Pedido de soltura de Zaqueu e Gerson serão julgados na sexta | Gazeta Digital

Quarta, 07 de fevereiro de 2018, 10h22

POLíTICA DE MT

Pedido de soltura de Zaqueu e Gerson serão julgados na sexta

Celly Silva, repórter do GD


O juiz Murilo Moura Mesquita, da 11ª Vara Criminal Militar, dará início na próxima sexta-feira (9), às 8h30, às audiências de instrução e julgamento de quatro coronéis e um cabo da Polícia Militar acusados de participar do esquema de interceptação telefônica ilegal e obstrução à justiça no caso, que ficou conhecido como “grampolândia pantaneira”.

São réus na ação penal, que tramita em sigilo, os coronéis Zaqueu Barbosa (ex-comandante geral da PM), Evandro Alexandre Ferraz Dias Lesco (ex-chefe da Casa Militar), Ronelson Jorge de Barros (ex-adjunto da Casa Militar), Januário Antônio Edwiges Batista (ex-comandante do 4º BPM) e o cabo Gerson Luiz Ferreira Corrêa Júnior (ex-investigador de inteligência no Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado).

Chico Ferreira/Alan Cosme/Hipernotícias

Coronel Zaqueu e cabo Gerson terão pedidos de soltura analisados na sexta

Nesta primeira audiência, serão ouvidas testemunhas de acusação. Também será deliberado pelo magistrado e pelo Conselho Especial de Justiça, composto por coronéis da PM, os pedidos de liberdade de Zaqueu Barbosa e Gerson Corrêa, que foram os primeiros a serem presos após surgido o escândalo, em maio do ano passado.Os julgadores também vão deliberar sobre os pedidos de revogação de medidas cautelares.

Tendo como um dos investigados o governador Pedro Taques (PSDB), o escândalo dos grampos foi parar no Superior Tribunal de Justiça (STJ) em setembro do ano passado, sob a relatoria do ministro Mauro Campbell. Mas em dezembro, ele determinou a remessa dos autos relativos aos acusados sem foro privilegiado para as respectivas instâncias. Os militares são julgados na Vara Militar, na Justiça estadual.

O caso veio a tona em maio do ano passado, quando o promotor de Justiça Mauro Zaque denunciou em rede nacional o esquema de espionagem clandestina por meio da chamada “barriga de aluguel”, que é a inserção de números de telefones de pessoas inocentes em ações judiciais de interceptação telefônica para monitorar criminosos. Foi o que aconteceu com centenas de pessoas, incluindo políticos, jornalistas, advogados e profissionais liberais, especialmente que atuavam na oposição ao atual governo.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sexta, 23 de fevereiro de 2018

09:08 - Estado aluga imóvel por R$ 9 milhões sem licitação

Quarta, 21 de fevereiro de 2018

08:53 - Desembargador mantém prisão do cabo Gerson para proteger testemunhas

Terça, 20 de fevereiro de 2018

11:05 - Estado quer trocar dívida de banco americano com Banco Mundial

08:44 - Sargento chora e defende o cabo Gerson; 'Era um bom profissional' - fotos e vídeo

Sexta, 16 de fevereiro de 2018

09:21 - Preso por grampos, cabo Gerson pede liberdade e aponta falta de isonomia

Quinta, 15 de fevereiro de 2018

16:30 - Ministro do STJ permite que casal Lesco volte a manter contato

Quarta, 14 de fevereiro de 2018

10:19 - Juiz interroga mais testemunhas contra militares envolvidos com grampos

Segunda, 12 de fevereiro de 2018

17:27 - Justiça pede intervenção federal em MT; PGE diz que pagou dívida e pedido é incabível

Sexta, 09 de fevereiro de 2018

20:03 - MP quer manutenção de prisões de militares envolvidos na grampolândia

19:29 - Defesa contesta liberdade do coronel Zaqueu por 'ter mais crimes'


// leia também

Sábado, 24 de fevereiro de 2018

15:20 - TJ autoriza entrada de crianças e adolescentes com jogadores no Fla-Flu

13:48 - TAM é condenada a indenizar funcionário obrigado a transportar valores sem segurança

13:41 - TRT anula multa aplicada a empresa que não preenchia cota de deficientes

09:45 - Governo de MT paga dívida e STF descarta intervenção no Estado

07:29 - Ministro manda PF periciar documentos apreendidos na empreiteira da família Avalone

Sexta, 23 de fevereiro de 2018

13:32 - Assembleia que afastou presidente da Fecomércio é anulada pela Justiça

10:30 - Gaeco e Defaz começam interrogar 240 testemunhas sobre desvios no Detran

07:59 - João Emanuel vai ao Supremo para afastar juíza Selma

07:35 - STF autoriza investigação contra Bezerra por suspeita de fraude em licitação

Quinta, 22 de fevereiro de 2018

17:04 - Raquel Dodge pede a junção das delações de Silval e familiares


 veja mais
Cuiabá, Domingo, 25/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Domingo, 25/02/2018
39b9c063e83a7a7ffb2f5dc9ad998ca8 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Lei municipal permite que ruas sem saída em Cuiabá sejam fechadas por moradores




Logo_classifacil









Loja Virtual