Aprende-se pela emoção e repetição | Gazeta Digital

Domingo, 16 de julho de 2017, 10h07

Marta Relvas

Aprende-se pela emoção e repetição

Marta Relvas


É no cérebro que as memórias cognitivas e emocionais são construídas. Por esta razão, torna-se necessário que o professor reconheça a importância desse estudo para promover a melhoria em suas práxis pedagógicas, e reconhecer como essa específica função executiva, desperta a cognição e a inteligência dos estudantes.

Estudos indicam que é pela repetição dos estímulos que a aprendizagem acontece, pois, as conexões neurais tornam-se fortalecidas, devido o aumento do potencial de ação da célula especializada do sistema nervoso, o neurônio. À medida que os neurônios se conectam, promove-se um aumento do neurotransmIstor denominado glutamato.

Fortalecendo a informação escrita recebida no texto: "Quanto mais se repete a ação, mais consolidada é a reação entre as células neuronais".

A memória é processada da seguinte forma: quando um percurso sináptico é percorrido várias vezes, ele se torna mais facilitado. Isto é memória. A memória é causada pela alteração na capacidade de transmissão sináptica de um neurônio como resultado da atividade neuronal prévia.

Quando eu digo: o hemisfério dominante da linguagem é o esquerdo. Essa é uma frase que eu disse. Essa frase quando entrou no seu ouvido, chegou ao córtex, percorreu um circuito sináptico. Uma vez tendo passado pelo circuito sináptico, quando eu disser pela segunda vez vai passar de novo. Quando pensar pela terceira vez, só com o pensamento, você vai conseguir ativar esse circuito sináptico. Isto é: LEMBRAR.

Lembrar é ter o circuito sináptico tão facilitado, que o meu pensamento ativa esse circuito sináptico. Isto é memória. Então é facilitar o percurso sináptico, por esse percurso já ter sido percorrido previamente. Então, se eu leio vinte vezes a página de um livro, com certeza eu vou acabar lembrando da informação, porque vinte vezes aquela informação percorreu o circuito sináptico. Então a repetição fixa a memória.

Se o estudante apresentar motivação pela informação recebida ou se for um estímulo queira muito saber, uma única passagem já facilita maximamente esse circuito sináptico.

Em outras palavras. Quando o estímulo aguça a atenção e a motivação, cria-se um aumento neuroquímico no circuito de recompensa do cérebro, provocando então, uma ação fisiológica da sinapse elétrica e química entre os neurônios. Dai a importância da memória aplicada para aprendizagem no cotidiano escolar.

Uma dica importante: os conteúdos desenvolvidos em sala de aula, precisam estar emodulrados nos processos emocionais para despertar o interesse dos aprendentes.

Marta Relvas é bióloga, doutora e mestre em Psicanálise, Neuroanatomista, Neurofisiologista, Psicopedagoga e Especialista em Bioética. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 20 de setembro de 2017

00:00 - Funrural, futuro incerto

00:00 - Empatia

00:00 - Brasil dificulta empreender

00:00 - Crédito: risco ou oportunidade?

00:00 - Contagem regressiva

Terça, 19 de setembro de 2017

00:00 - Há mais ética no cabaré do que em Brasília

00:00 - 40 anos de política

00:00 - Obesidade: educar ou chocar?

00:00 - Pastor Pilval

00:00 - (I)Mobilidade urbana


 ver todas as notícias
Cuiabá, Quarta, 20/09/2017
 
Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 20/09/2017
Ca366c85786e904951ca9343d5674919 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Em tempos de delações, operações etc., o que se pode esperar de 2018?




Logo_classifacil









Loja Virtual