Estado prorroga processo contra a Consignum por mais 6 meses | Gazeta Digital

Quinta, 01 de março de 2018, 17h01

pagou propina a silval

Estado prorroga processo contra a Consignum por mais 6 meses

Celly Silva, repórter do GD


O Estado prorrogou por mais 180 dias o prazo de conclusão do Processo Administrativo de Responsabilização (PAR) que tramita contra a empresa Consignum Gestão de Margem Consignável, envolvida em esquema de propina durante a gestão do ex-governador Silval Barbosa. O prazo passa a contar a partir de 26 de janeiro deste ano.

João Vieira

A portaria nº 42/2018, em que consta a prorrogação, foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) do último dia 23 e é assinada pelo secretário de Estado de Gestão Júlio Modesto e pelo controlador-adjunto de Controle Preventivo José Alves Pereira Filho.

A dilatação do prazo da apuração atendeu ao pedido da comissão que atua no processo e também ao princípio do contraditório e da ampla defesa, ou seja, para não atrapalhar a empresa em seu direito de ter um julgamento correto. Os atos já praticados até o momento foram convalidados na portaria.

Alvo da Sodoma

O processo corria desde 2016, ano em que o empresário Willians Mischur, dono da Consignum foi alvo da operação Sodoma, chegou a ser preso sob acusação de pagar propina mensal de R$ 500 mil à organização criminosa liderada pelo ex-governador Silval Barbosa, em troca de manter seu contrato de gerenciamento de empréstimos consignados oferecidos aos servidores públicos do Executivo estadual. Posteriormente, ele passou a figurar como vítima na ação penal que tramita na 7ª Vara Criminal de Cuiabá.

Naquele ano, o contrato da Consignum com o Estado foi suspenso e, desde dezembro de 2016, a Secretaria de Estado de Gestão passou a oferecer uma nova plataforma de consignados para os servidores. Atualmente, a empresa não é mais conveniada com a Administração estadual.


Willians Mischur, dono da Consignum

Investigações feitas pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração pública (Defaz) e pelo Ministério Público Estadual (MPE) apontaram que a organização criminosa chegou a receber quase R$ 18 milhões em propina da Consignum.

Em sua delação premiada firmada com o Ministério Público Federal (MPF), Silval Barbosa confessou que usou o dinheiro que recebia para comprar várias concessões de rádios no interior de Mato Grosso e de São Paulo.

Outro réu que confessou ter sido beneficiado indevidamente foi o ex-secretário de Estado de Administração César Zílio, que comprou um terreno de R$ 13 milhões na Avenida Beira Rio, no bairro Grande Terceiro em Cuiabá, usando como “testa-de-ferro’ o arquiteto José da Costa Marques. Todos se tornaram delatores no processo.  

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sexta, 08 de junho de 2018

16:55 - Ex-secretário Marcel de Cursi é ouvido sobre fraudes em incentivos

Segunda, 04 de junho de 2018

11:33 - Falta de tornozoleiras no DF beneficia réu de MT

10:40 - Quase 2 anos e 3 meses após decisão, ex-secretário segue sem tornozeleira

Quarta, 23 de maio de 2018

08:39 - Silval está inconformado com pena de 14 anos de prisão e apela de condenação

Sexta, 11 de maio de 2018

13:30 - Ex-governador Silval Barbosa agiu como 'sócio das receitas do Estado'

12:00 - Propina, caixa 2 e compra de gado resultaram na condenação de Silval e mais 15 réus

08:40 - Silval, Riva, Nadaf e mais 12 são condenados por corrupção; veja as penas de cada um

Terça, 24 de abril de 2018

10:04 - Juíza manda MST desocupar fazenda de Silval entregue em delação

Sexta, 13 de abril de 2018

07:15 - Polícia investiga membros por vazamentos de operação que prendeu Silval

Quarta, 28 de março de 2018

18:42 - Dono de mansão de R$ 5 mi pede justiça gratuita


// leia também

Sexta, 22 de junho de 2018

12:00 - Após anunciar desistência, conselheiro tenta liberar aposentadoria

10:55 - Ministério Público investiga pagamentos a servidor morto há 28 anos

07:35 - Índias suspeitas de enterrar bebê vivo vão usar tornozeleiras

Quinta, 21 de junho de 2018

10:18 - STJ nega liberdade a empresário acusado de lavar dinheiro da Bereré

07:14 - Juiz da 7ª Vara fica com ação contra Maggi por compra de vaga no TCE

Quarta, 20 de junho de 2018

18:14 - TJ nega liberdade a acusado de desviar R$ 23 milhões de cooperativa

16:55 - Eder Moraes tacha delação de Silval como 'sorrateira' e forjada com aliado

13:39 - Juiz nega pedido para João Arcanjo visitar shopping

13:35 - Governador diz confiar no Judiciário e não comenta prisão de Paulo Taques

11:19 - TCE mantém suspensa licitação de R$ 202 milhões para construir pontes


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 22/06/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Sexta, 22/06/2018
Af26a0a03727faf425edeb0c3956f831 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O que os eleitores vão depositar nas urnas em outubro?




Logo_classifacil









Loja Virtual