TRT libera R$ 5 milhões a ex-empregados de frigorífico em recuperação judicial | Gazeta Digital

Segunda, 05 de fevereiro de 2018, 17h46

TRT libera R$ 5 milhões a ex-empregados de frigorífico em recuperação judicial

Redação do TRT


Após 8 anos, a Justiça do Trabalho em Mato Grosso conseguiu liberar aproximadamente R$ 5 milhões de verbas trabalhistas a ex-empregados do Frigorífico Vale do Guaporé, localizado na região de Pontes e Lacerda (442km a Oeste de Cuiabá). A empresa se encontra em recuperação judicial desde 2009.

As tentativas de conseguir os valores começaram em 2010 e envolveram uma batalha no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para determinar a competência sobre a venda do imóvel da empresa.

Divulgação

No curso do processo de recuperação judicial, a empresa encerrou suas atividades no município de Pontes e Lacerda, dispensou todos os empregados e passou a retirar máquinas, equipamentos e caminhões da unidade de produção. Cerca de 400 trabalhadores, que foram demitidos sem receber salários e outras verbas trabalhistas, ajuizaram ações na Justiça do Trabalho do município.

O processo parecia que iria ser resolvido logo no início, quando uma empresa arrematou, em um leilão da Vara de Pontes e Lacerda, o imóvel do frigorífico. A expectativa era que, com venda, todos os débitos fossem quitados. Mas nada disso aconteceu.

Isso porque, mesmo com a carta de arrematação, a empresa compradora do imóvel não conseguiu registrar o bem em seu nome e dele usufruir. O motivo era que aquele mesmo imóvel havia sido vendido nos autos do processo de Recuperação Judicial que tramita na Vara Cível de São José do Rio Preto/São Paulo.

A decisão da Justiça paulista determinava o cancelamento de todos os outros atos de vendas da propriedade, gerando um conflito de competência entre os dois ramos do judiciário. Para resolver o problema, a Vara de Pontes e Lacerda suscitou perante o STJ, sustentando que a competência para a venda do imóvel seria da Vara do Trabalho.

Segundo a juíza Michelle Saliba, titular da unidade mato-grossense, a penhora e a venda judicial dos bens no juízo trabalhista foi anterior à juízo da recuperação judicial e o produto da arrematação seria utilizado para o pagamento de créditos trabalhistas resultado de processos ajuizados após a homologação do plano de credores.

Após dois anos, a Corte Superior decidiu, por unanimidade, que a Vara do Trabalho era a competente pela destinação dos bens envolvidos no conflito. O processo, todavia, se arrastou ainda por mais três anos, até que ocorresse o trânsito o julgado.

Segundo a magistrada, o tema é relevante pois a decisão foi diferente, já que a jurisprudência do STJ, em diversos outros processos que tratam sobre o mesmo assunto, decide pela competência da Justiça Estadual.

Assim, serão pagos, primeiro, os créditos dos trabalhadores e honorários periciais, prioridades por serem de natureza alimentícia e cujo montante totaliza R$ 4,6 milhões de reais. O restante será utilizado para quitar as demais verbas, como as contribuições previdenciárias, imposto de renda e custas judiciais. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 17 de maio de 2018

13:59 - Juíza mantém válida eleição do Sincofarma, que havia sido anulada pela Fecomércio

11:45 - Trabalhadora perde direito à estabilidade por não avisar que estava grávida

Quarta, 16 de maio de 2018

13:32 - Itaú é condenado a pagar tempo gasto por trabalhador em treinamentos fora do expediente

Domingo, 13 de maio de 2018

11:34 - TRT condena frigorífico a pagar danos futuros a trabalhadora com depressão

11:19 - Cozinheira demitida na gravidez consegue estabilidade após ação

Terça, 08 de maio de 2018

14:08 - Edital do TRT convoca entidades para receber recursos oriundos de condenações

13:56 - Prefeitura de VG assina acordo para melhorar condições de trabalho no Pronto Socorro

Segunda, 07 de maio de 2018

11:30 - Um acidente de trabalho é registrado a cada 52 minutos em Mato Grosso

Sexta, 04 de maio de 2018

15:33 - Assaí Atacadista é condenado por perseguir, humilhar e xingar funcionários

Quinta, 03 de maio de 2018

13:39 - MPT ajuíza ação contra Atacadão por alvará do Corpo de Bombeiros vencido


// leia também

Sábado, 19 de maio de 2018

10:58 - Justiça retira estabilidade de mais um servidor da Assembleia

Sexta, 18 de maio de 2018

19:08 - TJ livra gestora de pagar R$ 1 milhão por aluguel do Hospital Jardim Cuiabá

17:15 - Policiais militares são afastados por causa de sexo e bebida com menores

16:31 - Supremo nega recurso do conselheiro Novelli e mantém afastamento do TCE

15:30 - Chefe do MP é contra votação na Assembleia para tirar Savi da cadeia

10:34 - TJ pede restituição de valor pago indevidamente à juíza Selma Arruda

10:21 - Ninguém é denunciado sem que haja elementos mínimos, rebate Curvo

09:51 - Desembargador Sebastião Barbosa fica responsável por ação da Bereré

08:26 - Justiça nega fim de tornozeleira para político que queria passear por Florais

08:02 - Eder denuncia ameaça de morte e crimes no Ministério Público


 veja mais
Cuiabá, Domingo, 20/05/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Domingo, 20/05/2018
Af7895dd5d44ae30a0df41bad44cfd58 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O que esperar das eleições presidenciais na Venezuela neste domingo?




Logo_classifacil









Loja Virtual