Quando eu tinha 7 anos | Gazeta Digital

Sexta, 17 de novembro de 2017, 00h00

Quando eu tinha 7 anos

Claudinet Coltri Junior


Os resultados do Corinthians nos últimos anos nos mostram uma coisa importante: as coisas mudam. O sucesso ou fracasso de outrora pode mudar de lado.

Falando nisso, quarta-feira me lembrei de uma canção chamada 7 Years, do Lukas Graham, que inicia com o verso "quando eu tinha 7 anos...". Depois de 22 anos sem um título importante, o Corinthians, enfim, tornava-se campeão. As coisas estavam mudando. A hegemonia do Santos já havia passado (com o fim da era Pelé) e a do Palmeiras, com a Academia, estava findando. O Inter talvez fosse a equipe mais forte da época. Em 83, já com o quarto título estadual daquele período, o Timão se consolidava como força regional, enquanto o Brasil trocava o Inter pelo Flamengo. A revista Placar, então, estampou em sua capa algo parecido com: por que o Corinthians não consegue ser como o Flamengo?

Depois de mais um estadual, em 88, quando eu tinha 20 anos, em 1990 veio o primeiro título nacional e mais um pequeno período de seca: só em 1995, quando eu tinha 25, mais títulos importantes: campeão paulista, sobre o Palmeiras da Parmalat, e da Copa do Brasil, sobre o fortíssimo Grêmio.

Quando eu tinha 29 anos, o Timão se consolidava como força nacional. Já era tricampeão brasileiro e campeão mundial. E títulos e mais títulos na primeira década deste século. Quando eu tinha 37 anos, o momento mais triste da história do clube: o rebaixamento. Junto, uma promessa: o Corinthians nunca mais será motivo de chacota. Mudança efetiva de gestão e vieram mais títulos: Paulista, Copa do Brasil e Brasileirão. Quando eu tinha 42 anos, veio o que faltava: a Libertadores. E, para coroar, mais um mundial. E veio mais um Paulista, uma Recopa e mais um Brasileirão.

Após o título Paulista deste ano, o Juca Kfouri lembrou a capa da Placar e inverteu: por que, hoje, o Flamengo, que está num bom processo de gestão, também, não é o Corinthians?

Vale lembrar que as coisas mudam. O sucesso corintiano durará até quando? As vitórias futuras não virão por conta dessas. Começa tudo de novo, do zero.

Enfim, no resumo da ópera, na última 4ª feira, mais um título brasileiro. De 1977 a 2017, de quando eu tinha 7 anos aos 47, o 7º título brasileiro, na 35º rodada (múltiplo de 7), com dois gols de Jô, camisa 7, completam-se 29 títulos no período (como os 29 anjos que saudaram Renato Russo, na canção 29, da Legião). E -2+9=7 (nessa hora, vale uma forçada, também). Muito mudança nesses 40 anos. E tudo começou lá, quando eu tinha 7 anos.

Claudinet Coltri Junior é professor, palestrante, consultor organizacional e educacional, professor e diretor da Nova Hévila Treinamentos. Website: www.coltri.com.br - E-mail: coltri@coltri.com.br facebook.com/coltrijunior.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sábado, 20 de janeiro de 2018

00:00 - A política e os políticos

00:00 - Externalidades do controle externo

00:00 - O ano das atenções ao Judiciário

00:00 - As andanças do lixo ocidental

00:00 - Democracia em xeque

Sexta, 19 de janeiro de 2018

00:00 - Judicialização da Saúde

00:00 - Judicialização da Saúde

00:00 - Murtinho, Maggi e os momentos

00:00 - Fatos da colonização

00:00 - O legado de 2014


 ver todas as notícias
Cuiabá, Sábado, 20/01/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 20/01/2018
8606faf6320fa3698f4313217276d306 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Algum novato, de fora da política, pode surpreender nas eleições para presidente da República?




Logo_classifacil









Loja Virtual