Consciência política | Gazeta Digital

Sábado, 25 de novembro de 2017, 00h00

Consciência política

Rapphael Curvo


Resultados de uma pesquisa apontam que 65% da população não sabe em quem votaram nas últimas eleições. Ao fazer um levantamento sobre aprovação de pessoas que possam ser prováveis candidatos à presidência da República, o Estadão e a Ipsos, o terceiro maior instituto de pesquisas do mundo, revelou dados que são inversamente proporcionais aos interesses e necessidades que o Brasil implora para poder tirar a bota do atoleiro em que se meteu com a esquerda no governo. O resultado é um samba de "crioulo doido" e deixa à mostra o porquê do enorme fosso entre o voto consciente e aquele motivado por favores, caixas de cervejas e quilos de carnes, passando pelos apadrinhamentos em cargos públicos. O eleitor, melhor, a população, não faz nexo entre o resultado eleitoral e sua condição de vida. Isso é falta de consciência política.

Este levantamento, que até pode ser traduzido em intenções possíveis de voto, dá a Luciano Huck 60% de aprovação. É verdade que a sua condição de artista o faz ser querido pelo povo, mas daí aprová-lo com esperança de um "resolvedor" dos problemas graves que o Brasil enfrenta, existe uma longa travessia. Nunca houve, que eu saiba, qualquer participação política do Huck em qualquer situação em que houve demanda da área. Qual bagagem tem o artista global para assumir o comando de um País que está totalmente desmantelado pelos petistas e Cia? Que poder de aglutinação e a experiência administrativa de comando político empresarial teria o Sr. Huck? O governo de um País não se faz pelo cumprimento de tarefas específicas ordenadas apenas pelo desejo de que se realize as ideias de seus governantes. A presidência da República não envolve apenas atos midiáticos como faz o Sr. Temer. Exige visão de estadista, aquele que enxerga o presente e sua relação com o futuro.

Outro resultado que é espantoso foi a população dar ao condenado Lula 45% de aprovação. Não é possível crer que existe tamanha alienação política na mente dos brasileiros. É assustador. Dá para ter ideia do quadro, se nada mudar, que nos espera em termos de governo nos próximos anos, é de muito sofrimento. Chega a vir lágrimas nos olhos ao descobrir o estado lastimável de consciência política em que vive o povo deste Brasil. O homem que iludiu, mentiu e destruiu com as esperanças de toda uma Nação ainda recebe dela tamanha reverência. O risco de fazer deste País um curral ideológico é gigantesco. Está aí a enorme razão de luta dos chefes partidários da esquerda, que sonham com a volta do chefe do bando para, se não com uma ditadura, impor um Estado autoritário sem maiores problemas frente a população. Isto é um fato, ele tem dito reiteradamente em "tomar o Poder". A fragilidade intelectual do povo é alta dada seu pouco desenvolvimento cultural e escolar. Ele, povo, não tem a dimensão dos estragos que pode produzir o seu voto em candidato despreparado para atuar na política e seu comando, muito menos ainda em perceber quais deles estão realmente imbuídos de responsabilidade pelo voto recebido. O que passamos agora é resultado disso, fruto do voto errado e induzido.

Por outro lado, a aprovação de Luciano Huck traz sinais de que é possível que nele está a busca pelo novo na política. Essa foi a mensagem que o povo paulistano passou nas eleições da prefeitura de São Paulo com a eleição do Doria em primeiro turno. Ele perdeu uma oportunidade de ouro se mantivesse a sua postura de "novo na política", ou seja, sem envolvimento com os membros da "velha política". Doria inebriou-se e chegou ao ponto de apoiar o Temer e até mesmo defender a não prisão do Lula, seja lá a que pretexto foi, pisou na jaca, para não usar outros adjetivos muito encontrados nos currais das fazendas. Passou a imagem de parceiro da velha política. O resultado desse levantamento do Estadão-Ipsos descortina uma enorme avenida a um candidato que aos poucos está chegando ao conhecimento popular. É o Dionísio Amoêdo, do partido Novo que é formado por pessoas sem carreira política, mas com conhecimento de causa. Este partido tem uma total desvinculação com os moldes dos partidos carcomidos existentes. Sua proposta é séria e negociatas, ajeitos, confrarias etc etc, não tem vez. Tem como ponto singular o vestibular para ser candidato. Além de pagar uma alta taxa para tal, passam por uma maratona de testes com preparo sobre política, sendo obrigatório currículo sem rasuras. É dado ao candidato conhecimento e aprimoramento da consciência política.

Rapphael Curvo é jornalista, advogado pela PUC-RIO e pós-graduado pela Cândido Mendes. E-mail: raphaelcurvo@hotmail.com

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sábado, 20 de janeiro de 2018

00:00 - A política e os políticos

00:00 - Externalidades do controle externo

00:00 - O ano das atenções ao Judiciário

00:00 - As andanças do lixo ocidental

00:00 - Democracia em xeque

Sexta, 19 de janeiro de 2018

00:00 - Judicialização da Saúde

00:00 - Judicialização da Saúde

00:00 - Murtinho, Maggi e os momentos

00:00 - Fatos da colonização

00:00 - O legado de 2014


 ver todas as notícias
Cuiabá, Sábado, 20/01/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 20/01/2018
8606faf6320fa3698f4313217276d306 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

A Prefeitura de Cuiabá voltará a aplicar multas por videomonitoramento. Qual é a sua opinião sobre isso?




Logo_classifacil









Loja Virtual