Desconhecimento | Gazeta Digital

Domingo, 11 de fevereiro de 2018, 00h00

Desconhecimento

Lourembergue Alves


A tática e a estratégica são necessárias em um dado jogo. Imprescindíveis, vale dizer. Isto em qualquer jogo. Inclui-se aqui o político-eleitoral. Um erro, um descuido, um só deslize podem levar a prejuízos irreparáveis. Detalhe, contudo, não observável pelos atores políticos. Nem ao menos por seus assessores e marqueteiros. O que reforça a tese, sempre levantada e defendida por esta coluna, ganhar uma eleição não é o mesmo que o entender de política. Se ganha uma eleição de diversas maneiras, até com a compra dos votos, mas de forma nenhuma se pode dizer que o ganhador conhece tudo sobre a atividade essencialmente humana. Se soubesse, claro, não cometeria as barbeiradas, a exemplo da cometida pela cúpula tucana em recente reunião. Ficaram acertadas as supostas candidaturas do peessedebista Nilson Leitão para o Senado e a do também peessedebista Pedro Taques para a reeleição, somadas a recandidatura de Carlos Fávaro (PSD).

Erro primário. Pois ninguém, com um mínimo de conhecimento do jogo político, defenderia o fechamento de portas a majoritária (2 das 4 vagas existentes), afugentando assim com possíveis partidos aliados e os ainda não aliados. Justamente no instante em que o governo tucano atravessa o seu pior momento, com desgastes expressivos. E é em razão desses desgastes, alguns dos antigos parceiros se desprendem ou ameaçam sair do arco de alianças em busca de outros caminhos. Eles tomam o lado oposto, o que fortaleciam a oposição, ainda que dividida em duas ou três candidaturas. Acontecimento não inédito. Registrado no Estado, por exemplo, na chamada Primeira República. E, também, nas outras fases da história, tal como em 2002, aliás, dentro do ninho. Muito parecido com o que se suspeita irá acontecer agora, com o PSDB insistindo em dois nomes para a eleição majoritária.

Naquela época, o partido lançou o ex-governador Dante de Oliveira para o Senado e o Antero Paes de Barros para a sucessão de Rogério Salles. Decisão completamente equivocada. Bem pior do que se pode imaginar. Ao tomá-la, provocou um racha, uma divisão (1999), com a saída do grupo do Roberto França. Este, que deveria ser o nome escolhido, sentiu-se frustrado, preterido. E, então, juntou-se a outros, também tidos como políticos tradicionais, a exemplo do Jayme Campos, Jonas Pinheiro e Percival Muniz. Políticos que arregimentaram mais pessoas, consideradas da esfera mediana da política regional, e abriram espaços para um neófito, suplente do senador, Blairo Maggi. Faltava o nome para a disputa. Maggi entrou, e ajudado por todas essas forças consideradas tradicionais, elegeu-se governador, enquanto as duas vagas do Senado eram ocupadas por Jonas Pinheiro e Serys Marly. Derrota dupla dos tucanos.

Derrota provocada por cinco razões: (1ª.) a briga interna que levou a cisão dentro do PSDB, (2ª.) a desarticulação e desorganização da campanha dos tucanos, (3ª.) o candidato ao Senado não elege o governador, (4ª.) a aliança formada pela maioria dos coronéis da política em torno de Blairo Maggi, e, (5ª.), a fácil campanha oposicionista, constituída do jingle que caiu no gosto popular ("Tá na palma da mão, tá na mão de quem sabe") e promessas aceitáveis, embora não cumpridas, como a diminuição do ICMS da energia e da telefonia. Em instante algum, a falta de dinheiro para comprar santinhos na campanha dos tucanos foi decisiva para suas derrotas (desculpas até hoje apresentadas). Percebe-se, (e) leitor, não se podem fechar as portas para os aliados ou possíveis aliados. Pecado mortal em um jogo político-eleitoral. Os atuais tucanos parecem desafiá-lo, mostrando desconhecimento da política e ignorando a própria história de sua sigla partidária. É isto.

Lourembergue Alves é professor e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço aos domingos. E-mail: lou.aloves@uol.com.br.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sábado, 23 de junho de 2018

00:00 - Creio em outubro

00:00 - Trapalhada bilionária

00:00 - Economia inclusiva

00:00 - Dois assuntos

00:00 - Fome e desperdício

Sexta, 22 de junho de 2018

00:00 - Desligue o piloto automático

00:00 - Envelhecimento, um grande desafio

00:00 - Temer está quebrando o Brasil

00:00 - Trajetória histórica dos Irantxe

00:00 - Dias de luta e dias de festa


 ver todas as notícias
Cuiabá, Sábado, 23/06/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 23/06/2018
00cd1afd8757c6b9bf1a877a182fcfcc anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O que os eleitores vão depositar nas urnas em outubro?




Logo_classifacil









Loja Virtual