Quinta, 16 de junho de 2016, 00h00

Tempestade perfeita


Embora a expressão seja oriunda da meteorologia, pra explicar condições do tempo em que se associam diversos fatores contrários, as questões políticas no governo de Mato Grosso configuram uma tempestade perfeita. De um lado, um problema anterior, conjuntural, que é a baixíssima capacidade do governo para fazer investimentos. O orçamento é engessado, a despesa cresce mais do que a receita e a equação fica cada vez mais difícil. De outro, a greve geral do funcionalismo público por conta da Reposição Geral Anual - RGA.
Nos dois casos, existem fatores anteriores que vieram formar a tempestade perfeita dentro de um mesmo cenário e na mesma ocasião. No orçamento de R$ 18 bilhões em 2016, ao governo só restam cerca de R$ 500 milhões para investimentos. Muito pouco. A despesa pública corrente cresceu 17% e a receita apenas 12,2% (medida até 2012). O cenário não mudou. Em 2005 a despesa com pessoal era de R$ 2.174 milhões e saltou em 2012 para R$ 6.181 milhões. Aqui aparece clara a necessidade de se ajustar a despesa com pessoal à evolução da receita tributária.
A questão da RGA esbarra em muitas variáveis. Na tolerância da Lei de Responsabilidade Fiscal, na inflação inesperada de 2015 que se agravou com o INPC adotado em 2009 como fator de correção dos salários. Por fim, a queda de receitas com a crise econômica brasileira. A greve geral dos servidores saiu do campo administrativo a caiu na malha política. Desgastar o governo passou a ser um novo ingrediente nas discussões. Aproveitando-se da inexperiência política, o Fórum Sindical com seus 32 sindicatos assumiu um perigoso controle das discussões começou a partidarizar a greve e a negociação em torno da RGA.
Por fim, esse cenário geral, inclui a solução da crise com a RGA e a greve, mas inclui também a necessidade de uma profunda modernização do governo pra que ele possa respirar na economia e na política nesses 30 meses de gestão que ainda lhe restam.
Com tudo isso, o governo enfrenta uma tempestade perfeita, e urgente necessidade de se reinventar, muito difícil no meio do furacão.



Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeiro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 19 de janeiro de 2017

00:00 - Compasso atrasado

Quinta, 12 de janeiro de 2017

00:00 - Debateção

Quinta, 29 de dezembro de 2016

00:00 - Já vai, 2016? - I

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - Social ou econômico

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - O mundo e nós

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Pedido de socorro

Quinta, 10 de novembro de 2016

00:00 - Depois dos tsunamis

Quinta, 27 de outubro de 2016

00:00 - Ilusões e desilusões

Quinta, 20 de outubro de 2016

00:00 - Desafios e desgastes

Quinta, 06 de outubro de 2016

00:00 - Crises e a história


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 19/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Quinta, 19/01/2017
Ec69db7f124eb8fa9b6b22fee564a7d8 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,2193 +0,25%
Ouro - BM&F (à vista) 125,00 +0,81%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Uma lei municipal de 2016 determina que todos os assentos do transporte coletivo de Cuiabá são preferenciais para idosos, gestantes e deficientes. Você concorda com isso?



Logo_classifacil