Ter armas resolve? | Gazeta Digital

Segunda, 13 de novembro de 2017, 00h00

Ter armas resolve?

da editoria


Uma das principais bandeiras empunhadas pelo pré-candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro, é o fim do estatuto do desarmamento. Ou seja, que todo cidadão - desde que observadas as devidas regras- possa ter o direito a ter uma arma e, assim, se defender da bandidagem crescente. O argumento ganha respaldo cada vez que surgem histórias de "herois" que reagiram a uma assalto ou a uma situação violenta e conseguiram neutralizar o criminoso. É nisto, por exemplo, que se baseiam as ideias do presidente norte-americano Donald Trump. Na semana passada, após mais um massacre a tiros, desta vez em uma igreja, o presidente se esforçou para enxergar uma vantagem no armamento da população civil. Na saída da igreja, após matar 26 pessoas, o atirador foi baleado por um homem que passava pelo local. Antes mesmo da chegada da polícia, este mesmo homem perseguiu o maníaco e, ao que tudo indica, "terminou o serviço". "Se não houvesse uma pessoa armada no local, certamente o atirador conseguiria fugir sem ser incomodado", disse Trump, ao defender que o acesso dos cidadãos às mais diversas armas de fogo. A declaração despreza o histórico trágico de ataques recentes absurdos, incluindo o mais letal de todos, ocorrido durante um show de música country em Las Vegas. Na ocasião, mais de 50 pessoas foram mortas por um homem, que portava 9 fuzis e farta munição em um quarto de hotel. Ele, assim como os garotos da escola Columbine e outros estudantes perturbados em faculdades do país, tiveram muitas facilidades para comprar o armamento. Nos Estados Unidos, o livre acesso a armas é cultural e vem sendo "amadurecido" ao longo de décadas, embora a sociedade local até hoje não saiba lidar de forma adequada com essa liberação toda. E o que dizer do Brasil? com a criminalidade aumentando cada vez mais, estaríamos mais seguros caso andássemos armados por aí? Uma resposta lúcida e surpreendente foi dada pelo coronel da Polícia Militar José Vicente da Silva Filho, em entrevista a um programa de rádio em São Paulo. Quando todos esperavam que o coronel, por ser militar, defenderia a liberação das armas, ele se posicionou de modo contrário. Citou o fato de que, em números atualizados, 118 policiais militares já haviam sido mortos no Rio de Janeiro este ano. E que parte dessas mortes foram registradas em assaltos, por exemplo. "Notem que policiais acostumados a lidar com armas e bem preparados morreram ao tentar reagir à ação de bandidos. Um cidadão comum, sem esse preparo, teria sorte diferente?", questionou o coronel. No Brasil também se percebe um clima de hostilidade permanente em relação a defesa de ideologias políticas, religiosas, esportivas, ou qualquer outro debate. No trânsito, qualquer discussão banal, evolui para a violência. E quando há armas no meio, nada acaba bem. A reflexão que deve ser feita é justamente essa. Se nós, que já fomos considerados um povo pacato e hospitaleiro, estamos cada vez mais com os nervos à flor da pele, como lidaríamos com um arma no dia a dia? A questão é saber se nossa sociedade está preparada para viver armada. Ou melhor, a liberação do armamento ajudaria o Brasil a evoluir? Os países europeus de Primeiro Mundo fizeram incursões por essa via para chegar onde chegaram? São reflexões que devem ser feitas principalmente antes de escolhermos nossos próximos representantes.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 26 de abril de 2018

01:30 - Sintonia com a manufatura avançada

01:30 - Indiferença burra

01:30 - Morreu na contramão

01:30 - A prisão por dinheiro

01:30 - Há uma esperança

Quarta, 25 de abril de 2018

00:00 - Com os pés no futuro

00:00 - Cavalos ou jogadores?

00:00 - Atenção aos ciberataques

00:00 - Uma data memorável

00:00 - Guerra sobre rodas


 ver todas as notícias
Cuiabá, Quinta, 26/04/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quinta, 26/04/2018
2f8a4ad01ac2cdfd8dde377dc7eb1047 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Em uma época em que predominam notícias ruins, qual o maior motivo para ser otimista?




Logo_classifacil









Loja Virtual