Quinta, 10 de novembro de 2016, 00h00

Depois dos tsunamis


Escrevi ontem neste espaço a onda de tsunamis que assolam a gestão do governador Pedro Taques desde que tomou posse, em 1º. de janeiro de 2015. Porém, é do futuro que desejo falar neste artigo. No momento da eleição em 2014 todos sabíamos que o Brasil estava entrando numa crise braba, mas a propaganda do governo Dilma Rousseff indicava o que lá atrás Lula tinha chamado de ‘marolinha’. Era um baita tsunami que viria matar Dilma aos poucos até ela cair em setembro último. Mas sangrou muito antes de cair e fez o Brasil sangrar muito mais do que ela, o Partido dos Trabalhadores e agregados.
Todos os governadores assumiram as gestões com expectativas racionais e plausíveis. Pode se dizer que o Brasil piorou dez anos em dois: instituições, economia, política, serviço público e, principalmente, a ética desandou. Voltando a Mato Grosso. O governador Pedro Taques não tinha expectativas e nem projetos pra tirá-lo do abismo em que a gestão se meteu. Em parte pela crise geral, em parte pelos seus próprios erros. Mas não é o tema deste artigo.
O tema é claríssimo. Depois desses dois últimos anos, não será mais possível exercer a gestão do mesmo modo. Baseada em apoio político do funcionalismo público e dos seus sindicatos. Nem dos poderes e dos políticos. Qualquer gestão que queira dar certo precisa do apoio de toda a sociedade. O funcionalismo é parte da sociedade. Não é patrão dela como quis parecer na eleição municipal em Cuiabá. Os poderes são meros prestadores de serviços à sociedade. No fundo, a gestão gere o Estado, que é uma estrutura responsável pela arrecadação de tributos, de planejamento coletivo e da execução do resultado dos impostos na forma de bons serviços públicos.
Os próximos passos da gestão Pedro Taques são recuperar-se diante de si mesmo e da sociedade. Depois organizar e redimensionar o Estado, porque a sociedade não o quer mais da maneira como foi construído: serviço público à solta, poderes reinantes, política como balcão de negócios. E o cidadão como escravo do sistema que arrecada e gasta 97% consigo mesmo.
Finalizando, se tiver a coragem, o governador Pedro Taques fará os resgates e projeta o Estado no seu real papel. Adequará custos e gastos ao limite da racionalidade que os cidadãos esperam. Ainda há tempo pra transformar e sair como estadista. Basta-lhe coragem e obstinação. É possível!

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeiro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 09 de fevereiro de 2017

00:00 - Corporações e a barbárie

Quinta, 02 de fevereiro de 2017

00:00 - Mundos velho e novo

Quinta, 26 de janeiro de 2017

00:00 - Antes da prisão

Quinta, 19 de janeiro de 2017

00:00 - Compasso atrasado

Quinta, 12 de janeiro de 2017

00:00 - Debateção

Quinta, 29 de dezembro de 2016

00:00 - Já vai, 2016? - I

Quinta, 08 de dezembro de 2016

00:00 - Social ou econômico

Quinta, 24 de novembro de 2016

00:00 - O mundo e nós

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Pedido de socorro

Quinta, 27 de outubro de 2016

00:00 - Ilusões e desilusões


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 27/03/2017
 

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Segunda, 27/03/2017
53e5bbcc4b4c9009d8dd0c44bdf68988 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,1075 -0,90%
Ouro - BM&F (à vista) 124,20 2,26%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 126,00
Soja - saca 60 kg 54,54
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Dentro de alguns meses, a Prefeitura de Cuiabá começará a multar carros que trafegarem pela faixa exclusiva de ônibus. Na sua opinião:



Logo_classifacil