Dia da Consciência Feminina | Gazeta Digital

Quinta, 08 de março de 2018, 01h30

Dia da Consciência Feminina

Aifa Naomi Uehara de Paula


"Alguma coisa está fora da ordem, fora da nova ordem mundial..." Peço aqui uma licença ao grande Caetano Veloso para chamar todas as mulheres a pensarem comigo sobre o verdadeiro sentido do Dia Internacional da Mulher. Não há dúvidas de que gostamos de receber presentes, agrados, afagos não só neste, mas em todos os dias do ano. Mas é preciso que a data sirva como alerta de que há muito para conquistarmos, inclusive na área do empreendedorismo.

Somos 57% da população brasileira e isso não se reflete na mesma proporção quando falamos de cargos de chefia ou posições de comando de empresas. Nem mesmo conseguimos igualar nossos salários numa comparação com o dos homens, ainda que cumprindo as mesmas tarefas e com carga horária igual. É preciso dizer que avançamos nos últimos anos nessa questão, mas está bem longe do ideal.

O preconceito, ainda muito arraigado na cultura brasileira, faz com que sejamos vistas pelo que aparentamos, e não pelo que podemos fazer, pela nossa capacidade. Em pleno século 21 ainda encontramos obstáculos como o assédio e a ideia de que o fato de ter filhos é empecilho para um bom rendimento no trabalho. Não vejo assim. A luta das mulheres por igualdade já mostrou que elas são capazes de tudo.

A visão de que o lugar da mulher é muito mais dentro de casa do que no mercado de trabalho termina por impedir que avancemos, por exemplo, no empreendedorismo. O aumento do número de mulheres que têm a própria empresa vem aumentando, mas numa proporção pequena. O que acontece na maioria das vezes por méritos próprios, já que permanece muito forte dentro das famílias brasileiras a ideia de que o homem tem que ser preparado para o mercado e a mulher para cuidar da família.

A continuar nesse ritmo, de acordo com um estudo da Oxfam International, feito com base nos números do Fórum Econômico Mundial, serão necessários 217 anos para que em todo o mundo homens e mulheres tenham as mesmas oportunidades de trabalho e renda.

É muito tempo. Não podemos demorar tanto. Não podemos esperar que os outros decidam que caminhos devemos tomar. É urgente que nos mobilizemos para mudar posições como a que ocupamos aqui em Mato Grosso. De acordo com dados do Ministério de Trabalho, o estado ocupa hoje o segundo pior lugar em participação feminina no mercado de trabalho, ganhando apenas do Distrito Federal.

Por estas e outras constatações é que considero este não apenas o Dia Internacional da Mulher, mas o "Dia da Consciência Feminina". O lugar das mulheres é onde elas quiserem! Devemos respeitar a participação feminina na transformação da nossa realidade, afinal cooperar é se unir para fazer do mundo um lugar melhor para todos.

Aifa Naomi Uehara de Paula é presidente do Sicoob Central MT/MS

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sexta, 22 de junho de 2018

00:00 - Desligue o piloto automático

00:00 - Envelhecimento, um grande desafio

00:00 - Temer está quebrando o Brasil

00:00 - Trajetória histórica dos Irantxe

00:00 - Dias de luta e dias de festa

Quinta, 21 de junho de 2018

18:22 - A nova era da relação entre médico e paciente

00:00 - Geopolítica em evidência

00:00 - Analfabeto funcional

00:00 - Mudança urgente de gestão

00:00 - Não trabalhe mais


 ver todas as notícias
Cuiabá, Sexta, 22/06/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Sexta, 22/06/2018
Af26a0a03727faf425edeb0c3956f831 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O que os eleitores vão depositar nas urnas em outubro?




Logo_classifacil









Loja Virtual