Quarta, 11 de janeiro de 2017, 15h38

TCE vê R$ 1,2 bi subestimado no orçamento

Redação do GD


O Tribunal de Contas do Estado (TCE) encaminhou notificação a Assembleia Legislativa na qual alerta a respeito da suspeita de que a Lei Orçamentária Anual (LOA) que estima a receita e fixa a despesa do Estado em R$ 18,4 bilhões, estaria subestimada em sua previsão de despesas de caráter obrigatório na ordem de R$ 1,2 bilhão.

Marcos Bergamasco

Alerta de subestimação do orçamento foi feita pelo conselheiro Antônio Joaquim. 

O orçamento do Estado deverá ser aprovado pelos deputados estaduais na tarde desta quarta-feira (11) em sessão extraordinária que será realizada a partir das 17h.

O documento tem como anexos ofícios enviados pelo TCE no dia 6 de dezembro do ano passado aos então secretários de Estado de Planejamento e Fazenda, respectivamente, Gustavo Pinto Coelho de Oliveira e Seneri Paludo.

Na ocasião, o Tribunal de Contas cobrou dessas autoridades esclarecimentos sobre a metodologia e as memórias de cálculo utilizadas na elaboração da proposta da LOA 2017, inclusive apontando as possíveis diferenças entre a previsão na LOA e a projeção de execução nas rubricas Pessoal e Encargos Sociais, Juros e Encargos da Dívida e Amortização da Dívida.

A hipótese de subestimação das despesas de caráter obrigatório foi detectada após cruzamentos de dados e informações realizados pela unidade de inteligência do TCE.

Essa unidade trabalha com projeções e levantamentos para instruir auditorias e fiscalizações concomitantes e/ou preventivas. A hipótese de subestimação foi levantada, inicialmente, para subsidiar os trabalhos realizados por Comissão Técnica de Auditores, que realiza o acompanhamento do fluxo de caixa da receita pública estadual.

Pela projeção feita pelos auditores do núcleo de inteligência, a Lei Orçamentária Anual de 2017 deveria prever despesas com pessoal, encargos sociais, juros, encargos da dívida e amortização da dívida na ordem de R$ 11,7 bilhões, mas a proposta orçamentária entregue na Assembleia Legislativa totaliza despesas em R$ 10,5 bilhões - uma possível diferença na ordem de R$ 1,2 bilhão. A Seplan e a Sefaz não informaram o TCE-MT, após o ofício de 6 de dezembro, se houve correção na peça orçamentária.

O presidente do TC, conselheiro Antônio Joaquim, tem dito que o novo modelo de fiscalização obriga o Tribunal de Contas a atuar preventivamente, contribuindo para que se evitem falhas ou situações difíceis de serem reparadas". "O momento para fazer correções e evitar eventuais erros é agora, durante o debate da lei orçamentária", ressaltou o conselheiro Antonio Joaquim. 



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 12 de janeiro de 2017

15:41 - AL aprova LOA com emendas

Quarta, 11 de janeiro de 2017

17:16 - LOA 2017 passa por 1º votação sem aprovação da RGA

Quinta, 06 de outubro de 2016

09:56 - Casa Civil, Seplan e Sefaz terão corte no orçamento


// leia também

Quarta, 18 de janeiro de 2017

19:48 - Governo paga 2ª parcela da RGA na folha de janeiro

19:46 - Silval nega extorsão; Nadaf confirma pagamento de R$ 200 mil

19:41 - Governadores assinam acordo que garante ações nas fronteiras

10:52 - Ministro visitará UPA Ipase e prefeita cobrará recursos

10:31 - Ex-líder de Mauro Mendes ganha cargo no 2º escalão

10:05 - DEM cobra cargos e quer Jayme conselheiro de Taques

08:54 - Taques garante R$ 70 milhões para a Unemat

08:49 - Emanuel nomeia 174 novos funcionários em Cuiabá

08:30 - Fávaro deixa Sema; PSD e PSB duelam espaços

Terça, 17 de janeiro de 2017

15:29 - AL aguarda R$ 34 mi em emendas até março


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 19/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Quinta, 19/01/2017
Ec69db7f124eb8fa9b6b22fee564a7d8 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,2193 +0,25%
Ouro - BM&F (à vista) 125,00 +0,81%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Uma lei municipal de 2016 determina que todos os assentos do transporte coletivo de Cuiabá são preferenciais para idosos, gestantes e deficientes. Você concorda com isso?



Logo_classifacil