Pouco do novo, muito do velho | Gazeta Digital

Sábado, 02 de dezembro de 2017, 00h00

Pouco do novo, muito do velho

Jairo Pitolé Sant"Ana


Semana passada, ao voltar de férias pelo Sudeste e Sul do país, por falta de carona optei, sem nenhum rebu, pelo Uber, ao invés do tradicional táxi. Pouco acostumado, liguei para um "uberista" conhecido, que me tranquilizou sobre possíveis rixas entre ambos os concorrentes meios de transportes.

Batata, como diria Nelson Rodrigues em suas crônicas de "A vida como ela é". Ao deixar a esteira de bagagens, notei no piso algo como caça ao coelho, no período da Páscoa. Na verdade, eram anúncios do Uber que se estendiam pelo desembarque afora. Mas o que mais me assustou, positivamente, claro, foi o preço cobrado. Bem mais em conta.

Não sei se por natureza ou vício profissional, andei conversando com alguns sobre a concorrência aos taxistas. Uma das respostas, de um paulistano que trabalha em Curitiba, ficou gravada. "Há espaço para todos, até porque o usuário de Uber é, em sua maioria, quem anda(va) de ônibus, metrô, trem ou deixa o carro em casa, por ficar mais em conta e menos cansativo".

O motorista que atendeu em Cuiabá era dos bons (há exceções: Em São Paulo, um esqueceu-se de colocar o número da rua, longa e de mão de única, e tivemos que voltar; enquanto em Curitiba, retornando de São José dos Pinhais, fomos obrigados a acionar nossos GPS, porque o dele perdeu o sinal).

Voltando a Cuiabá, o motorista conhecia bem o caminho e nos livrou das possíveis lentidões provocadas pelo cair da tarde, quando todos resolvem, de uma só vez, buscar os filhos na escola e sair do trabalho tudo bem sincronizado para se encontrar no caos e curtir uma boa dose de estresse.

Não me lembro, se perguntei a ele sobre as obras da Avenida Parque do Barbado (para quem não conhece, ela liga(ria) o trevo da Universidade à Estrada do Moinho (Arquimedes Pereira Lima). Mas, pelo que vi nesta semana, vai ser difícil cumprir a profecia da Secretaria de Cidades, de entrega-la até o final deste ano. Há muito o que fazer, especialmente neste período de chuvas.

Mas ele disse ter evitado, sempre que possível, a (avenida) Fernando Correa da Costa. Para ele, mais parece um campo de guerra, com seus grotescos blocos de concreto, tomada de buracos e totalmente desleixada. Lembro a ele que há uma placa, me parece no Viaduto da Avenida do CPA, sobre a restauração também da Fernando Correa.

"Placa nunca diz tudo. Tá lá escrito: Início: DD/MM/AA, Valor: R$ ...., Origem dos recursos, etc., etc., mas jamais o prazo para o término da obra.". Ou seja, o tempo é indeterminado e pode ser longo, muito longo. Bem lembrado!

Jairo Pitolé Sant"Ana é jornalista em Cuiabá e sócio da Coxipó Assessoria de Imprensa. E-mail: coxipoassessoria@gmail.com

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Segunda, 23 de abril de 2018

00:00 - O futuro da água

00:00 - Ajuda ou compartilhamento?

00:00 - Novas tendências fiscais?

00:00 - Educação empreendedora

00:00 - Garanta a sua dose

Sábado, 21 de abril de 2018

00:00 - Cuidados com o povo

00:00 - Três inimigos do controle externo

00:00 - Deficit de atenção

00:00 - "É o nosso futebol"

00:00 - Desigualdade de gênero


 ver todas as notícias
Cuiabá, Segunda, 23/04/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 23/04/2018
341f42bd8a1ff7d0703a6e07e44980a2 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Brasil deveria fechar a fronteira com a Venezuela?




Logo_classifacil









Loja Virtual