Mais ilações políticas | Gazeta Digital

Quinta, 25 de janeiro de 2018, 01h30

Mais ilações políticas

Alfredo da Mota Menezes


A classe política no estado tem dito que só fala em eleição depois do Carnaval. Não é verdade, ela fala sobre isso dia e noite. Também quem não é candidato se envolve sobre o assunto. O que tem de ilação não está escrito no gibi. Começar por onde? Ah, já sei.

O agronegócio no estado tem poder político e econômico e o nome mais forte do setor é Blairo Maggi. Esse setor tem ganhado muito dinheiro e a perspectiva nacional e mundial é para continuar ganhando por muito tempo ainda. Não se teve até agora nenhum governo que levantasse qualquer ato hostil ao agro no estado. Não querem trepidação política para não atrapalhar os negócios e os ganhos.

Digamos, hipoteticamente, que o setor, liderado pelo Blairo, resolva lançar um nome para disputar com o Taques. Digamos que o atual governador tope ir para a reeleição. Poderia, no embate, levantar a bandeira de taxar o agro para tirar mais dinheiro para a saúde. Ganharia a opinião pública. Em tese, um perigo para a outra candidatura.

Digamos que o Taques perca a eleição. Poderia criar um grupo de oposição no estado e abrir a caixa de ferramenta sobre o agro. E de alguém que foi governador e sabe por dentro como é que funciona a coisa toda.

Seria criado o que não se criou até hoje: uma oposição às andanças do agro e jogando isso para a opinião pública que, no geral, acredita que o setor ganha muito dinheiro com isenções fiscais e deveria colaborar mais com saúde e educação e não somente com estradas.

Numa entrevista a um site, o Blairo, que deve analisar rotineiramente isso tudo com seu grupo, entre as várias respostas e análises, deu uma que parece caminhar por essa ilação aí de cima. Falou que nas conversas, "depois do carnaval", o grupo pode entender que o grau de dificuldade no governo seria o mesmo com o Taques ou com outro nome.

Daí que o grupo poderia entender que "a manutenção do governador, com sua reeleição, significaria mais chances de resolver (esses) problemas pela frente". O agro e suas lideranças não querem hostilizar nada nem ninguém. Querem continuar a trabalhar e ganhar dinheiro frente a essa porteira aberta do mundo à comida produzida no estado.

Tem tanta ilação ainda. Só tocando em algumas. Como vai ser solucionado o caso do PSDB com duas candidaturas majoritárias, Taques ao governo e Leitão ao Senado? Como ficam as coisas no DEM com a chegada do grupo que estava no PSB?

Chega assumindo a presidência do partido e, no caso, como fica a situação do Jaime? A majoritária ali é dele ou do Mauro?

Mauro deixa os negócios e peita uma candidatura ao governo ou ao Senado? Wellington é candidato ao governo ou vai para um Ministério? No PPS, se o Percival perde a presidência para um grupo chegante, qual seria seu comportamento? Dá para ficar fazendo ilações até sei lá onde.

Alfredo da Mota Menezes escreve às quintas-feiras em A Gazeta. E-mail: pox@terra.com.br

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 24 de maio de 2018

01:30 - Ética versus interesses individuais

01:30 - Três assuntos de Cuiabá

01:30 - Os verdinhos e o Pantanal

01:30 - Renda residual para empresário

01:30 - Adoção tem barreira burocrática

Quarta, 23 de maio de 2018

00:00 - O velho bruxo

00:00 - Pátria amada

00:00 - Novo desafio do big data

00:00 - Corrupção e descaso na saúde

00:00 - Força da ação popular


 ver todas as notícias
Cuiabá, Quinta, 24/05/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Quinta, 24/05/2018
277143c492047e9092189af323a8546f anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Dia da Liberdade de Impostos mobilizou comerciantes de todo o país nesta quinta-feira (24)




Logo_classifacil









Loja Virtual