superado, estados como o nosso terão recursos novos pra investir. Mas, sempre e sempre, será preciso a pressão popular. Greves de servidores, protestos de produtores estão todos ligados à execução dos orçamentos e à subordinação dos estados à União. Lembrado que grande parte da força política está nos estados e não no governo federal.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br wwwonofreribeiro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 19 de janeiro de 2017

00:00 - Compasso atrasado

Quinta, 12 de janeiro de 2017

00:00 - Debateção

Quinta, 29 de dezembro de 2016

00:00 - Já vai, 2016? - I

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - Social ou econômico

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - O mundo e nós

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Pedido de socorro

Quinta, 10 de novembro de 2016

00:00 - Depois dos tsunamis

Quinta, 27 de outubro de 2016

00:00 - Ilusões e desilusões

Quinta, 20 de outubro de 2016

00:00 - Desafios e desgastes

Quinta, 06 de outubro de 2016

00:00 - Crises e a história


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 20/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 20/01/2017
4fa6f0aa8dc554a3a883d344d91b9b74 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,2193 +0,25%
Ouro - BM&F (à vista) 125,00 +0,81%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Uma lei municipal de 2016 determina que todos os assentos do transporte coletivo de Cuiabá são preferenciais para idosos, gestantes e deficientes. Você concorda com isso?



Logo_classifacil