Ezequiel Fonseca nega esquema de notas frias na Assembleia | Gazeta Digital

Quarta, 07 de fevereiro de 2018, 16h59

depoimento à pf

Ezequiel Fonseca nega esquema de notas frias na Assembleia

Celly Silva, repórter do GD


Indiciado no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de compor esquema de desvio de recursos da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), o deputado federal Ezequiel Fonseca (PP) negou ter utilizado notas fiscais falsas para receber verba indenizatória ou suprimento de fundos da ALMT, no período em que lá atuou, entre 2011 e 2014.

Divulgação

Ezequiel Fonseca no período em que era deputado estadual

Naquela época, os gastos dos parlamentares eram ressarcidos mediante a apresentação de notas fiscais e suas respectivas prestações de contas.

Em depoimento prestado na sede da Polícia Federal em Brasília (DF), no dia 7 de dezembro do ano passado, ao qual o Gazeta Digital teve acesso, Fonseca afirmou que nunca ouviu falar, não conhece e nunca teve contato com Vinicius Prado Silveira e Gabriela Brito Silveira de Oliveira e nem a empresa GB de Oliveira Comércio, que consta nas investigações como emissora de dezenas de notas frias para gabinetes de deputados da legislatura passada.

Vinicius Prado Silveira foi ouvido duas semanas antes de Ezequiel Fonseca, na sede da PF em Cuiabá. Ele é ex-servidor da Assembleia Legislativa e réu na operação Metástase, deflagrada em setembro de 2015 pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), quando chegou a ser preso.

Em relação às notas emitidas em favor do gabinete de Ezequiel Fonseca, ele afirmou que recebia orientações e repassava as notas para a chefe de gabinete de nome “Joyce”, a quem o parlamentar confirmou ter sido sua funcionária, sem se recordar em qual período de seu mandato, já que chegou a ter 3 chefes de gabinetes diferentes. Conforme o deputado, eles eram os responsáveis pelos procedimentos de prestações de contas e ressarcimentos, os quais negou ter destruído.

Entenda o esquema

Conforme explicou o delator Vinicius Silveira ao Gaeco e à Polícia Federal, ele foi servidor na Assembleia Legislativa entre 1997 até 2014 e que no final de 2011 foi procurado por Geraldo Lauro, então chefe de gabinete do então presidente da Casa José Riva.

Geraldo teria lhe proposto a emissão de notas fiscais frias, ou seja, sem entrega de mercadoria ou de serviço em troca, para que fossem utilizadas na prestação de contas dos suprimentos de fundos e verbas indenizatórias parlamentares. Em troca, Vinicius ficaria com 10% dos valores das notas.

Vinicius contou que aceitou após conversar com o contador Hilton Carlos da Costas Campos, que lhe explicou que era possível atender ao pedido de Geraldo Lauro já que ele possuías duas empresas, porém, orientou que ele abrisse outras duas, em nome de Vinicius e sua esposa, Gabriela.

As notas fiscais frias passaram então a ser emitidas pelas empresas de “fachada” G B de Oliveira Comércio e V P S Comércio. Os documentos relativos ao gabinete de José Riva eram repassados a Geraldo Lauro e da mesma forma, outros gabinetes também tinham seus respectivos servidores responsáveis por receber as notas frias.

Na mesma ocasião, a esposa do delator Gabriela Silveira também foi ouvida e admitiu que era titular da empresa GB de Oliveira Comércio, mas alegou que não sabia que seu marido utilizava o CNPJ para cometer ilícitos, o que só teria descoberto quando ele foi preso.

Ela contou que criou a empresa de nome fantasia “Koisas da Sisi” apenas porque frequentemente viajava a São Paulo para comprar itens mais baratos para que ela confeccionasse e vendesse lembranças de festas infantis. As oitivas tanto de Ezequiel Fonseca, quanto do casal Vinicius e Gabriela Silveira foram determinadas pelo ministro Luiz Fux, do STF. 

Leia também - STF desmembra inquérito que investiga 6 deputados de Mato Grosso

Desmembramentos

Na Justiça estadual, a operação Metástase tramita contra o ex-deputado José Riva e dezenas de outras pessoas sem foro privilegiado na 7ª Vara Criminal de Cuiabá, sob a condução da juíza Selma Rosane Santos Arruda.

Também são investigados os deputados estaduais Zeca Viana (PDT), Ondanir Bertolini, o Nininho (PSDB), Wancley Charles Rodrigues (PV), Eduardo Botelho (PSB), além do deputado federal Ezequiel Fonseca (PP) e o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB). Na época do suposto esquema, todos eram deputados estaduais e têm seus inquéritos vinculados ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 08 de maio de 2017

15:49 - Justiça bloqueia R$ 4,2 milhões de Riva e mais 19 réus

Segunda, 05 de setembro de 2016

15:18 - Audiências em ação contra 19 réus ficam para 2017

Sexta, 22 de julho de 2016

09:15 - Riva quer ter acesso aos vídeos de 3 delatores e perícia

Quinta, 09 de junho de 2016

18:32 - TJ mantém ação de Riva com a juíza Selma Rosane

Sexta, 27 de maio de 2016

13:56 - Decisão a favor de José Riva é mantida pelo TJ

Quarta, 27 de abril de 2016

17:42 - Ex-aliado de Riva volta a trabalhar na AL

14:47 - Riva assumirá 'culpa' em esquema na AL - Veja vídeo

Segunda, 18 de abril de 2016

16:12 - Riva se livra de tornozeleira e pode sair à noite

Quinta, 14 de abril de 2016

18:40 - Gilmar Mendes concede liberdade a 'braço direito' de Riva

Quarta, 13 de abril de 2016

18:02 - Com HC, Riva tenta se livrar de tornozeleira


// leia também

Terça, 20 de fevereiro de 2018

17:45 - Botelho diz que sabia de fraude e admite que errou ao manter contrato no Detran

17:07 - Executiva do PDT indica Viana como pré-candidato; deputado torce por Mendes

15:48 - Savi diz que 'não tem medo do MP' e permanece à frente da CPI

11:36 - Vereador pede que depoimento de Sílvio em CPI seja enviado ao MPF

11:05 - Estado quer trocar dívida de banco americano com Banco Mundial

09:46 - Blairo Maggi deve recuar de disputa no Senado e deixar a política

Segunda, 19 de fevereiro de 2018

15:07 - Taques diz que Botelho é amigo e merece defesa após operação Bereré

Domingo, 18 de fevereiro de 2018

09:15 - Centrais sindicais protestam em Cuiabá por 'aposentadoria digna'

Sexta, 16 de fevereiro de 2018

18:21 - Advogado de Emanuel alega omissão e contradição em depoimento de delator

15:46 - PTB faz apelo para Antonio Joaquim manter filiação e candidatura em MT


 veja mais
Cuiabá, Terça, 20/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 20/02/2018
768bdb65035787436f1bc4ad07df1cf3 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Após 15 anos, Arcanjo deixa a prisão e vai cumprir regime semiaberto




Logo_classifacil









Loja Virtual