O Brasil e o tripé da maldade | Gazeta Digital

Sexta, 26 de janeiro de 2018, 00h00

O Brasil e o tripé da maldade

Lutero de Paiva Pereira


Crítica é melhor do que autocrítica, pois é muito menos dolorido julgar os outros do que a si mesmo. No entanto, tem hora em que somente a autocrítica é capaz de evitar que os desastres continuem a acontecer. É neste sentido que se mostra oportuno pensar sobre três coisas que atrapalham diretamente o desenvolvimento de um país, as quais estão ligadas diretamente ao povo e não propriamente aos políticos.

A primeira delas é ser um povo sonolento, incapaz de ver a realidade como ela efetivamente se apresenta. Dormir, mesmo que em berço esplêndido, eternamente, não é vantagem alguma.

A segunda, igualmente danosa, é ser um povo que não se cansa de continuamente falar mal do lugar onde vive, como se o maldizer fosse útil para mudar as coisas que devem ser mudadas.

A terceira, ser um povo que espera que os outros façam por ele o país que ele mesmo deve fazer para si. Sim, a terceirização neste caso não funciona, pois quem quer, como diz a música, faz a hora e, também, o país.

Esse tripé da maldade - dormir, maldizer e terceirizar- está impregnado na alma do povo e não na do político que, contrariamente a tudo isto, está acordado, vê o país com potencial de ser explorado e trabalha pessoalmente na construção do que lhe interessa.

A autodefesa burra que o povo exerce ao dizer que o problema está no político e não nele faz com que as coisas continuem do jeito como sempre foram, numa retroalimentação do caos ao patrocinar o mal que o aflige e faz sofrer.

Para que tudo seja diferente do que é e sempre foi, é preciso que o tripé da maldade seja imediatamente erradicado da forma de pensar do brasileiro, sem o que o futuro não será diferente do passado.

Deste modo, em primeiro lugar o brasileiro precisa parar de falar mal do Brasil, pois ninguém é capaz de gostar daquilo que acha ruim. Aliás, seria patológico alguém gostar do que desgosta. Se o país for malvisto pelos próprios brasileiros, eles o entregarão nas mãos daqueles que o veem bem. E, convenhamos, o Brasil é rico em coisas boas, mesmo que os maldizentes, com tapa nos olhos, continuem a proclamar um estado de miséria.

Em segundo lugar, o brasileiro precisa acordar para tomar pé da situação do seu país, saindo em busca de informações úteis para inteirar-se da realidade que o cerca, ao invés de se deleitar com as chamadas fake news (mensagens mentirosas ou montadas) que viralizam na internet.

Em terceiro lugar, o brasileiro deve pôr mãos à obra para mudar o país no qual vive, evitando terceirizar esta tarefa para a classe política que vem provando, há muito tempo, que não se importa em construir um Brasil para os outros.

É tempo de despertar, é tempo de trabalhar, é tempo de levar a sério a cidadania que se compõe do binômio direitos e deveres, embora muitos gostem de falar somente dos seus direitos.

Vale lembrar aqui apenas duas, dentre tantas, das famosas leis de Murphy, a primeira que garante que "se alguma coisa pode dar errado, dará" e, a segunda, que sustenta "que se há possibilidade de várias coisas darem errado, dará errado a que causar mais prejuízo".

O país continuará a dar errado, e o povo não terá direito de reclamar do que lhe sobrevier, se continuar a ser comandado pelo tripé da maldade.

Lutero de Paiva Pereira é advogado

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Domingo, 25 de fevereiro de 2018

00:00 - Inovar atrapalha a mente

00:00 - Consciência cidadã

00:00 - Baixa escolaridade

00:00 - Artimanhas

00:00 - Marketing e comercial

Sábado, 24 de fevereiro de 2018

11:02 - Sobre a intervenção no Rio e as amizades

10:30 - Os perfis para as urnas

00:00 - Inovar atrapalha a mente

00:00 - Consciência cidadã

00:00 - Marketing e comercial


 ver todas as notícias
Cuiabá, Domingo, 25/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Domingo, 25/02/2018
39b9c063e83a7a7ffb2f5dc9ad998ca8 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Segundo pesquisa, 67% apoiam intervenção na área de segurança pública em suas cidades




Logo_classifacil









Loja Virtual