Reuniões da CPI serão parcialmente fechadas à população | Gazeta Digital

Domingo, 03 de dezembro de 2017, 09h10

Política de MT

Reuniões da CPI serão parcialmente fechadas à população

Janaiara Soares, repórter de A Gazeta


Os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó definiram na última semana que as oitivas da investigação devem acontecer em sessões secretas. Os vereadores de oposição na Câmara de Cuiabá se manifestaram contra o entendimento de proibir a população e imprensa de acompanhar as audiências.

João Vieira

Reuniões da CPI do Paletó serão parcialmente fechadas à população 

“Qualquer decisão que venha restringir a publicidade e até a transparência dos atos públicos tem que ser fundamentada. Não dá para deliberar sigilo só por conveniência, tem que ser fundamentado. Tem que ter o controle social e acompanhamento da imprensa”, disse o vereador Diego Guimarães (PP), que não descarta a possibilidade de entrar na justiça para reverter a decisão.

Na primeira reunião dos membros também ficou definido que as sessões administrativas ocorreram todas às quartas-feiras, sendo restritas aos membros da CPI para definição de estratégias e delibera- ções de pautas. As reuniões ordiná- rias serão abertas, com presença de vereadores e público em geral às sextas-feiras. Porém, as oitivas serão somente para vereadores e servidores que estarão trabalhando. Além disso, ficou vedada a gravação de vídeo nas sessões.

O grupo de nove vereadores que assinaram previamente o pedido de investigação ainda avalia se entra na Justiça para conseguir mudar a composição da CPI, que tem como relator e membro, 2 parlamentares da base do prefeito: Adevair Cabral (PSDB) e Mário Nadaf (PV). A investigação foi proposta por Marcelo Bussiki (PSB) e visa investigar a conduta do prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB), filmado na época que era deputado estadual recebendo maços de dinheiro e guardando no paletó. O ex-governador Silval Barbosa afirmou em delação premiada que o dinheiro era propina paga por ele em troca de apoio político na Assembleia Legislativa.

O vereador Toninho de Souza (PSD) disse ser contra as oitivas fechadas. “É a primeira vez que uma investigação será feita fechada dentro da Câmara. Os vereadores da base do prefeito estão mostrando para que vieram. O que nós queremos é o esclarecimento e, de portas fechadas, se transmite uma imagem negativa, porque o que a população quer saber, tanto do Silval quanto do Silvio César Correa Araújo [ex-chefe de gabinete do ex-governador], é porque o Emanuel estava recebendo aquele dinheiro”, defendeu.
 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Segunda, 23 de abril de 2018

17:55 - Cidinho Santos quer substituir prisão preventiva por frequência escolar

17:24 - Taques diz que para decidir se vai se candidatar à reeleição 'só falta decisão'

16:22 - Partido Novo pretende lançar 16 candidatos a deputado federal e senador

14:49 - Emanuel anuncia ex-secretário de Silval na Procuradoria-Geral de Cuiabá

12:05 - Sachetti diz que trabalhará candidatura de oposição ao governo Taques

Domingo, 22 de abril de 2018

08:58 - 'Vamos votar para tirar políticos indesejáveis do Estado', propõe Zeca Viana

Sábado, 21 de abril de 2018

20:36 - Pivetta dispara contra Taques e o chama de 'vagabundo, mentiroso e mau caráter' - ouça

16:23 - Governo 'esquece' convênio e reabertura da Salgadeira é adiada outra vez

08:00 - Estado deve R$ 100 milhões à Assembleia de duodécimo atrasado

Sexta, 20 de abril de 2018

16:25 - Procuradoria emite 2 pareceres contraditórios sobre vereador presidir Intermat


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 23/04/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 23/04/2018
341f42bd8a1ff7d0703a6e07e44980a2 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Brasil deveria fechar a fronteira com a Venezuela?




Logo_classifacil









Loja Virtual