Combustível de ouro | Gazeta Digital

Quarta, 21 de fevereiro de 2018, 00h00

Editorial

Combustível de ouro

Da Editoria


Os preços dos combustíveis cobrados nos postos brasileiros sempre foram alvos de reclamação dos consumidores. No país que nos últimos anos vem batendo recorde de produção de petróleo e gás natural e que tem fabricação de etanol anidro e hidratado em volume expressivo parece até incoerente ter a precificação atrelada ao mercado internacional e à cotação do barril do petróleo do outro lado do mundo. É claro que a globalização interfere fortemente na economia e na formação dos preços das commodities, onde inclui-se além do petróleo, a soja, o milho, o algodão, o minério de ferro, entre outros, mas o que vem acontecendo no mercado de combustíveis brasileiro tem causado indignação da população e surpreendido até os especialistas da área.

Desde que uma série de fraudes e esquemas de corrupção foram descobertos na Petrobras com a deflagração da Operação Lava Jato, em março de 2014, os preços dos combustíveis vêm pesando cada vez mais no orçamento dos brasileiros e causado um rombo bilionário nos cofres da estatal petrolífera. Vários diretores e ex-diretores foram presos por causa das irregularidades cometidas e devolveram milhões de dólares ao governo. A companhia que chegou a ser a mais valiosa do país e uma das maiores do mundo, agora tem as ações cotadas a "preço de banana".

Desconsiderando os fatos internos da Petrobras e avaliando o lado do consumidor, este vem sendo penalizado nos últimos meses com a nova política de preços da estatal, o que fez com que as cotações da gasolina e do óleo diesel nas refinarias passassem a ser atualizados diariamente e as do GLP residencial e industrial reajustadas a cada mês. Com a nova metodologia de precificação, a pressão sobre o orçamento das famílias e sobre o caixa das distribuidoras e revendas de combustíveis cresceu na mesma proporção da indignação das pessoas.

Tanto que esta semana, a Petrobras anunciou uma novidade no mercado de combustíveis. Passa a divulgar diariamente o preço da gasolina, do diesel e do GLP cobrado na refinaria. Tal revelação provocou um choque ainda maior nas pessoas e causou mais indignação. Para se ter uma ideia, nesta terça-feira (20), o preço da gasolina na refinaria estava em R$ 1,5148 e do diesel em R$ 1,7369. Segundo a petroleira, a média nacional considera os preços à vista, sem encargos, praticados nos diversos pontos de venda, que variam ao longo do território nacional, para mais ou para menos, em relação à média.

Ocorre que, no caso da gasolina, o valor cobrado na bomba chega a R$ 4,91 em Mato Grosso, na cidade de Alta Floresta, uma diferença de 225% sobre o praticado pela estatal. No caso do diesel, que sai da refinara por R$ 1,7369, o preço do litro na bomba sobe para até R$ 4,15, também em Alta Floresta, acréscimo de 139%. Hoje, com o novo reajuste anunciado ontem pela Petrobras, a gasolina nas refinarias subiu para R$ 1,5432 e o diesel ficou estável, em R$ 1,7360.

Segundo a Petrobras, os reajustes promovidos por ela nos preços dos combustíveis nos últimos meses foram responsáveis por apenas um sexto (gasolina) e um terço (diesel) do percentual aplicado pelo mercado, atribuindo a diferença restante à livre concorrência do mercado na cadeia de combustíveis - prevista em lei - e à carga tributária existente em cada unidade da Federação.

Diante deste argumento, o brasileiro tem ainda mais convicção da necessidade real de se promover a reforma tributária no país, que pretende acabar com as diferenças tributárias entre os estados, a chamada guerra fiscal, situação que pesa severamente na formação dos preços das mercadorias vendidas nos mais diferentes cantos do país.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Segunda, 18 de junho de 2018

00:00 - Todos contra os canudinhos

00:00 - Organização e burocratização

00:00 - A logística na Copa do Mundo

00:00 - Diversidade não é clichê

00:00 - Pai pobre, filho pobre

Domingo, 17 de junho de 2018

00:00 - Olhar tacanho

00:00 - Carne bovina, um rio de água?

00:00 - Conduções coercitivas

00:00 - O status é inimigo do bem-viver

00:00 - Violência cibernética e real


 ver todas as notícias
Cuiabá, Segunda, 18/06/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 18/06/2018
4e47432e5d7c10f8cc440c97a233c10f anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Reino Unido firma pacto com empresas para reduzir uso de plástico e poluição




Logo_classifacil









Loja Virtual