Esquerda x direita - final | Gazeta Digital

Quinta, 01 de setembro de 2016, 00h00

Esquerda x direita - final


O impeachment da presidente Dilma Rousseff não é isolado no panorama mundial. A queda representa a queda da esquerda no Brasil, no momento em que a esquerda sofre derrotas sucessivas no mundo. A direita, que já teve seus espaços e perdeu, retoma-os. Não mais a mesma direita antiga. Mas uma direita renovada em face da nova cara da economia, da política e das sociedades mundiais. É o passo seguinte à globalização. Na globalização, com toda sãs suas injustiças econômicas, as esquerdas cresceram no mundo.
Porém, a nova economia mundial, decorrente principalmente das novas tecnologias, pôde redesenhar a sua cara. A esquerda prometia inclusões sociais, pleno emprego e justiça social. Não conseguiu porque a tese era romântica e utópica demais pra ser prática num mundo tão complexo. Mas não desenhou o socialismo como uma forma de governo, mas como uma tese de governo ideal. Porém, a transição depois da segunda guerra abriu espaços mundiais para profundos questionamentos. O socialismo, fora da União Soviética, teve altos e baixos. Uma tese romântica.
 Do fim da globalização nos anos 1990 até hoje foi o laboratório das esquerdas no mundo. Tempo de efervescência esquerdista no Brasil. Pegando carona na onda positiva do crescimento global e na estabilização monetária brasileira, a esquerda governou até chegar ao fundo do cofre. Depois não tinha planos efetivos pro futuro. Nem pra si mesma! Lula, presidente do Brasil, surfou na promissora onda mundial e naufragou quando a onda acabou na crise financeira e econômica de 2008.
Dilma Rousseff cai no momento em que caem as esquerdas européias e nos Estados Unidos a direita mais dura se consolida. Em cima de que? O social da esquerda não produziu avanços permanentes, fora experiências casuais de sucesso. A direita se reorganizou e aproveitou o surfe das novas tecnologias e remoçou. No futuro próximo, a direita terá a missão de gerar uma economia sustentável no social e no econômico. A esquerda terá o tempo pra se reinventar e recriar sua própria onda.
Com Dilma, morrem os sonhos acadêmicos de um social que exauriu o Estado sem produzir mais do que laboratórios pra teses sem começo, meio e fim. Teve méritos, mas não teve lógica! O que virá agora será a construção de outros sonhos e de outras utopias.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail: onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeiro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 09 de fevereiro de 2017

00:00 - Corporações e a barbárie

Quinta, 02 de fevereiro de 2017

00:00 - Mundos velho e novo

Quinta, 26 de janeiro de 2017

00:00 - Antes da prisão

Quinta, 19 de janeiro de 2017

00:00 - Compasso atrasado

Quinta, 12 de janeiro de 2017

00:00 - Debateção

Quinta, 29 de dezembro de 2016

00:00 - Já vai, 2016? - I

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - Social ou econômico

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - O mundo e nós

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Pedido de socorro

Quinta, 10 de novembro de 2016

00:00 - Depois dos tsunamis


 veja mais
Cuiabá, Terça, 27/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 27/06/2017
Dddff6c44661c0b0079161a551188933 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Tramita no Senado projeto de lei que concede prioridade para pessoas acima de 80 anos em relação aos demais idosos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual