Réus divergem sobre destino da propina de desapropriação | Gazeta Digital

Quinta, 18 de maio de 2017, 08h57

VEJA VÍDEOS

Réus divergem sobre destino da propina de desapropriação

Celly Silva, repórter do GD


Três vídeos disponibilizados pela Justiça apontam que existem contradições no que se refere à destinação do dinheiro desviado na desapropriação de uma área rural na região do Manso , que é alvo de investigação na Operação Seven, deflagrada em fevereiro de 2016 pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco).

Chico Ferreira/Reprodução

Afonso Dalberto, Pedro Nadaf e Filinto Corrêa apresentaram informações desencontradas à juíza

De acordo com Pedro Nadaf, ex-secretário da Casa Civil na gestão Silval Barbosa (PMDB), o desvio rendeu R$ 3,5 milhões “livre” para a organização criminosa da qual ele participou e, posteriormente, passou a delatar. Desse montante, segundo ele, R$ 1,5 milhão foi utilizado para quitar uma dívida do ex-governador Silval Barbosa (PMDB). “O governador simplesmente queria que fosse saldado aquele compromisso que ele tinha com aquelas pessoas do pagamento da dívida. O valor da dívida faltava R$ 1,5 milhão para complementar a dívida originária”, disse à juíza Selma Arruda, na ocasião.

Ele afirmou ainda que também pagou uma dívida de R$ 150 mil do ex-governador com o Buffet Leila Malouf, que ele e o ex-presidente do Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), Afonso Dalberto receberam R$ 500 mil, cada um e que o restante ficou com o ex-procurador geral do Estado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o Chico Lima e que desconhece o que ele fez com o dinheiro.

“Eu recebi do doutor Francisco R$ 2,150 milhões, R$ 1,5 milhão eu destinei a esse compromisso político, fiquei com R$ 500 mil e R$ 150 mil destinei ao pagamento do Buffet Leila Malouf. [O restante, R$1.350 milhão] o doutor Francisco fez o pagamento que eu não sei para onde foram esses recursos”, afirmou Nadaf. O ex-secretário, no entanto, não falou o que teria feito com os R$ 500 mil não relatados por ele na divisão do que recebeu de Chico Lima.

Já o ex-presidente do Intermat, Afonso Dalberto, disse em audiência de instrução que recebeu de Pedro Nadaf R$ 500 mil por ter autorizado a desapropriação da área que seria incluída ao Parque Estadual Cabeceiras do Rio Cuiabá, em 2014. O pagamento, segundo ele, ocorreu em duas parcelas de R$ 250 mil pagas por Nadaf em seu gabinete na Casa Civil. “O Pedro Nadaf botou a mão no bolso e entregou”, afirmou.

Apesar de dizer que o esquema rendeu R$ 3,5 milhões em propina, o depoimento de Pedro Nadaf também se choca com o do médico e fazendeiro Filinto Corrêa da Costa, que era o dono da área que foi desapropriada na gestão passada.

Segundo ele, foram pagos a Chico Lima, seu cunhado e interlocutor no processo de desapropriação, o valor de R$ 2,5 milhões divididos em vários cheques de valores pequenos, o que ocorreu a pedido do próprio Chico Lima, segundo o delator. “Eu devolvi R$ 1,250 no primeiro pagamento e R$ 1,250 no segundo pagamento”, afirmou Filinto.

Em outra audiência no mesmo processo, Chico Lima admitiu ter ajudado o cunhado na desapropriação por “gratidão”, mas negou ter recebido propina e mesmo de ter feito parte de uma organização criminosa no Estado. 

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 20 de julho de 2017

09:17 - 'Não é problema', diz Silval sobre 'sumiço' de R$ 850 mil desviados

Quarta, 19 de julho de 2017

19:38 - Silval Barbosa 'blinda' TCE em confissão

18:02 - Chico Lima troca advogados e muda postura

15:05 - Na cadeia, Silval soube que foi passado pra trás

13:10 - Silval confessa que autorizou fraude de R$ 7 milhões na compra de terreno

08:12 - Silval 'entrega' esquema de venda duplicada de terreno em mais um depoimento

Terça, 09 de maio de 2017

15:13 - Silval e mais 7 réus têm R$ 14 mi bloqueados pela Justiça

Domingo, 19 de fevereiro de 2017

11:30 - Juíza compartilha provas contra Chico Lima para instruir PAD

Sexta, 04 de novembro de 2016

15:13 - Ex-secretário não consegue trancar ação penal no TJ

Segunda, 10 de outubro de 2016

18:16 - Chico afirma que Nadaf exigiu 3 milhões como 'retorno'


// leia também

Quarta, 16 de agosto de 2017

09:13 - Ministro do STJ ratifica necessidade de transferir policiais para presídios federais

Terça, 15 de agosto de 2017

19:26 - CNJ manda suspender pagamentos de supersalários a juízes de MT

19:01 - Juiz de Sinop que recebeu R$ 500 mil diz que 'não está nem aí' com a polêmica

17:25 - Trabalhador que ficou impotente ao vacinar porcos será indenizado

17:17 - STF nega liberdade a agente de tributos e mantém fiança de R$ 430 mil

17:16 - Amam defende altos salários de juízes de Mato Grosso

15:37 - Condições 'desumanas' da cadeia forçaram Silval a fazer delação, diz Eder Moraes

15:25 - Major da PM é condenado por estuprar garota de 14 anos

14:48 - Presidente do STF nega 2º pedido de Maggi para acessar delações

10:34 - Mulher que seduziu e dopou agentes para fuga em massa está em liberdade


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 16/08/2017
 

GD Empregos

Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 16/08/2017
30998172bf1924e518b296591876fac2 anteriores

WhatsApp




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Proposta prevê espera máxima de 30 minutos para atendimento nos cartórios.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual