Quarta, 06 de março de 2013, 00h00

BONAVITA

Construtora não pode cobrar multa

Welington Sabino  / Redação do GD


Uma decisão judicial em caráter liminar abre precedentes favoráveis a todos os clientes que compraram apartamentos no Residencial Bonavita, obra que já foi alvo de pelo menos 5 paralisações determinadas pela Justiça, e de alguma forma enfrentam algum problema relativo a cobrança de multas e moras nas parcelas atrasadas. A cliente Amanda Maldonado de Barros moveu uma ação com pedido de reparação de dano material e moral e obrigação de fazer com pedido de tutela antecipada contra Brookfield MB Empreendimentos Imobiliários, responsável pela obra, e conseguiu liminar que obriga a empresa a emitir novos carnês sem cobrança de juros e moras por causa de atrasos no pagamento, mas com inclusão da correção monetária (INCC)...

Leia mais na edição impressa de A Gazeta, disponível neste Portal.



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sexta, 24 de fevereiro de 2017

17:15 - Retração nas vendas de soja e milho no Brasil ameaça exportação

17:04 - Inadimplência das empresas cresce 5,28% em janeiro

17:00 - Valor do aluguel residencial no Brasil cai quase 9% em fevereiro

11:07 - Bancos fecham na segunda e terça de Carnaval

10:50 - Bancos não poderão cobrar juros de mercado por atraso em pagamentos

10:41 - Famílias de Brasília e São Paulo têm maior renda

10:37 - Setor público registra superávit primário recorde em janeiro

10:34 - Rombo na Previdência chegou a R$ 316,5 bi em 2016

10:27 - Reforma vai reduzir número de mulheres que se aposentam

10:18 - Desemprego atinge 12,9 milhões no país em três meses


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 24/02/2017
 

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 24/02/2017
A62e5578094d90cd223922c882d8cb18 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,0656 -0,12%
Ouro - BM&F (à vista) 122,40 +0,66%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 126,00
Soja - saca 60 kg 64,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Reforma trabalhista prevê que patrões e empregados poderão negociar a jornada de trabalho, desde que não exceda 220h/mês. Qual sua opinião?



Logo_classifacil