CGE intima empresas citadas por Silval Barbosa em fraudes e propina do VLT | Gazeta Digital

Quinta, 01 de março de 2018, 15h33

lavagem de dinheiro

CGE intima empresas citadas por Silval Barbosa em fraudes e propina do VLT

Celly Silva, repórter do GD


A Controladoria Geral do Estado (CGE) intimou os representantes de 3 empresas delatadas pelo ex-governador Silval Barbosa para apresentarem defesa escrita e provas nos processos administrativos de responsabilização (PARs) a que respondem por suspeita de fraudes em contratos ligados ao Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Chico Ferreira

As citadas Constil Construções e Terraplenagem Ltda, Multimetal Engenharia de Estruturas Ltda (atual Indústria Metalúrgica BL Steel Ltda) e a Todeschini Construções e Terraplanagem Ltda EPP, tem o prazo de 30 dias para se manifestarem nos autos, mas os editais publicados no Diário Oficial do Estado (DOE), no último dia 22, adiantam que os processos terão continuidade mesmo se as empresas não se apresentarem. Os editais são assinados pelo presidente dos processos de responsabilização, Jonas Ferreira da Silva.

Conforme o Gazeta Digital já divulgou anteriormente, o PAR tem o objetivo de apurar supostas irregularidades apontadas em auditorias realizadas previamente pela CGE e confirmadas com a delação do ex-governador Silval Barbosa, como o pagamento de propinas milionárias em troca de contratos com o Estado.

Leia também - Depoimentos de Silval à CGE respingam em 106 empresas e vários servidores

Caso as acusações sejam confirmadas, as empresas podem ser penalizadas com o pagamento de multa até 20% do faturamento bruto do ano anterior à instauração do processo (o que ocorreu em 2017) e serem declaradas inidôneas, o que as impede de contratar novamente com o Poder público.

Os processos estão ligados à operação Descarrilho, deflagrada em setembro do ano passado pela Polícia Federal, que aponta o envolvimento de políticos e empresários em fraude à licitação e contratos do VLT, obra orçada inicialmente em R$ 1,4 bilhão.

Dentre as fraudes delatadas por Silval Barbosa e seu ex-chefe da Casa Civil Pedro Nadaf, está o pagamento de propina de R$ 18 milhões, cobrado pelo então governador de cada empresa membro do Consórcio VLT, além de 3% sobre o montante contratado, o que seria pago mediante medições realizadas no decorrer das obras.

João Vieira

Ex-governador Silval Barbosa

Leia também - Construtoras 'lavaram' R$ 18 milhões para quitar dívida de campanha de Silval

Conforme apurado, os pagamentos ilícitos ocorreram por meio da subcontratação, pelo Consórcio VLT Cuiabá – Várzea Grande, de empresas ligadas ao empresário João Carlos Simoni, a Cohabita Construções Ltda, a Constil e a Todeschini, que receberia valores a mais pelos serviços prestados, com o suposto fim de cobrir a quantia necessária de propina destinada para pagamento de dívida de campanha eleitoral.

Conforme a delação de Silval, o empresário João Carlos Simoni teria entrado no esquema porque contraiu empréstimos junto ao Banco Rural para pagar dívidas remanescentes da eleição de 2010, quando Silval Barbosa foi eleito governador.

A Multimetal também entrou no esquema de forma semelhante às empresas de Simoni, tenso sido subcontratada pelo Consórcio VLT e recebido o montante de R$ 11,5 milhões em suposta vantagem indevida, mediante antecipação do cronograma de obras, o que resultou na entrega dos vagões do VLT muito tempo antes da conclusão das obras. Auditorias da Controladoria Geral do Estado apontaram que foram cerca de R$ 253 milhões pagos antecipadamente.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 11 de junho de 2018

13:15 - Silval depõe na Justiça Federal e nega fraudes na licitação do VLT - veja vídeo

Quarta, 06 de junho de 2018

15:00 - Silval sugere que Taques seja processado por atrasos em obras - veja vídeo

Quinta, 08 de março de 2018

09:05 - Tribunal de Contas da União determina auditoria no contrato do VLT

Terça, 06 de março de 2018

11:39 - Silval Barbosa e Maurício Guimarães depõem sobre fraudes no VLT

Segunda, 26 de fevereiro de 2018

08:40 - Silval desiste de Maluf e Sérgio Ricardo como defesa em ação de R$ 148 mi

Sexta, 09 de fevereiro de 2018

11:30 - Em meio à briga judicial, Estado vai retomar edital para concluir o VLT

Terça, 06 de fevereiro de 2018

15:53 - Governo mantém rescisão unilateral com o Consórcio VLT

Quinta, 25 de janeiro de 2018

14:04 - Decisão do TJ não muda situação do empacado VLT

Terça, 23 de janeiro de 2018

13:06 - Desembargadora anula rescisão de contrato entre Estado e Consórcio VLT

Quarta, 10 de janeiro de 2018

15:14 - Comissão tem 60 dias para elaborar edital para retomada do VLT


// leia também

Domingo, 17 de junho de 2018

11:40 - Metalúrgica de Alta Floresta é condenada por trabalho infantil

11:31 - Menor que trabalhava como mecânico de automóveis receberá R$ 10 mil em indenização

11:21 - Rede de supermercados é condenada em R$ 5 milhões por descumprir normas

11:19 - Ex-gerente consegue rescisão indireta após excesso em cobrança de metas

10:51 - Estado não pode transferir recursos aos municípios a partir de 7 de julho

10:45 - MP recomenda que empresas informem contratação de painéis publicitários

Sexta, 15 de junho de 2018

16:03 - Ministra do STJ nega mais um pedido de liberdade ao deputado Mauro Savi

13:30 - Quatro anos após ameaças, procuradores da Ararath ainda vivem sob escolta

11:39 - Vereador aciona Selma e Pedro Taques para revogar escolta

10:38 - Ministra do STJ mantém prisão do ex-secretário Paulo Taques


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 18/06/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 18/06/2018
4e47432e5d7c10f8cc440c97a233c10f anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Canarinho Pistola, mascote da seleção brasileira, foi vetado dos jogos da Copa




Logo_classifacil









Loja Virtual