Parecer do Ministério Público é para manter João Arcanjo na prisão | Gazeta Digital

Quinta, 25 de janeiro de 2018, 07h44

Parecer do Ministério Público é para manter João Arcanjo na prisão

Dantielle Venturini, repórter de A Gazeta


Chico Ferreira

Ministério Público de Mato Grosso (MPE-MT) dá parecer contrário à progressão de regime de João Arcanjo Ribeiro, para o semiaberto, apontando falta de atualização nos cálculos de penas, além de questionar o laudo psiquiátrico. O documento foi encaminhado nesta quarta-feira (24) para o juiz da Segunda Vara de Execuções Criminais, Geraldo Fidelis. A promotora Josane Fátima de Carvalho Guartente pediu vistas nos autos antes que ocorra uma audiência admonitória, caso haja decisão favorável à saída de Arcanjo.

Logo após o parecer do MPE ser protocolado, passou a constar no processo de execução de pena, no site do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, o cálculo de pena do réu que, até o momento, não era de conhecimento público. Por este cálculo, Arcanjo tem sete condenações que somam 87 anos e seis meses de prisão. Ele teve remido 76 dias. Considerando 1/6 para progressão, e que ele foi preso no dia 11 de abril de 2003, o cálculo aponta que o ex-comendador já poderia estar no regime semiaberto desde o dia 26 de agosto do ano passado.

Em dezembro do ano passado o MPE entrou com recurso contestando o cálculo de pena. Para o órgão, a atualização é urgente pois Arcanjo não teria direito de sair da prisão. No trâmite processual, o juiz Geraldo Fidelis determinou que a defesa se manifeste sobre o agravo, para então decidir sobre a manutenção ou reforma do cálculo.

Em relação ao resultado do exame criminológico de Arcanjo, que concluiu que ele apresentou baixo escore de violência, reincidência e psicopatia, e apresentou bom comportamento no período em que está encarcerado, a promotora diz que o bom comportamento carcerário não é suficiente para progressão de regime e lembrou ainda que esse bom comportamento ocorreu enquanto Arcanjo cumpria penas em presídios federais, onde passou a maior parte do tempo de reclusão. “É notório o rigor e a disciplina da rotina dos recuperandos que cumprem pena em estabelecimento federal, o que praticamente impossibilita ou dificulta sobremaneira desvios de conduta por parte dos apenados (...)”, diz trecho.

A promotora lembrou que Arcanjo foi inserido no sistema federal em 2007, após a deflagração da operação “Arrego”, que comprovou na época que mesmo na Penitenciária Central do Estado (PCE), ele continuava comandando uma organização criminosa no Estado. Além disso ela destaca que analisando as denúncias criminais, o ex-comendador sempre figurou como mandante nos crimes de homicídios e nunca como executor, razão pela qual, segunda a promotora, seus atos não são “dotados de violência real”, mas, conforme ela, isso não significa que ele não seja de alta periculosidade, ainda que exame psiquiátrico tenha concluído seu baixo score.

Promotora destaca recursos abusivos

A promotora entende que a progressão para o regime semiaberto, que atualmente é cumprido no Estado em regime de prisão domiciliar, mediante o monitoramento eletrônico, trará para a população um sentimento de “impunidade”, principalmente em razão dos processos ainda em andamento nos quais Arcanjo é acusado como mandante de crimes contra a vida e deverá ainda ser julgado.

A promotora Josane Fátima de Carvalho solicitou ao Ministro de Estado da Justiça informações a cerca do pedido de extensão da extradição de João Arcanjo Ribeiro e destacou os diversos recursos interpostos pela defesa de Arcanjo,classificando-os como “abusivos”, com fim de atrasar todos os processos em que o ex-comendador é citado e já foram incluídos no pedido de extradição ao Uruguai. Segundo ela, os processos encontram dificuldades de tramitação durante a instrução processual por causa dessas manobras.

