Procuradora confirma que Chico Lima fez delação premiada - veja documento | Gazeta Digital

Quarta, 07 de fevereiro de 2018, 11h42

veja documento

Procuradora confirma que Chico Lima fez delação premiada - veja documento

Celly Silva, repórter do GD


Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o Chico Lima, ex-procurador-geral do Estado durante a gestão de Silval Barbosa, firmou acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal (MPF), como vinha sendo especulado pela mídia há meses. 

João Vieira

Procurador aposentado Francisco Lima

A confirmação do acordo consta em um ofício encaminhado pela procuradora da República Vanessa Christina Zago ao então procurador-geral da República Rodrigo Janot, em 24 de julho do ano passado, ao qual o Gazeta Digital teve acesso.

Conforme apurado, o caso tramita em sigilo no Supremo Tribunal Federal (STF). Não há confirmação sobre a homologação ou não do acordo. No dia 27 de julho de 2017, conforme divulgou o Gazeta Digital, o advogado de Chico Lima foi questionado pela juíza Selma Arruda, da 7ª Vara Criminal, durante uma audiência, se o acordo já havia sido homologado. A resposta foi de que ainda não havia nada fechado. 

Leia também - Juíza pergunta sobre delação de Chico Lima

O documento tramitou no mesmo inquérito que trata sobre a delação premiada do ex-governador Silval Barbosa, que conta com investigações realizadas pela Polícia Federal, no âmbito da Operação Ararath, coordenadas pelo delegado federal Wilson Rodrigues.

Reprodução

As suspeitas sobre a delação premiada de Chico Lima surgiram em julho de 2017, quando o ex-comparsa de Silval em diversos esquemas de corrupção, mudou sua banca de defesa, passando a ser assessorado pelos advogados Marcelo Neves e Rafael Faria, do Rio de Janeiro, e iniciando uma série de confissões nas ações penais referentes às operações Sodoma e Seven, na 7ª Vara Criminal.

Antes, ele contava com os advogados João Nunes da Cunha Neto e Otávio Gargaglione e insistia na estratégia de negar as acusações do Ministério Público Estadual.

Até o momento, o procurador aposentado foi condenado a 15 anos de prisão, na primeira fase da operação Sodoma, que apurou fraudes em incentivos fiscais concedidos às empresas de João Batista Rosa, dono da Tractor Parts. Na sentença, proferida em 15 de dezembro de 2017, a juíza Selma Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, destacou a ganância de Francisco Lima Filho, lembrando que durante o andamento processual, ele foi citado por outros réus que os membros da organização criminosa instalada no governo deveria tomar cuidado com ele porque senão, venderia até mesmo o Estado.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Terça, 22 de maio de 2018

14:03 - MPE denuncia prefeito de Alta Floresta por dispensa indevida de licitação

12:18 - Por unanimidade, TCE mantém suspenso pagamento da RGA aos servidores

11:35 - Selma critica vazamento de decisão sobre fim de escolta policial e recorre

10:09 - Alvo do Gaeco é responsável pelos projetos Assembleia Itinerante e Vem pra Arena

09:43 - Perigos enfrentados por juízes do trabalho em Mato Grosso são citados pela imprensa nacional

08:42 - Casa de Guimarães é alvo do Gaeco por desvios de recursos estaduais

08:25 - STF notifica Pedro Taques para repassar duodécimo atrasado à Defensoria

08:14 - MPE investiga empresa e autoridades por desvios no TCE

07:54 - Eder Moraes denuncia crimes e afirma que promotor tem 'problema mental'

Segunda, 21 de maio de 2018

18:10 - Juíza Selma considera suspensão de escolta 'desproporcional' e vai recorrer


 veja mais
Cuiabá, Terça, 22/05/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 22/05/2018
0f65f11e2004b62e37dcf52875f1521b anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Você contribuiria com a campanha de algum candidato por meio da vaquinha virtual?




Logo_classifacil









Loja Virtual