Excelência ou perfeição - parte 1 | Gazeta Digital

Quinta, 07 de dezembro de 2017, 00h00

Excelência ou perfeição - parte 1

Claudinet Coltri Junior


Certa feita, em uma empresa onde eu estava como consultor, em uma reunião, comentei que era preciso que cada um buscasse a excelência. De pronto, uma participante fez uma intervenção contrapondo a ideia, dizendo que o ser humano não é perfeito. Verdade, não é. Expliquei, então, que há uma diferença entre ser excelente e ser perfeito.

Para falarmos em desempenho, precisamos entender a diferença que há entre fazer uma avaliação com comparativos internos e externos. A primeira diretriz que temos que ter é a comparação conosco (interna), ou seja, é a de buscarmos a melhoria contínua. Termos, a cada ciclo, seja ele dia, mês, ano, temporada, ou qualquer outra coisa que o valha, um desempenho melhor que no ciclo anterior. Dar o máximo de si. Ser completo em relação ao que se pode ser naquele momento. Fernando Pessoa, pelo heterônimo Ricardo Reis, nos explica bem isso: "sê todo em cada coisa, põe o quanto és no mínimo que fazes".

Temos alguns bons exemplos desse comportamento. O nosso grande piloto, tricampeão mundial de Fórmula 1, Airton Senna da Silva, era um desses. Era insatisfeito (no bom sentido) com seus resultados, por sua natureza. Buscava sempre ser melhor que do que já era.

No campo empresarial temos o Cirque du Soleil. Eles têm um patamar de desempenho excepcional. Cada espetáculo tem que ser melhor que o outro. Tem que encantar, emocionar, divertir, cada vez mais. Não à toa, sabemos que o desempenho espetacular de hoje é a expectativa de amanhã, de modo que deixa de ser encantador. Para assim ser, ter essa busca dentro de si, é preciso esforço, determinação, decisão.

Resumindo, temos limitação. Conforme vamos galgando novos e maiores resultados, vamos como que empurrando essa limitação (expandindo nossas capacidades). É o primeiro passo. Porém, a grande questão é que isso só não basta.

O que ocorre é que, em determinadas áreas, sermos completo em relação a nós mesmos fica muito distante, deixa muito a desejar, em relação ao completo do mundo externo. O ideal de competência para aquilo, assim como no Shrek, está num mundo muito, muito, muito distante do nosso. Precisamos, então, termos a referência externa. Nela, comparamos o que somos com o conhecimento, com a possibilidade disponível no mundo. E aí é que entra a questão de sabermos diferenciar excelência e perfeição. Mas... isso fica para o próximo artigo.

Claudinet Coltri Junior é professor, palestrante, consultor organizacional e educacional, professor e diretor da Nova Hévila Treinamentos. Website: www.coltri.com.br - E-mail: coltri@coltri.com.br facebook.com/coltrijunior.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Segunda, 22 de janeiro de 2018

00:00 - Novas parcerias com a China

00:00 - Mais um...

00:00 - A inovação no campo das emoções

00:00 - Conter a queda de árvores

00:00 - No vermelho

Domingo, 21 de janeiro de 2018

00:00 - Doce ilusão! Será?

00:00 - Um ponto fora do eixo!

00:00 - Trabalho Raro ou Trabalho Raso - 4

00:00 - Respeita-se, tolera-se

00:00 - A sociedade evoluiu?


 ver todas as notícias
Cuiabá, Segunda, 22/01/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 22/01/2018
B4d605b0d0dc7c24992b546d8bbdc897 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Algum novato, de fora da política, pode surpreender nas eleições para presidente da República?




Logo_classifacil









Loja Virtual