Para o MPE, a progressão para o semiaberto prejudicaria as instruções desses processos, pois o temor que a sociedade possui sobre Arcanjo pode atrapalhar a produção de provas testemunhais. Foi destacado também a fuga de Arcanjo para o Uruguai, afirmando que este fato vem prejudicando a instrução em vários processos, inclusive aqueles de crimes contra o sistema financeiro. A promotora lembrou que Arcanjo possui “notório poder econômico”, o que facilita a possibilidade de nova fuga para outros países, já que é evidente o interesse dele em “esquivarse” dos julgamentos que ainda estão por vir.

No parecer a promotora citou ainda três processos nos quais Arcanjo é réu, e que vem se arrastando em razão de recursos. Entre eles está o processo sobre a morte de Mauro Sérgio Benedito Manhoso, assassinado com nove tiros, que teriam sido disparados por Célio Alves que estava na garupa da moto dirigida por Hércules Araújo. Manhoso era proprietário de uma empresa que desenvolvia sistemas para sorteios eletrônicos e bingos.

Segundo denúncia do MPE, o empresário vinha montando um sistema de jogos denominado “raspadinha”, fazendo concorrência aos jogos ilegais que Arcanjo comandava. Outro processo citado é o do ex-vereador de Várzea Grande, Valdir Pereira. A acusação aponta Arcanjo como mandante. O caso foi registrado em 7 de agosto de 2002 e mais uma vez a causa seria negócios envolvendo os jogos de azar.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sábado, 14 de abril de 2018

11:21 - Arcanjo vai ao mercado ostentando tornozeleira

Terça, 03 de abril de 2018

07:30 - Sem carteira assinada, Arcanjo trabalha nas empresas da família

Sexta, 30 de março de 2018

07:00 - Ex-pistoleiro de João Arcanjo está de volta a Mato Grosso

Domingo, 25 de março de 2018

10:00 - Juiz cobra ida de João Arcanjo a centro de acompanhamento psicossocial

Sexta, 23 de março de 2018

12:33 - TJ determina que irmãos desocupem imóvel de João Arcanjo em Sinop

Sexta, 02 de março de 2018

11:29 - Arcanjo tem R$ 250 milhões para receber e vai cobrar, avisa advogado

Terça, 27 de fevereiro de 2018

08:28 - MPE não recorre, mas quer manter Arcanjo preso até 2027

Segunda, 26 de fevereiro de 2018

16:58 - João Arcanjo poderá estudar, ir à igreja e à fazenda

12:12 - Livre da prisão após 15 anos, Arcanjo acena para câmeras e cobrará dívidas; fotos e vídeos

09:39 - Arcanjo deixa presídio nesta segunda-feira, após quase 15 anos


// leia também

Terça, 22 de maio de 2018

14:03 - MPE denuncia prefeito de Alta Floresta por dispensa indevida de licitação

12:18 - Por unanimidade, TCE mantém suspenso pagamento da RGA aos servidores

11:35 - Selma critica vazamento de decisão sobre fim de escolta policial e recorre

10:09 - Alvo do Gaeco é responsável pelos projetos Assembleia Itinerante e Vem pra Arena

09:43 - Perigos enfrentados por juízes do trabalho em Mato Grosso são citados pela imprensa nacional

08:42 - Casa de Guimarães é alvo do Gaeco por desvios de recursos estaduais

08:25 - STF notifica Pedro Taques para repassar duodécimo atrasado à Defensoria

08:14 - MPE investiga empresa e autoridades por desvios no TCE

07:54 - Eder Moraes denuncia crimes e afirma que promotor tem 'problema mental'

Segunda, 21 de maio de 2018

18:10 - Juíza Selma considera suspensão de escolta 'desproporcional' e vai recorrer


 veja mais
Cuiabá, Terça, 22/05/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 22/05/2018
0f65f11e2004b62e37dcf52875f1521b anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Você contribuiria com a campanha de algum candidato por meio da vaquinha virtual?




Logo_classifacil









Loja Virtual