Quinta, 09 de junho de 2016, 00h00

Eficiência pública


Não se pode debitar somente ao governo Pedro Taques os erros que levaram o estado à atual crise financeira e de gestão. Ele comeu mosca em 2015 e deixou passar algumas correções que seriam inevitáveis. Mas a essência dos erros vem de trás e está bem explicada no trabalho “Mato Grosso 2016 Reprogramação Estratégica do Desenvolvimento do Estado”, contratado em 2012 pela Associação Mato-grossense dos Municípios AMM, ao economista Paulo Rabello de Castro. O estudo foi entregue ao governador Silval Barbosa como contribuição e foi ignorado. Se aproveitado, a crise atual da despesa versus arrecadação estaria resolvida desde então. Na Assembleia Legislativa o estudo incluiu a produção de um projeto de lei sobre a eficiência da gestão do estado defendida pelo ex-deputado José Riva. Mas não andou.
O estudo contempla quatro pontos a respeito do estado de Mato Grosso: os pontos fortes, os pontos fracos, as ameaças e as oportunidades. Os pontos fortes são o “crescimento chinês” do PIB na última década. Média de 7,1% ao ano. Um fenômeno no país. Porém, o ponto fraco e preocupante é que a despesa pública vem crescendo e se deteriorando muito mais do que a arrecadação de impostos. A taxa das despesas tem crescido a razão de 17% ao ano, com um foco não no desenvolvimento econômico, mas dentro da própria estrutura do governo: salários, dívidas, repasses aos poderes. Na ponta, uma péssima infraestrutura que acabou ficando com míseros 3% de investimentos dentro do orçamento governamental no ano.
O estudo revela que as despesas com pessoal estavam caminhando pra se tornarem insustentáveis. Em 2016 ficaram! Cresceram 17% anual em média desde 2005. De lá pra cá os efeitos na indexação da RGA pelo INPC em 2009, gerou o suicídio das contas públicas. No mesmo período a arrecadação de ICMS cresceu só 12,2%. Portanto, o déficit vem se acumulando. Em 2015 o governador deveria ter percebido a defasagem e posto o pé no freio das despesas com pessoal.
De agora pra frente não poderá mais trabalhar sem uma calculadora na mesa e com mudanças na lei que fixou o INPC como indexador. Sob pena de não sobreviver às futuras crises.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeiro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 19 de janeiro de 2017

00:00 - Compasso atrasado

Quinta, 12 de janeiro de 2017

00:00 - Debateção

Quinta, 29 de dezembro de 2016

00:00 - Já vai, 2016? - I

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - Social ou econômico

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - O mundo e nós

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Pedido de socorro

Quinta, 10 de novembro de 2016

00:00 - Depois dos tsunamis

Quinta, 27 de outubro de 2016

00:00 - Ilusões e desilusões

Quinta, 20 de outubro de 2016

00:00 - Desafios e desgastes

Quinta, 06 de outubro de 2016

00:00 - Crises e a história


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 20/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 20/01/2017
4fa6f0aa8dc554a3a883d344d91b9b74 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,2193 +0,25%
Ouro - BM&F (à vista) 125,00 +0,81%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Uma lei municipal de 2016 determina que todos os assentos do transporte coletivo de Cuiabá são preferenciais para idosos, gestantes e deficientes. Você concorda com isso?



Logo_classifacil