Quinta, 14 de julho de 2016, 00h27

Onofre Ribeiro

Inevitável

Onofre Ribeiro


Desde que cheguei a Mato Grosso, no distante 25 de agosto de 1976, vindo de Brasília, convivi com a enorme expectativa de futuro que sempre cercou o estado. Como, aliás, cercou o Centro-Oeste do Brasil, partindo de Brasília. Lá, convivi com o sonho de um Brasil brasileiro nascido na região pra superar o litoral copiado da Europa. A divisão do estado em 1977 que separou Mato Grosso do Sul estava dentro desse sonho. Na época era só sonho louco. Vencemos as adversidades e chegamos aonde chegamos.
Relembro sempre: nas minhas viagens de ida e volta de carro a Brasília, antes que minha família se mudasse pra cá, entre Goiânia e Cuiabá, que são 900 km, cruzava com duas carretas, simples caminhões trucks com dois eixos, pra 10 toneladas. Hoje passam 14 mil carretas de 30 a 50 toneladas diariamente entre Cuiabá e Rondonópolis. Em 40 anos, esse salto! Vamos ao futuro. Dados do confiável IMEA - Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária, indicam que a atual produção de grãos de 52 milhões/ton será de 88 milhões em 2025, daqui a 10 anos. Aumento de 88%. Assim como as carnes que também aumentarão 88,5%.
Outras tendências do mundo, que servem pra contextualizar essa produção frente aos mercados mundiais. A população tende a migrar para  cidades cada vez mais, onde terá renda per mais alta e comprarão mais comida. A tendência será a especialização de regiões do mundo na produção de alimentos. É o caso do Centro-Oeste brasileiro e nele, Mato Grosso. Para isso, a tendência é a de investimentos internacionais crescentes em setores como o da infraestrutura de rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e hidrovias, além de projetos climáticos, economia sustentável de baixo carbono e explorações minerais. Tudo isso num prazo de 10 anos. É muita coisa pra pouco tempo.
Ontem questionei aqui o planejamento governamental pra dar suporte a essa economia nova. Vejo também a necessidade de uma estruturação do governo estadual para esses cenários. O governo não tem técnicos habilitados e tampouco comprometidos nessa direção. É o caso de colocá-los pra estudar. Ou contratar gente mais capaz. O assunto não se esgota aqui, mas fica a advertência. Chances extraordinárias baterão à nossa porta já amanhã.



Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onforeribeiro.com.br
 



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 19 de janeiro de 2017

00:00 - Compasso atrasado

Quinta, 12 de janeiro de 2017

00:00 - Debateção

Quinta, 29 de dezembro de 2016

00:00 - Já vai, 2016? - I

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - Social ou econômico

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - O mundo e nós

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Pedido de socorro

Quinta, 10 de novembro de 2016

00:00 - Depois dos tsunamis

Quinta, 27 de outubro de 2016

00:00 - Ilusões e desilusões

Quinta, 20 de outubro de 2016

00:00 - Desafios e desgastes

Quinta, 06 de outubro de 2016

00:00 - Crises e a história


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 20/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 20/01/2017
4fa6f0aa8dc554a3a883d344d91b9b74 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,2193 +0,25%
Ouro - BM&F (à vista) 125,00 +0,81%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Uma lei municipal de 2016 determina que todos os assentos do transporte coletivo de Cuiabá são preferenciais para idosos, gestantes e deficientes. Você concorda com isso?



Logo_classifacil