Vendedores e gafes | Gazeta Digital

Terça, 07 de novembro de 2017, 00h00

Vendedores e gafes

Alexandre Lacava


Enfrentar a crise econômica no Brasil, relativamente, não é uma função para varejistas amadores, pois segundo estudo feito, a cada dois anos, pelo Sebrae e Fundação Getúlio Vargas (FGV), a taxa de mortalidade das empresas aumentou devido à atual situação do país. O levantamento aponta que uma entre três empresas abertas em 2014 foram fechadas em 2016, sendo que o setor de serviços representou por 25% dos fechamentos. No outro lado do balcão, observou-se também uma retração de 12% no fluxo de clientes no varejo físico, de acordo com o Índice Seed de Varejo (ISV) ao comparar os anos de 2015 e 2016.

Entretanto, segundo dados do IBGE, a família brasileira passou a consumir mais, ou seja, comprar mais produtos e serviços. E a tendência é que continuem a investir ao longo dos próximos meses e anos. Com a oportunidade batendo na porta das empresas, muitas acabam não aproveitando este momento, simplesmente por terem pouco conhecimento sobre vendas.

Conheça as principais gafes cometidas na hora de vender:

Crença negativa: Há vendedores que perdem grandes oportunidades por pré-julgarem os clientes, achando que eles não estão dispostos a comprar tal produto. Eles deixam de oferecer algo, ou oferecem de forma muito tímida, por acreditarem que existe uma predisposição do interlocutor a uma resposta negativa.

Insistência excessiva: As vendas envolvem cooperação x competição, ganho coletivo x ganho individual. Portanto, insistir demais pode ser um "tiro no pé", pois o vendedor passa a ser visto pelo cliente como chato.

Falta de foco na necessidade: Quando é apresentada alguma solução ou serviço, é comum dedicar muito tempo à apresentação institucional, destacando o valor do serviço ou produto, em vez de explicar quais benefícios irão suprir as demandas dos clientes. A pergunta-chave para isso seria: o que você espera agregar com este serviço, produto ou ideia?"

Pouca habilidade em negociar objeções: Quando o cliente sai em busca de um produto ou serviço e, logo em seguida, já começa a colocar várias objeções, chegando a duvidar da qualidade do produto, ele pode estar com dúvidas sobre o que ele quer comprar, e se vale mesmo a pena adquirir naquele momento ou pesquisar no concorrente. Quando as objeções são negociadas, ajudando o cliente a esclarecer dúvidas, a conversão em vendas torna-se quase inevitável.

Falta de atitude: Em um jogo de futebol, um gol não pode acontecer se não existir um chute a gol. É dessa forma que um processo de vendas deve se desenrolar para ser bem-sucedido. É necessário tomar uma atitude e entrar em um comum acordo entre as duas partes. Ser contido demais nessa hora é um erro.

Ambição exagerada: Existem casos em que o vendedor tenta "espremer" tanto o seu cliente que, no final, acaba perdendo a venda inteira. Se o objetivo principal foi alcançado, feche o negócio. Não é preciso vender "tudo" naquela oportunidade, pois, se uma conexão foi criada, outras oportunidades acontecerão.

Alexandre Lacava é especialista em vendas, negociação e liderança

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 18 de janeiro de 2018

01:30 - Boas perspectivas para 2018

01:30 - Fethab, Fundeb e mais conversas

01:30 - Novas energias a cada dia

01:30 - Fronteiras vulneráveis

01:30 - Jornal cheio de tragédias

Quarta, 17 de janeiro de 2018

00:00 - Cuidados na compra de imóvel

00:00 - Faça engenharia de minas

00:00 - Lei de bloqueio de patrimônio

00:00 - A necessária troca do tabuleiro

00:00 - Desemprego e inadimplência


 ver todas as notícias
Cuiabá, Quinta, 18/01/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Quinta, 18/01/2018
9ee939b5a8a4bad7141e63886c5d344b anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Os juízes brasileiros estão abusando das ordens de prisões preventivas?




Logo_classifacil









Loja Virtual