Tribunal julga sindicância contra Selma e juiz acusado de fraudar processo | Gazeta Digital

Quarta, 07 de março de 2018, 09h05

sindicância e pad

Tribunal julga sindicância contra Selma e juiz acusado de fraudar processo

Arthur Santos da Silva, repórter do GD


O Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) retoma na quinta-feira (7) os julgamentos da sindicância contra a juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane Arruda, e o processo administrativo disciplinar (PAD) contra o juiz Flávio Miraglia Fernandes.

João Vieira

O procedimento contra Selma atende pedido do advogado Francisco Faiad, ex-presidente da Ordem dos advogados em Mato Grosso e réu em processo na Vara Contra o Crime Organizado.

Sindicância é uma peça preliminar e informativa que pode gerar um processo administrativo disciplinar. Faiad apontou que Selma cometeu diversas infrações ao Código de Ética da Magistratura Nacional e à Lei Orgânica da Magistratura (Loman), como quebra do dever de imparcialidade, emissão de juízo depreciativo sobre decisão judicial, manifestação de opinião sobre processo em andamento, criminalização da advocacia (ofensa à classe), comportamento imprudente perante a imprensa, autopromoção e busca de reconhecimento com pretensões política.

No dia 8 de fevereiro, 15 desembargadores votaram pelo arquivamento da sindicância. O fim do procedimento foi adiado por pedido de vista do desembargador Marcos Machado.

Marcus Vaillant

O PAD contra Flávio Miraglia foi instaurado pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, a época Paulo da Cunha, por meio de uma portaria de 24 de agosto de 2016, com lastro na decisão proferida pelo Tribunal Pleno, na sessão extraordinária realizada em 12 de maio de 2016.

O referido processo foi instaurado com a finalidade de apurar indícios de desvio de conduta funcional do magistrado. Há nos autos dois grupos de irregularidades. “Faltas e irregularidades no âmbito administrativo da Primeira Vara Cível da Comarca, uma vez que o Magistrado era o gestor da unidade judiciária” e “falhas e irregularidades ocorridas no âmbito judicial”.

No 1º grupo de irregularidades está o suposto acúmulo de mais de 10 mil cartas precatórias com atraso no seu devido cumprimento; falta de controle dos mandados distribuídos; não lançamento das decisões judiciais no sistema Apolo; discrepância entre os processos físicos e virtuais; existência de cartas precatórias outrora já cumpridas, mas pendentes de devolução; existência de inúmeras outras falhas, falta descontrole de prazos, processos movimentados de forma incorreta, demonstrando falta de gestão adequada.

Quanto ao segundo grupo, estão irregularidades na condução da ação de falência da empresa Cotton King, do ramo têxtil. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 14 de junho de 2018

16:03 - TJ volta adiar julgamento contra o juiz Flávio Miraglia

Quinta, 14 de dezembro de 2017

17:35 - Oito desembargadores votam pela aposentadoria compulsória de juiz

Sexta, 27 de outubro de 2017

11:11 - Cinco desembargadores votam para condenar juiz, mas julgamento é adiado

Quinta, 13 de julho de 2017

14:48 - Juiz suspeito de vender sentenças é intimado a se defender em PAD

Segunda, 12 de setembro de 2016

16:06 - Presidente do TJ instaura PAD contra juiz Flávio Miraglia

Quinta, 12 de maio de 2016

15:37 - TJ instaura PAD, mas não afasta juiz Flávio Miraglia

Quinta, 28 de abril de 2016

14:38 - 16 magistrados votam para afastar juiz Flávio Miraglia


// leia também

Sábado, 23 de junho de 2018

08:20 - Ex-deputado nega propina, mas não explica dinheiro que recebeu e guardou em pasta

Sexta, 22 de junho de 2018

16:52 - Família de servidor dado como 'morto' se revolta e quer processar o MP

16:25 - Pressionados, procuradores ingressam com 4º pedido por liberdade de Savi

12:00 - Após anunciar desistência, conselheiro tenta liberar aposentadoria

10:55 - Ministério Público investiga pagamentos a servidor morto há 28 anos

07:35 - Índias suspeitas de enterrar bebê vivo vão usar tornozeleiras

Quinta, 21 de junho de 2018

10:18 - STJ nega liberdade a empresário acusado de lavar dinheiro da Bereré

07:14 - Juiz da 7ª Vara fica com ação contra Maggi por compra de vaga no TCE

Quarta, 20 de junho de 2018

18:14 - TJ nega liberdade a acusado de desviar R$ 23 milhões de cooperativa

16:55 - Eder Moraes tacha delação de Silval como 'sorrateira' e forjada com aliado


 veja mais
Cuiabá, Domingo, 24/06/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Domingo, 24/06/2018
264aa11e3277d28a72d32c9ea77980c2 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual sua opinião sobre o comportamento dos brasileiros fora do Brasil?




Logo_classifacil









Loja Virtual