Ministério Público questiona lei que altera regras para transporte de madeiras | Gazeta Digital

Sábado, 03 de fevereiro de 2018, 13h37

Ministério Público questiona lei que altera regras para transporte de madeiras

Clênia Goreth, repórter do MPE


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da Procuradoria Geral de Justiça, ingressou com ação direta de inconstitucionalidade contra a Lei complementar nº 601/2017, que dispõe sobre a emissão do certificado de identificação de madeira pelo Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea). O MP sustenta que a referida norma reduziu o patamar de proteção ambiental consolidado na legislação anterior.

A nova lei, conforme o MPE, permite que o produto florestal não serrado bruto, a exemplo da madeira serrada, possa ser transportado sem identificação da espécie de madeira. Também foi alterada a forma de apreensão do produto florestal transportado ilegalmente e reduzido o contexto da atividade de identificação, que passou a ser realizada somente em regime de fiscalização volante.

Agência Estado

A Lei complementar 601/2017 estabelece que, ao ser constatada divergência entre o produto florestal identificado no certificado de identificação da madeira e o descrito na guia florestal, deve ser elaborado laudo oficial de constatação prévia por servidor do Indea/MT, que o remeterá ao órgão ambiental estadual, onde deverá ser averiguada a divergência. Somente após a comprovação da irregularidade entre o produto florestal efetivamente transportado e o descrito nos documentos, tanto pelo Indea/MT quanto pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente, é que poderá ser feita a apreensão.

“Esta Lei promoveu significativa redução na proteção ambiental conferida pelo ordenamento legislativo anterior, ao arrepio da Constituição Estadual e dos princípios que balizam o Direito Ambiental”, diz a Adin.

Segundo o MP, a alteração da forma de emissão do instrumento de controle representado pelo Certificado de Identificação de Madeira implica a perda da eficiência fiscalizatória e, consequentemente, expõe bens ambientais à ação lesiva de agentes predatórios. “Da forma como está posta, esta lei acaba por permitir que seja promovida extração de madeira indiscriminadamente, sem identificação das espécies florestais suscetíveis de corte e comércio previamente autorizados pelo órgão ambiental, provocando graves e imensuráveis danos ambientais. A norma ora atacada também violou o princípio da proibição de retrocesso ambiental”, argumentou.

O MPE sustenta, ainda, que no processo legislativo que culminou na aprovação da Lei complementar questionada não houve a apresentação de dados objetivos ou de estudos técnicos que justificassem a desnecessidade do certificado de identificação da madeira para produtos florestais que não fossem a madeira serrada bruta, configurando desrespeito ao princípio da precaução.

Pontuou ainda que a sequência de leis sobre o tema, sempre visando a flexibilização das normas gera a aparência que: "O Estado de Mato Grosso tenta, insistentemente e a todo custo, enfraquecer o sistema de controle ambiental realizado por meio da identificação das espécies florestais, exigindo a pronta atuação do Poder Judiciário para suspender os efeitos da Lei complementar estadual nº 601/2017 e evitar a prática de atos atentatórios ao meio ambiente”, defendeu o MPE. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sexta, 17 de agosto de 2018

18:57 - Raquel Dodge dá parecer contrário à soltura de irmãos Taques e Savi

16:21 - TRE nega pedido de Mendes para exonerar 20 assessores do governo

15:02 - Processo de deputado por agressão a jornalista será julgado na 1ª instância

13:26 - Justiça torna réu coronel que pressionava policiais a fazer sexo com ele

11:53 - TJ condena militar por estupro de vulnerável, roubo, sequestro e cárcere privado

11:46 - Selma Arruda consegue autorização judicial para acessar dados de pesquisa

09:54 - Justiça condena Juca do Guaraná a retirar gabinete itinerante de circulação

Quinta, 16 de agosto de 2018

19:50 - Justiça concede prisão domiciliar a empresário acusado sonegar ICMS

18:38 - Conenge Construção entra em recuperação judicial com dívida de R$ 11 mi

16:34 - Juíza manda Taques retirar vídeo considerado como propaganda ilegal


 veja mais
GDEnem

Cuiabá, Sábado, 18/08/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 18/08/2018
A44715be9e92a2b47e0133742ab836d2 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Conhecer o patrimônio financeiro dos candidatos é importante?




Logo_classifacil









Loja Virtual