Consertos para os conceitos | Gazeta Digital

Domingo, 28 de janeiro de 2018, 00h00

Consertos para os conceitos

Gonçalo Antunes de Barros Neto


As verdades no mundo não são os acontecimentos, mas as relações entre os observadores e eles. A complexidade humana exige que se dê crédito a isso.

O que para Newton seria absoluto, no caso, o tempo, Einstein provou exatamente o contrário, que o tempo é relativo, dependendo da posição dos observadores. É a teoria da relatividade, que, transposta para a ciência social, nos oferece resultados precisos quanto às interpretações dos fenômenos.

Sem pretender viajar a velocidade da luz (300.000 km/s), como fez a imaginação do grande físico da teoria da relatividade, o mundo não é percebido da mesma maneira pelos observadores (como pretendeu Newton - tempo e espaço como estrutura absoluta).

Trazida para o campo do Direito, é ainda mais grave e inquietante o fato de que se pretende fazer justiça com a interpretação dos fatos e provas pelos diversos juízes. E quando isso alcança a unanimidade em qualquer julgamento, faz lembrar-se de Nelson Rodrigues por ter afirmado que toda unanimidade é burra.

Também não podem ideologizar os julgamentos, ao alvedrio dos interesses de cada observador.

Todos têm pluralidades de referenciais teóricos que se apropriam dos fenômenos observáveis conforme a subsunção dialética que fazem entre teoria e prática. Disso não escapam. Ainda que conscientemente não percebam, optam pelo caminho mais simpático aos próprios valores.

Há aqueles que verdadeiramente acreditam na própria imparcialidade diante dos fatos, mas ingenuamente. Somente um reduzido número de privilegiados o conseguem. E estes, necessariamente, treinam para isso e estão lotados nos diversos campos científicos. São acadêmicos em essência.

Existem fenômenos que afetam e não podem ser observados, são os chamados "interfenômenos" (utilizando aqui o termo criado por Reichenbach para eventos subatômicos). Eles são perigosos, pois, indicam caminhos que nem sempre são conscientemente conhecidos pelos peregrinos.

Reproduzir mentalmente várias vezes um fato e suas nuances não o eleva à categoria de universalidade para que dele se extraia posicionamentos teóricos. Exige-se treino, experiência e de um ser bem acima da média intelectual para isso.

É preciso ter cuidado com o que vem aparecendo na tela de seu computador ou mesmo nos livros e jornais. Também nos processos judiciais. Não saia arrotando conhecimento e nem se julgue imparcial e preparado para decidir caminhos. Prepare-se e sinta-se encorajado para a reflexão constante, busque ajuda na dialética e dela retire ânimo para que possa prosseguir na etapa seguinte.

O interesse que te move neste mundo não deve ser só a representação da existência de um objeto (Kant) ou mesmo a interface entre teoria e prática (Habermas).

Cada pensador teve seu tempo próprio e, conforme a relatividade das coisas, nada é absoluto e o absoluto é nada; nem zero o é, pois, quanto mais observadores mais tanto de percepções, e zero é uma delas.

Gonçalo Antunes de Barros Neto escreve aos domingos em A Gazeta. Email: antunesdebarros@hotmail.com.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Domingo, 25 de fevereiro de 2018

00:00 - Inovar atrapalha a mente

00:00 - Consciência cidadã

00:00 - Baixa escolaridade

00:00 - Artimanhas

00:00 - Marketing e comercial

Sábado, 24 de fevereiro de 2018

11:02 - Sobre a intervenção no Rio e as amizades

10:30 - Os perfis para as urnas

00:00 - Inovar atrapalha a mente

00:00 - Consciência cidadã

00:00 - Marketing e comercial


 ver todas as notícias
Cuiabá, Domingo, 25/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Domingo, 25/02/2018
39b9c063e83a7a7ffb2f5dc9ad998ca8 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Segundo pesquisa, 67% apoiam intervenção na área de segurança pública em suas cidades




Logo_classifacil









Loja Virtual